13.12

padrao_cassie

Cassie mais uma vez, sendo a pessoa maravilhosa que é, deu sua opinião sobre slut-shaming* na mídia. Confiram o que ela disse baseado em suas experiências:

Bem, como prometido, um curto post sobre slut-shaming* na midia. (Ok, nada que eu escrevo é curto.) Me pediram dezenas de vezes para explicar o que eu penso sobre isso, então eu vou fazer isso com o máximo de cuidado que eu puder. Este post não é sobre qualquer coisa específica. Trata-se da discussão geral da slut-shaming*, e a maneira geral as mulheres são representadas na midia.

Este tipo de discussão tem suas próprias complexidades, já que é sobre a mulher da ficção e personagens fictícios – nos filmes, nos livros, na TV, em jogos. O que é difícil, é que você se moveu da simples questão de “As mulheres devem ser permitidas a se vestirem da forma que quiserem, sem comentários? Sim! “E em um espaço onde você está se perguntando quem fez a escolha de vestir essa personagem / retratar esse personagem assim?

Eu acho que é provavelmente hora de citar o Wiki do Geek Feminismo aqui – “Um ponto importante a considerar é quem está decidindo pelas (ex.) mulheres em roupas provocativas? Se as mulheres estão fazendo isso para si (como no caso de cosplay, por exemplo) é muito diferente do que uma empresa ter contratado as mulheres para que se vistam de forma sexy para atrair clientes do sexo masculino. Neste último caso, é importante não slut-shaming* as mulheres que estavam trabalhando, mas criticar as atitudes e ações da empresa que as contratou”.

Muitas vezes, há uma mulher real por trás destas discussões. Eu estive no set de filmes e TV (eu era uma repórter de entretenimento por anos), onde atrizes ficaram chateadas por causa das roupas que tinham que vestir, como desconfortáveis e expostas elas se sentiam. Onde elas estavam chorando em suas mãos, porque elas tinham que fazer suas cenas de luta em saltos altos e estavam com dor agonizante, e os atores se sentaram em volta e riram, porque eles tem que usar botas e tênis.

Tive amigas que foram contratadas para trabalharem em estandes de convenções e foram, pensando que iriam vestir camisetas e jeans e acabaram sendo entregues tangas e sutiãs. E elas usavam porque precisavam do dinheiro, mas elas foram esmagadas – especialmente quando elas eram fãs do trabalho da estande. Eu nunca tive um amigo homem passando por isso.

Há uma diferença entre uma mulher escolher se vestir de um jeito – de qualquer jeito!- E uma mulher que é forçada a se vestir uma determinada maneira, geralmente por homens, ou pelo complexo de entretenimento que é executado por homens e para surpreender o olhar masculino. Eu acho que em termos de enquadramento de crítica, é provavelmente melhor sempre deixar claro que você está dirigindo sua crítica aos paradigmas sociais e construções que nos dizem que os homens se vestem para si mesmos, mas as mulheres se vestem para os homens. Que uma mulher em roupas práticas que a protegem não é bonito ou feminino. Para evitar slut-shaming*, todos nós devemos cuidar para não estarmos criticando um personagem ou uma atriz que não tinha escolhas – mas continua a ser importante e necessário criticar as atitudes e ações das pessoas que decidiram vestir-las assim.

“Mas o que dizer de cenas sem camisa envolvendo atores masculinos? É tudo a mesma coisa!”

Não é não. Isto é conhecido como uma falsa equivalência. (Falsa Equivalência é “um resultado comum quando uma semelhança anedótica é apontada como igual, mas a alegação de equivalência não funciona porque a semelhança é baseada na simplificação excessiva ou ignorância de factores adicionais.”) Este argumento pode navegar em um mundo onde versões sexualizadas de mulheres em vídeo games, televisão e filmes não foram estatisticamente associada à violência contra as mulheres, a explicação de estupro e assédio sexual -, mas que não é o mundo em que vivemos. Há também uma diferença entre homens que têm um algumas cenas sem camisa enquanto estão na academia ou trocam de roupa, e uma personagem feminina que é descrita à viver toda a sua vida, mesmo se ela estiver com sua família, em um funeral, com um namorado ou namorada, ou lutando uma batalha violenta, em lingerie. Quando uma personagem feminina não coloca qualquer coisa para proteger sua própria pele durante uma luta, é a personagem que quer correr o risco de danos corporais e mutilação? É isso confiança? Nesse caso, por que os personagens masculinos igualmente confiantes estão cobertos e protegidos? Se nessa parte da midia os personagens masculinos também estão suando roupa provocante para lutar – Se eles estão vestindo camisas de malha e shorts curtos em combate – então nós temos uma conversa diferente. Caso contrário, não.

Há um grupo de pessoas que sempre argumentam que é slut-shaming* salientar que as personagens femininas dos videogames, por exemplo, não são vestidas ou tratadas como os do sexo masculino. Eles são G/a/m/e/r/G/a/t/e/r/s: eles assediam e ameaçam as mulheres reais. Eles usam a linguagem da justiça social para proteger um paradigma dominante machista, e para evitar crítica honesta de um sistema sexista – que não é, e nunca será, sobre a vergonha de uma mulher.

Eles tornaram-se sinônimo de taquigrafia da internet para misoginia/machismo tóxico. E eles são quase todos homens.
Nós, que somos mulheres: todas nós somos prejudicadas por sexismo sistêmico na mídia. Nós compartilhamos a mesma dor. Só posso esperar que isso nos lembre de ser gentis umas com as outras.

Slut-shaming: Não existe uma tradução literal no português, porém seria como uma “vigia moral”. Para melhores explicações, clique aqui.

Fonte

Arquivado nas categorias: Cassandra Clare com as tags:
Postado por:
Você pode gostar de ler também
05.05
Algumas semanas atrás, Cassie abriu uma caixinha de pergunta em seu Instagram @CassieClare1 e agora...
16.04
Cassie enviou a newsletter especial de “Sword Catcher”, cheia de novidades sobre o livro adulto ...
03.04
Cassie enviou uma newsletter bem pequena e sem muitas novidades, só pra falar sobre o atraso da new...
28.12
Nós, do Idris, estamos fazendo um Sorteio Solidário para doar para a cidade de Itabuna, que sofreu...
18.12
Cassie enviou uma newsletter onde ela fala sobre “Segredos da Mansão Blackthorn” e manda de nov...
02.12
Cassie respondeu mais asks em seu tumblr onde ela falou mais sobre dicas de escrita e também falou ...

Deixe seu comentário



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook