14.02

cobmovie2_

Hoje os sites começaram a postar as suas visitas ao set de filmagem de “Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos”, e o site collider mostrou, em uma entrevista bastante reveladora, fatos que desconheciamos, como Cassie lutar por manter cenas dos livros no livro e Jamie Campbell Bower querer provar que ele é o ator certo para Jace.

A entrevista está depois do mais, completamente traduzida.

Valentim Morgenstern (Jonathan Rhys Meyers) está segurando Clary Fray (Lily Collins) contra uma grande mesa de madeira. Ele está com raiva, e ficando mais frustrado a cada segundo que passa. Parado em pé próximo está Jace Wayland (Jamie Campbell Bower), que está coberto de tatuagens, e ele parece preocupado. Depois que algum tempo passa, Valentim grita “Eu quero minha taça!” Um segundo depois, ele bate a cabeça de Clary sobre a mesa e se vira e bate em Jace. Imediatamente Jace diz: “Você disse que não iria machucá-la!” e então pega um longo bastão de madeira para ir para o ataque. Um segundo depois, ouvi o diretor Harald Zwart gritar “corta”.

Mas me deixe voltar um segundo.

Cerca de quatro meses atrás, eu comecei a visitar o set de “Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos” com alguns poucos repórteres enquanto a produção estava filmando em Toronto. Enquanto no set, eu participei de entrevistas em grupo com o elenco e os cineastas, assisti algumas poucas cenas sendo filmadas, e vi em primeira mão como a série infanto juvenil extremamente popular de Cassandre Clare estava sendo trazido à vida. E pelo que eu vi no set, se você é um fã da série, acho que você vai ficar extremamente feliz.

Antes de se aprofundar, se você não conhece “Os Instrumentos Mortais”, eu sugiro ler a sinopse oficial e assistir o primeiro trailer.

Os Instrumentos Mortais é uma série de seis livros de fantasia para jovens adultos escritos por Cassandra Clare. No primeiro livro da série, o livro número 1 mais vendido do New York Times, “Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos”. Situado na contemporânea Nova York, um adolescente aparentemente comum, Clary Fray, descobre que é descendente de uma linhagem de Caçadores de Sombras, um grupo secreto de jovens guerreiros parte anjos presos em uma antiga batalha para proteger nosso mundo de demônios. Após o desaparecimento de sua mãe, Clary deve unir forças com um grupo de Caçadores de Sombras, que a apresenta a uma perigosa alternativa Nova York chamada “Cidade do Submundo”, cheio de demônios, bruxos, vampiros, lobisomens e outras criaturas mortais.

Enquanto eu já estive em um monte de visitas em set, uma das coisas que sempre me impressiona é quando uma produção está disposta a mostrar imagens para jornalistas que estão visitando. Porque quando você pode dizer e fazer todas as coisas certas, mas o que realmente importa é… o filme parece legal?

Desde que nós estamos no dia 40 de 55, a produção teve de toneladas de material e eles nos mostraram a 5 minutos material real. Embora eu não vou ser mais específico sobre o que vimos (embora muito do que está no trailer), o que realmente me impressionou foi o quão bom parecia sem qualquer efeitos visuais. A razão disso foi o diretor Harald Zwart. Fomos informados de que Zwart queria fazer o máximo possível “com câmera”, e que significou a construção de grandes conjuntos de sets e trazê-los à vida como estúdios. Enquanto muitos filmes contam com tela verde e CGI, se você pode fazê-lo com câmara, sempre vai parecer melhor. Além disso, ao fazer com câmera, se você precisa adicionar efeitos visuais, sempre parece melhor porque o fundo é real.

Outra coisa que me impressionou sobre as imagens e os sets foram a atenção aos detalhes. Parecia que a produção tinha passado o tempo fazendo os sets se sentirem cheios de vida. E enquanto nós caminhávamos pela biblioteca e no apartamento de Clary, parecia que eles tinham gastado algum dinheiro para fazer tudo crível. Honestamente, a produção pareceu e demonstrou ser muito maior do que eu esperava.

Depois de caminhar pelo set e vê-los filme a cena que eu mencionei na introdução, nós pudemos falar com o diretor e elenco. Já que eu sei que muitos de vocês só querem saber os destaques, listei os “35 coisas a saber sobre o filme.”
Entanto, eu sei que muitos de vocês querem ler ou ouvir as entrevistas completas, por isso no final deste artigo são links para tudo. (O Idris BR está traduzindo todas as entrevistas também)

35 coisas para se saber sobre “Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos”

Harald Zwart:

– Zwart queria dar embasamento a todos material pegando as ideias magicas de Cassandra Clare e quase as explicando cientificamente.
– Zwart queria garantir que o filme tem um final emocional e não apenas ter o final com gancho para o próximo livro/filme.
– Zwart pensou no filme mais como um “Amadeus” do que um filme de monstro, em termos de aproximação visual.
– Zwart consultou Cassandra Clare quando ele fica preso, pedindo para que ela escrevesse novas páginas quando ele queria uma solução diferente para a forma de realizar as coisas.

Cassandra Clare:

– O set da “Cidade dos Ossos” subterrânea incorpora milhares de modelos diferentes de crânios de diferentes idades.
Os livros de Clare foram originalmente comprados por Michael Lynne e Bob Shaye, que foram produtores executivos da triologia de “O Senhor dos Anéis”.
– Clare se tornou próxima com o diretor de elenco, o que a levou a se envolver mais com as decisões criativas, mesmo que os escritores geralmente estão fora do circuito.
– Clare queria atores que “encarnassem o espírito ou capturassem a essência do personagem”, em vez de uma correspondência exata para suas descrições físicas.
– Clare determinou que, uma vez que a personagem do Magnus é asiático em seus livros, uma pessoa de ascendência asiática deveria ser escalado para o papel.
– Fãs do livro ficarão felizes ao saberem que apenas algumas histórias de fundo foram perdidas na adaptação, porque Clare lutou para manter todas as cenas importantes do livro no filme.
– Clare disse que eles tiveram sorte de conseguir Lily Collins, que é um fã dos livros e traz um “confiabilidade solida para a personagem.”
– A química entre Jamie Campbell Bower e Lily Collins fez Clare tão feliz que ela chorou.
– Os fãs tiveram uma significativa quantidade de palpites no processo criativo do filme já que os produtores deram grandes olhadas nas fã-artes para conseguir visualizar o mundo.
– A protagonista, Clary, é mais velha no filme do que é nos livros, mas sua idade exata nunca é mencionada.

Produtores Don Carmody e Robert Zulzer:

– Warner Bros originalmente tinha os direitos de ”Os Instrumentos Mortais”. Kulzer especula que eles estavam procurando o próximo Harry Potter, mas teve problemas com a personagem feminina principal e, eventualmente, deixou o projeto cair. Kulzer pegou os direitos e levou o filme para a Sony.
– Os produtores tiveram dificuldades para encontrar um “ótimo diretor, com sucesso” por causa do estigma das adaptações jovens adultas. Mas Zwart, que tinha acabado de fazer com sucesso 350 milhões de dólares com “The Karate Kid”, entrou e surpreendeu Kulzer com uma “pilha de placas” e uma visão muito específica para o filme.
– Eles escalaram Collins quando ela era menos conhecidas. Mas a produção atrasada tornou mais fácil vender para os financiadores quando “Espelho, espelho meu” saiu e que eles poderam dizer: “Olhe, é um filme com orçamento de 50 milhões e há Julia Roberts e Lily Collins há e ela é a atriz principal no meu filme.”
– No livro, Clary tem 15. Ela é mais velha no filme porque eles queriam mirar em uma audiência mais velha.
Kulzer explica que envelheceram a personagem em parte porque “se você tem uma garota de 15 anos que fica “Oh meu Deus, eu quero fazer sexo com esse cara”, você vai para a cadeia.”
– Kulzer diz: “As audiências mais fiéis no momento são as meninas jovens”. Ele acredita que o sistema de estúdio não abraçou o público feminino tanto quanto deveriam. Carmody e Kulzer procuraram por “fortes, independentes personagens femininas”, como visto em Resident filmes maus e Silent Hill.
– A autora Cassandra Clare esteve muito envolvida no processo de decidir quais cenas estariam no filme, e as que deveriam ser cortadas por causa do tempo.
– Veja como Kulzer descreve o tom: “É épico, é ação, é sci-fi. Vai um pouco juvenil em algumas partes, você sabe, onde tem o Simon é transformado em um rato ou as motos dos vampiros.”
– Há seis livros da série agora, então os produtores têm um olho na franquia. Por conta de “Crepúsculo” e estrelas de “Harry Potter” serem agora multimilionários, torna-se mais difícil de negociar, mesmo com relativamente desconhecidos para os prender em acordos de longo prazo.

Lily Collins:

-Collins não havia se encontrando com a autora até alguns dias antes das filmagens começarem.
– O set do Instituto é exatamente como Collins imaginava em sua cabeça, e ela ficou emotiva quando o viu pela primeira vez.
-Quando Collins fez o seu primeiro teste de cena com Jamie Campbell Bower, ela se virou para os produtores e falou “Essa é o Jace.”
– O processo de filmagem no set foi muito colaborativo com os atores, e Zwart esperou palpites dos atores a respeito de mudanças em seus personagens.
– O roteiro passou por muitas mudanças desde que foi escrito dois anos antes do início das filmagens. Os primeiros esboços foram mais românticos, enquanto os esboços posteriores focaram o aspecto da ação/aventura.

Jamie Campbell Bower:

– Quando Bower foi abordado sobre o filme a primeira vez, ele não sabia que poderia ser uma franquia.
– Bower começou a treinar três meses antes das filmagens começarem. Ele não queria que o personagem se parecesse com um atleta, ele queria ter mais o físico de um rock star que era esguio.
– Bower leu as reações on-line no início, e isso o fez querer provar para os fãs dos livros que ele é a pessoa certa para interpretar Jace.

Jared Harris:

– Harris diz que o papel de Hodge apelou para ele como um personagem divertido. Além disso, ele gosta que haja um pouco de Fringe (seriado americano) na história: “Há mundos paralelos, há mundos acontecendo ao lado do outro, e este mundo de sombra coexiste com o mundo em que vivemos e que nós podemos ver.”
– Porque Hodge era um Caçador de Sombras, ele tem uma tatuagem no pescoço. Harris usava a tatuagem no pescoço ocasionalmente fora do set- sua namorada é fã.
-Harris é fortemente maquiado, com uma cicatriz protética uma peruca branca. Ele brincou: “O que é um pouco chocante. Você olha no espelho e vê como você pode ser daqui um par de anos.”
– Harris diz que levou o “dilema moral” de Hodge ainda mais a fundo no filme do que no livro. Ele sabe a diferença entre o certo e o errado, mas ele também age “puramente para tirar o seu próprio rabo para fora da situação que ele está preso.”
– Harris gostou da emoção de atuar uma cena de luta com Robert Maillet – a quem ele descreveu como “um homem muito enorme” – porque ele reconhece que ele “desmontaria” se o homem realmente o tivesse acertado.

A entrevista em inglês, você pode encontrar no site Collier..

Arquivado nas categorias: Entrevistas , Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos com as tags:
Postado por:
Você pode gostar de ler também
25.03
Em uma nova entrevista para a Teen Vogue, Cassandra Clare falou sobre “Chain of Gold”, o 1º liv...
27.02
O site publishersweekly postou uma matéria que eles fizeram com Cassandra em especial para o lança...
20.03
Durante o evento que aconteceu em Londres da turnê “King and Queen”, com Cassandra Clare e Holl...
23.01
Cassandra Clare deu uma longa entrevista falando sobre o que podemos esperar de seus próximos livro...
17.01
Cassie deu uma entrevista ao Writer's Digest onde ela fala bastante sobre o processo de escrita dela...
27.11
Com o lançamento de "Queen of Air and Darkness" se aproximando, Cassie deu uma entrevista para ...

Deixe seu comentário

1 comentário em “Visita do site Collider ao set de "Cidade dos Ossos"”







Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook