03.04

padrao_cassie

 

Nossa querida Cassie Clare concedeu uma entrevista exclusiva para o Collider, onde ela falou mais sobre a adaptação de Cidade dos Ossos. Ela fala desde a escalação doa atores, sua total confiança em Lily Collins e Jamie Campbell Bower e também do seu medo inicial de ver o seu livro nas telonas! Confiram após o mais:

Cassandra Clare fala sobre Instrumentos Mortais, sua hesitação sobre a adaptação para o cinema, Escalação, o último livro da série, e Mais:

Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos se passa na Nova York contemporânea e conta a história de Clary Fray (Lily Collins), uma adolescente aparentemente normal que descobre ser descendente de uma linha de Caçadores de Sombras, uma organização secreta de guerreiros metade anjo, que travam uma batalha antiga com demônios a fim de proteger nosso mundo. Adaptado de um livro escrito por Cassandra Clare, o filme de aventura fantástica também estrela Jamie Campbell Bower, Kevin Zegers, Jared Harris, Jonathan Rhys Meyers, Lena Headey, CCH Pounder e Adain Turner. Para saber mais sobre o filme, assista ao novo trailer ou à entrevista com Campbell Bower.

Na WonderCon, a autora Cassandra Clare, que criou o mundo no qual Os Instrumentos Mortais é baseado, falou com o Collider em entrevista exclusiva sobre estar, inicialmente, um pouco hesitante quanto a uma versão para as telonas, o que finalmente a deixou tranquila, o motivo pela qual ela quis se envolver na contratação do elenco, o quão sortuda ela se sente por Lily Collins estar no papel principal, o que tornou Jamie Campbell Bower perfeito para o papel de Jace, o quão estranho é o fato de que o último livro da série será lançado em 2014 enquanto o filme baseado no primeiro livro chegará aos cinemas em agosto, e o que inspirou a série Os Artifícios das Trevas (tradução livre), que se passa após o término dos Instrumentos Mortais. Confira o que ela tinha a dizer a seguir.

Collider: Quando você começou a receber propostas sobre transformar seu livro em um filme, você estava realmente animada com isso, ou você estava hesitante sobre a ideia?

Cassandra Clare: Eu estava um pouco hesitante. Eu estava animada com a ideia, mas eu também estava um pouco assustada. Eu cresci em Los Angeles e eu trabalhava para o The Hollywood Reporter. Eu sabia o suficiente sobre o negócio para saber que o papel habitual do autor em um filme é sair do caminho e não dizer nada. Então eu pensei, “Como me sinto em entregar esse projeto a pessoas e deixar com que eles façam o que quiserem com ele, sem nem ao menos conhecimento sobre isso?” E então, a Unique Feautures se aproximou de mim – e isso é Bob Shaye e Michael Lynne, e eles fizeram a trilogia O Senhor dos Anéis, que são meus filmes favoritos de todo o mundo – e eu pensei: “Bem, se eu vou vender isso para alguém, tem que ser para as pessoas que fizeram meus filmes favoritos.”

Com tantos livros infanto-juvenis sendo transformados em filmes, o que você diria para as pessoas para fazê-los compreender que essa é uma história muito diferente, com sua própria mitologia?

Clare: Eu acho que eu diria que essa é uma história que é, em parte, sobre adolescentes, mas não é para adolescentes. Ela existe em níveis duplos. Não é toda a história dos personagens adolescentes, Clary e Jace, interpretados por Lily Collins e Jamie Campbell Bower, mas há também uma história toda sobre os adultos – os seus pais e o que aconteceu com eles. E eu acho que é apenas uma história muito universal de amadurecimento. Da mesma forma que todo mundo poderia se relacionar com Harry Potter crescendo e descobrindo quem ele é, trata-se de uma menina amadurecendo e descobrindo quem ela é.

Com tantos elementos para isso, e de todas as camadas da história e do mundo que você criou, há tantas coisas que poderiam ter dado errado. Alguma coisa específica que lhe deu suspiros de alívio?

Clare: Eu acho que foi realmente quando entrei pela primeira vez no set em Toronto e eu vi que eles tinham construído os cenários a partir do zero. Eu sabia que não se pode acertar sempre. Há tanta coisa que você pode fazer com certos efeitos. Mas (o diretor) Harald [Zwart] queria filmar em película, não digital, e ele queria construir os cenários. Assim, os livros foram enviados, manuscritos parcialmente iluminados, para fazê-los parecerem medievais, todas as armas foram feitas à mão, todos os sinais eram feitos à mão, cada pequeno detalhe de tudo nos apartamentos eram perfeitos. Eu senti como se estivesse andando em meus livros, o que me tranquilizou. Eu estava feliz, mas eu estava completamente apavorada, e isso me fez sentir muito feliz.

Quando você decidiu que queria falar com o diretor de elenco, houve coisas específicas que você quis transmitir?

CLARE: Ah, claro! Fiquei super mandona! Qualquer um dos produtores ou Harald vai dizer. Eu não tinha nenhum papel oficial no filme. Eu não sou uma produtora. Mas eles foram realmente abertos para ouvir o que eu tinha a dizer, então chamei o produtor e disse: “Posso falar com o diretor de elenco?” Eu acho que tecnicamente ele deveria dizer algo como, “Céus, não!”, Mas ele disse: “Claro!”, e ele me deu o seu número de telefone. Então, nós conversamos por horas e foi uma conversa longa sobre como nós víamos cada personagem, que tipo de atores iriam funcionar para cada personagem, o que trariam para o papel, como o mosaico de personagens trabalhariam em conjunto. Foi uma experiência fascinante. Eles eram realmente abertos com me deixar ser parte da escolha do elenco. Eles me deixaram assistir a todos os testes e ter uma voz no processo, e eles não precisariam ter feito isso, então eu fiquei muito grata.

Lily Collins está claramente animada com isso, porque ela é um grande fã dos livros, e ela disse que espera que ela possa interpretar essa personagem tanto tempo quanto possível. Uma vez que você não participou da escolha dela, foi um alívio saber que ela é uma fã e que vocês, pelo menos, estavam na mesma sintonia?

Clare: Sim, eu sinto que temos muita sorte de ter a Lily, como se nós tivéssemos ganhado na loteria. Ela tinha acabado de fazer Um Sonho Possível e a Screen Gems realmente a amava, assim a ligaram rapidamente ao projeto. Essa foi a primeira pessoa que foi anexada. Eu nem sabia que eles estavam procurando. Li sobre isso no Collider! E eu fiquei como, “Uau!” Então, eu fui e vi seu trabalho. Eu assisti Padre e eu assisti Um Sonho Possível e eu fiquei como, “Ela é realmente incrível. Ela vai ser uma ótima Clary.” Mas foi um alívio saber que ela era uma grande fã dos livros e uma fã da personagem. Ela realmente entende a personagem. Isso me fez sentir muito mais segura. Então, eu sinto sortuda de ter a Lily. Quanto a todos os outros, eu tive participação na escolha.

Qual foi a primeira vez que viu Lily Collins e Jamie Campbell Bower juntos, fazendo cenas como Clary e Jace?

CLARE: Oh, meu Deus! Foi no teste deles. Bem, não no teste dela. Ela já estava no projeto. Era a audição dele. Ela fez o teste com uma tonelada de outros caras. Eles trouxeram muitos jovens de Hollywood, todos caras loiros entre as idades de 20 e 30. Eu só ficava observando tudo e pensando: “Não, nenhum desses caras é o Jace. Não que eles fossem atores ruins ou não há nada de errado com eles, mas eles não eram o Jace. “E então, eu pensei: “Talvez eu tenha escrito um personagem bizarro que ninguém pode interpretar. Talvez eu seja louca.” Ele não estava dando certo pra ninguém. Todos os produtores e o diretor foram assistindo, e nada foi acertado. Eu estava ficando muito preocupada.

E então, eles me perguntaram, “Você vai assistiu ao este teste do Jamie Campbell Bower?” E eu disse, “Jamie Campbell Bower? O menino de Sweeney Todd?” Isso foi a única coisa que eu sabia sobre ele, e ele parecia ter 14  e então eu fiquei “Ok, eu assisto a qualquer coisa.” Então, eu vi e ele só entrou e tudo funcionou. Ele era o Jace. Ele tem o humor e ele tem a paixão. A química dele com a Lily foi realmente incrível. Eu estava encantada. Eu era como, “Esse cara! Eu adoro esse cara! Vocês gostam dele, certo? Eu não sou louca, sou ?” E então, todo mundo começou a chegar com os seus votos e sendo assim,” Sim! Sim! Sim! Sim! Sim! Sim!” Ele foi realmente ótimo!

Foi difícil, então, ver a reação a reação negativa dos fãs por ele ter sido escalado para o papel, especialmente para você, que tinha visto o que ele poderia fazer?

CLARE: Foi difícil, e eu me preocupava com ele, também. Eu pensei, “Que tipo de impacto isso teria sobre mim, se fossem coisas sobre mim?” É realmente difícil de lidar. E eu sei que, de certa forma, a reação negativa dos fãs é uma coisa boa porque significa que as pessoas se importam. A pior coisa que você pode fazer é fazer um anúncio do elenco e todo mundo ficar pensar “Quem se importa?”, e então esquecer. Assim, a explosão de “Eu amo ele! Eu odeio ele! Ele está errado! Ele está certo! ” é, na verdade, o que você quer, mas é muito difícil de lidar. Eu pensava “Eu vi este teste e ele é tão perfeito e ele é tão grande e eu quero que vocês o vejam  também”, mas não podia. Eu era como, “Vocês só tem que esperar e ver o que ele pode fazer.” Eu sei que eles vão amá-lo.

E eu vi o que aconteceu com o elenco de Crepúsculo, onde a reação de Robert Pattinson foi inicialmente tão terrível, e depois com Jogos Vorazes, onde a reação ao Josh Hutcherson e à Jennifer Lawerence também foi inicialmente terrível, e eu conheço o editor de Jogos Vorazes, e eu me lembro dele dizendo algo como: “Se eu tivesse ganhado um dólar para cada carta que chegou, dizendo que ela era a escolha errada… “, e agora todo mundo a ama. Eu acho que é um ciclo que nós apenas vemos se repetir várias vezes. Enquanto eles transformam livros amados em filmes, as pessoas vão pensar “Essa não é a minha imagem mental deles.” É preciso que o momento para ele venha e acabe se tornando a sua imagem mental.

É estranho saber que o último livro está programado para sair em 2014, enquanto a versão para o cinema do primeiro livro está saindo em agosto?

Clare: É estranho, especialmente porque eu estava trabalhando enquanto estava no set. Eu estava escrevendo o sexto livro, então eu estava sentada lá escrevendo o fim de tudo para esses personagens, enquanto eu estava assistindo ao início de tudo para seus personagens. Isso foi realmente estranho.

Em que ponto, ao longo do caminho, você veio com os personagens para a série Artifícios  das Trevas, que ocorre cinco anos após o fim dos livros de Instrumentos Mortais? Você sempre planejou continuar a trabalhando neste mesmo mundo, de diversas formas?

Clare: Não era o que eu esperava inicialmente, mas o mundo é um mundo tão grande. E então, eu fui e fiz esta série prequel, Peças Infernais, que acabou de terminar, que se passa em 1878. Criar conexões de família entre os personagens é algo que eu realmente gosto, então eu comecei a pensar sobre o que eu gostaria de fazer depois de Instrumentos Mortais. O que acontece no sexto livro é que todo o mundo dos Caçadores de Sombras realmente muda. Uma coisa fundamental nisso é alterada. E eu pensei, “Como é que vai ser como viver neste mundo, depois que isso acontece?” Eu não queria fazer do ponto de vista de Jace e Clary, porque eu sinto que nós já contamos a sua história. Sabemos o seu começo, meio e fim, então eu precisava de uma nova geração de crianças. Eu comecei a pensar em quem seria, e como eles seriam realmente brevemente mencionados no quinto e sexto livro de Instrumentos Mortais. Então, nós estamos indo para o seu ponto de vista para a próxima série. Eu estou olhando para frente. É triste dizer adeus aos personagens que você conhece, mas é ótimo se envolver com os personagens novos.

FONTE

Postado por:
Você pode gostar de ler também
25.03
Em uma nova entrevista para a Teen Vogue, Cassandra Clare falou sobre “Chain of Gold”, o 1º liv...
11.03
Cassandra Clare acaba de conquistar mais um 1º lugar na lista dos livros mais vendidos do jornal Ne...
27.02
O site publishersweekly postou uma matéria que eles fizeram com Cassandra em especial para o lança...
23.02
Em uma resposta em seu tumblr, Cassie respondeu sobre seu processo de escrita e a forma como se insp...
15.02
Atendendo a pedidos em seu tumblr, Cassandra Clare postou uma cena entre Julian e Emma em “Rainha ...
30.01
Mais um mês chega ao final e mais uma newsletter do site oficial de Cassandra Clare! A newsletter c...

Deixe seu comentário

2 comentários em “Cassie Clare fala mais sobre a adaptação de "Cidade dos Ossos" para o Collider”



  1. Karoll Bastos disse:

    Nossa Cassie realmente é uma diva! A forma como ela fala do Jamie, ela realmente enxerga o Jace que há nele, e se ela acha isso, como nós poderíamos discordar… Mas como é triste ouvir ela falando do fim de TMI… Eu certamente sentirei saudades dos personagens e da doce agonia que é esperar pelo próximo livro de TMI. Mas o mais importante é meio que o que ela disse sobre esse universo dela, terão outros livros! Isso é uma boa notícia! Não serão os mesmos pontos de vistas… Mas ainda viajaremos para o mundo dos Caçadores de Sombras! E é isso que importa!





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook