24.11

padrao_tid1

Cassie foi novamente perguntada sobre o relacionamento dos personagens de As Peças Infernais, Will, Jem e Tessa em seu tumblr. Ela escreveu uma explicação sobre triângulos amorosos, relacionamento amoroso de mortais com imortais e mais! Confira a tradução feita por nossa equipe:

Mecânicos e trios

thesenseinnonsense disse: Oi, Cassie! Eu tenho uma pergunta sobre “As Peças Infernais”. Por que você nunca decidiu fazer de Will, Jem e Tessa um relacionamento em trio? Eu sinto como se todos eles se amassem muito, e igualmente, então não faria sentido? Eu ainda amo seus livros, apesar 🙂

Eu sinto que essa pergunta cai na categoria da minha amiga Libba de “Por que seu gato é seu gato e não algum outro gato?”. Leitores frequentemente me escrevem perguntando perguntas semelhantes a essas: Por que você não fez Jonathan ficar bom no final? Por que você não fez de Izzy uma vampira? Por que Clary nunca fez uma runa para fazer X, Y ou Z? Parece simples, mas as respostas para essas perguntas são sempre as mesmas: essas ideias são todas interessantes, mas não eram parte da história que eu estava contando.

O jeito que o enredo de “Mecânicos” é construído, não deixa possível existir um relacionamento de poliamor entre o trio, mesmo que eu tivesse mudado minha cabeça no meio da série, e decidisse que era isso que eu queria escrever, mais do que eu queria escrever antes.

Jem nunca descobre que Will gosta de Tessa até que Tessa se vai e Jem se vê, literalmente em seu leito de morte, no meio do livro três. Will nunca descobre que Tessa gosta dele até que Jem virasse um Irmão do Silêncio, e estivesse supostamente morto. Só Tessa e Jem sabem que eles se gostam, e só Tessa sabe que ela gosta do Will também – cuja informação ela considera bem desagradável para Jem, e então ela jamais compartilha com Will. Tessa não sabe que Will gosta dela até o final do segundo livro. Não há tempo para ninguém inventar, arranjar ou sugerir um relacionamento poliamoroso, e como um Irmão do Silêncio, Jem não seria capaz de fazer parte dele, de qualquer jeito.

Certamente, eu planejei o enredo e poderia ter planejado de outra maneira, mas eu teria que decidir antes mesmo de começar os livros que “relacionamento poliamoroso” seria o que eu escreveria, e que a mensagem dos livros seria um pouco diferente da que eu tinha planejado originalmente. Jem está sempre morrendo, então sempre há um relógio batendo em seu relacionamento (e se ele não estivesse morrendo, ele seria uma pessoa diferente vivendo na China). Will acredita que ele está sob uma maldição e não pode ser amado na maior parte da trilogia (e se ele não acreditasse nisso, ele seria uma pessoa bem diferente vivendo em uma fazenda de Gales). Tessa é, durante a trilogia, uma feiticeira imortal (e se ela não fosse, ela estaria em um abrigo em Nova Iorque). Nenhum deles jamais teriam se conhecido. Suas naturezas e suas circunstâncias devem ser consideradas: elas ajudaram a montar a história que eu queria contar.

Eu planejei contar a história de “As Peças Infernais” porque eu gostaria de escrever sobre a junção da ideia de amor eterno, felizes para sempre, e a realidade da morte humana. Os livros são sobre Tessa, primeiramente: ela é seu próprio coração, e eu gostaria de contar uma história de um triângulo amoroso que, para mi, seria único, porque não é do ponto de vista de um mortal que se apaixona por um imortal, e sim da visão de um imortal que se apaixona por um mortal, que tem que lidar com a realidade de que, aqueles que ama irão morrer. O ponto de apoio assenta na premissa fantástica, ainda que sedutora e agridoce, de viver para sempre.

Eu tenho lido e encontrado muitas histórias sobre o amor de um imortal com um mortal – de Apollo e Hyacinth, de Buffy e Angel até Bella e Edward e raramente tenho visto tomar um rumo de simplesmente com um deles envelhecendo e morrendo e o outro não. Há livros, onde um triângulo amoroso decide ir em uma direção conturbada. Não existem outros livros que eu esteja ciente de que tem a heroína imortal fica apaixonada por dois homens, ambos mortais, ambos destinados a serem perdidos por ela — e ganhar um como um companheiro em um ano de idade, e, em seguida, passar toda a esperança do outro com outro companheiro. Isso foi o que me fascinou: a ideia do amor antes e depois da morte, como única solução. Não é uma ideia de felicidade perfeita, ou a resolução do enigma do triângulo amoroso via poliamor, embora eu ache que é válida uma resolução para outra história, e, na verdade, que eu tenha visto antes e gostei. (Embora terminando um triângulo amoroso em poliamor não o torná isso um não triângulo amoroso. Ele apenas torna um triângulo amoroso que termina com poliamor.

Também não há nada de errado com triângulos amorosos. Eu vi um monte de lamentações sobre eles ultimamente, e eu tenho zero de paciência para a ideia de que o triângulos amorosos, ou qualquer ferramenta de narrativa clássica, são um problema, se são bem feito. Eles têm sido uma peça de estrutura narrativa enquanto a palavra escrita; sugerindo que as pessoas parar de escrever triângulos amorosos, ou situações em que uma história de amor são complicadas, ou triangulados por alguém fora do vínculo do relacionamento, é tão absurdo como a sugestão de que as pessoas devam parar de escrever mistérios onde um assassinato é cometido e alguém o investiga e, em seguida, descubra quem fez isso. Um livro popular sobre alguma coisa não significa que ninguém nunca possa escrever sobre isso novamente, especialmente se eles pensam que têm algo a acrescentar à conversa (todos os livros estão em conversação, como Sarah Rees Brennan destacou ontem, em um belo post) se essa coisa for ser escola de magia, distopia, ou triângulos amorosos.

A resposta poli é uma resposta muito feliz; deixa espaço para um “felizes para sempre” de uma forma que o final real que o Mecânico não deixa. Mas também não aborda as questões do tempo, a mortalidade, a perda, e a capacidade de resistência de amor que foram a razão que eu escrevi a série em primeiro lugar. Jem e Will não tinham tempo, o tempo da sua vida útil, para serem parabatai um do outro, que é o que queriam. Tessa teve que ser separada de um deles e depois o outro: Jem é mortal agora: um dia ela terá perdido os dois, e ainda vai enfrentar o futuro. Essa é o doce e o amargo da imortalidade: essa é a história que eu estava contando.

Fonte

Arquivado nas categorias: As Peças Infernais , Cassandra Clare com as tags:
Postado por:
Você pode gostar de ler também
01.07
Conforme anunciado em sua newletter (leia clicando AQUI), Cassandra Clare revelou a capa de “Chain...
25.05
A live de Cassandra Clare aconteceu hoje e foi um sucesso: mais de 1.900 pessoas assistindo simultan...
25.05
A pré-venda do box da trilogia “As Peças Infernais”, com as novas capas e lombada que formam u...
20.05
A Editora Galera Record anunciou que fará uma live em seu Instagram na próxima segunda-feira, dia ...
13.05
Em uma resposta longa sobre uma pergunta sobre como se deve construir um mundo, já como construiu o...
06.05
Pegando todos de surpresa, o site The Cinema Spot postou com exclusividade que a trilogia “As Peç...

Deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook