10.07

cassie_padrao

Cassie respondeu em seu Tumblr a pergunta de uma fã à respeito de Jessamine. Em sua réplica, ela aproveitou para falar de como era a vida das mulheres na era Vitoriana e do legado que Jessamine deixará para The Last Hours.
Confira o texto traduzido abaixo:

Oi Cassie! Eu acabei de terminar de ler Princesa Mecânica, e ao passo que eu o amei o que eu realmente quero saber é: porque Jessamine teve que morrer? Eu entendi que ela é mais feliz como fantasma do que foi em vida, mas porque ele teve que morrer para ser feliz? Porque ela não pode ficar viva e ser feliz? É tão trágico para mim porque ela foi triste e raivosa a vida inteira e passou seus ultimos meses como prisioneira, e então no momento em que ela é libertada, ela morre. Qual foi a razão?

Obrigada pelas palavras gentis sobre Princesa e pelo amor por Jessamine, uma quase sempre não notada personagem. Eu nunca pensei como Jessamine ser “mais feliz” como fantasma (ela não é, realmente.. ela só é… um fantasma) ter a ver com o fato de sua morte. Entretanto, Jessamine, Tessa, Sophie, Charlotte (e para estender um pouco, Cecily – na verdade, todas as personagens em TID) são símbolos de como a repressão Vitoriana de mulheres moldou a vida das mulheres.

Sophie era uma servente, que era sexualmente assediada por seu empregador – algo que acontecia constantemente na era Vitoriana, porque as mulheres não tinham como se defender de homens em posição mais importante. Ele sempre diria que ela que estava se jogando para ele, e as pessoas sempre acreditariam nele em vez dela. Assim como Sophie, um monte dessas mulheres foram atiradas às ruas, incapazes de arranjar outro trabalho. Sophie foi resgatada por Charlotte mas muitas mulheres na vida real não tiveram essa chance.

Tessa teve que ir para a Inglaterra para se juntar ao seu irmão porque ela não tinha nenhuma outra opção disponível. Sem um guardião (sua tia) como uma jovem moça, ela tinha que viver sobre a proteção de um homem. Ela não tinha outras opções além de trabalhar em uma casa onde ela provavelmente teria morrido, ou se prostituir. Ela não teve educação para ser uma governanta ou as referências para ser uma servente. Tessa está presa nos eventos da série TID mais por seu gênero do que pelas circunstâncias.

Charlotte foi nascida para o poder, exatamente o tipo de mulher que seu pai desejava que fosse um menino, porque ela é claramente uma líder. Ainda assim, ela luta à unhas e dentes por cada pouquinho de respeito e cada grama de poder que ela tem. E até Princesa, todos os seus feitos são creditádos ao Henry (apesar de todo mundo saber que Henry é brilhante com invenções, ele é um péssimo líder) e ela não teria nenhum acesso ao poder se não fosse casada com ele. O poder que ela tem teve que vir através de um homem até o fim.

“Mulheres da metáde do século 19 não tinham tantas escolhas. Muitas viviam em um estado um pouco melhor do que escravidão. Elas tinham que obedecer os homens, porque na maioria dos casos os homens que tinham todos os recursos e mulheres não tinham nenhum independência de subsistência. Uma viúva rica ou solteira era uma rara exceção. Uma mulher que permanecesse solteira atraía a desaprovação e raiva da sociedade. Ela não poderia ter filhos ou coabitar com um homem: as penalidades da sociedade eram muito altas.Também não poderiam ter uma profissão, já que a maioria era proibida às mulheres… a maioria delas tinha poucas escolhas senão se casar.”

Jessamine cresceu como uma mundana. Assim, ela foi criada para entender que arranjar um bom casamento era o propósito da vida. Quando ela perdeu sua família e foi para o Instituto, foi dada à ela outra escolha: tornar-se uma Caçadora de Sombras (não que não haja/houvesse pressão sobre Caçadoras de Sombras para se casarem e terem filhos/mais Caçadores de Sombras. Mas elas tinham a opção de ganhar um salário da Clave).

De qualquer maneira, Jessamine não quer ser uma Caçadora de Sombras. Ela quer o que ela foi educada para querer, porque é isso que sua condição anterior faz. E obviamente não tem todos os casos – a maioria das mulheres da era Vitoriana se irritavam com as regras impostas à elas pela sociedade. E Jessamine, que na verdade é cabeça dura e corajosa, provavelmente também teria, mas ela nunca teve a chance: suas ideias de significado de casamento e família e propriedade estavam atadas à sua falecida família, como exemplificado por sua casa de bonecas., onde ela recriava o que ela imaginava ser uma vida “normal”. Para Jessamine, se tornar uma Caçadora de Sombras, significada trair os ideais de seus falecidos pais, algo que ninguém no Instituto entendia ou tentava entender exceto, talvez, Tessa.

Jessamine está presa. Como TODAS as mulheres na era Vitoriana estavam, de alguma maneira, presas. Ela é esperta, ela está desesperada, ela está disposta a fugir e viver com Tessa se elas puderem escapar dos Caçadores de Sombras, mas ninguém ve o quão desesperada ela está até que seja tarde demais. Se ela estava apaixonada por Nate? Não. Provavelmente não. Ele oferecia a ela uma forma de escapar da vida na qual ela estava presa, e ela oferecia a ele informações importantes. Ela trai os outros Caçadores de Sombras, pessoas que cuidaram e se importaram com ela, mas ela não estava em sua natureza estúpida (ninguém que planejava desfazer o feitiço ao qual foi imposta para dizer ao Will a verdadeira localização de Mortmain é realmente estúpido) ou traiçoeira. Ela estava em uma situação onde apenas más escolhas estavam disponíveis para ela e ela escolheu.

Eu me deparo com esse tipo de questão frequentemente: “Porque fulano e ciclano tiveram que morrer? Foi trágico.” E eu entendo, porque ler tragédia é difícil e doloroso para todos nós. Mas tragédia na ficção é iluminador: sem mortes ou tragédia, não há consequências visíveis para nada. Sem a morte de Jessamine, não há consequência visível para a misogenia praticada contra ela, contra Charlotte e Sophie e Tessa.

Charlotte ser eleita Consul é uma vitória massiva, mas ela é uma exceção, não uma regra. Sophie, ao sobreviver ao que o seu empregador fazia para ela e ao Ascender, é uma exceção. Tessa, por causa de seu imenso poder mágico, é uma exceção.

Nem todo mundo pode ser uma exceção.

O mundo era um lugar terrível e perigoso para as mulheres nos anos 1870 – e não quero dizer que as mulheres poderiam ser atacadas a qualquer momento enquanto andam pela rua. Eu me refiro às suas atitudes e pessoalidade que estavam sob ataque. A história de Jessamine é uma história sobre estar presa e não ter nenhuma opção boa, porque essa era frequentemente senão sempre a situação para mulheres naquela era. É quase sempre a situação para mulheres agora. Há obviamente mais pecado contra ela do que ela peca, mas havia literalmente uma guerra contra as mulheres naquela época. Há cinco mulheres importantes nos livros de TID. Quatro delas sobrevivem a guerra. Uma não. A lição de Jessamine e o que o mundo e a Clave fizeram com ela viverá, Nas vidas dos descendentes dos sobreviviventes. Em TLH.

fonte

Arquivado nas categorias: Cassandra Clare com as tags: , , , , , .
Postado por:
Você pode gostar de ler também
15.10
“Cidade de Vidro”, de Cassandra Clare e o 3º livro da série “Os Instrumentos Mortais”, ent...
02.09
Cassie deu uma entrevista para o site booktopia, respondendo 10 perguntas que eles fizeram pra ela! ...
17.08
Cassie anunciou hoje em seu twitter que estará no festival internacional do livro de Edimburgo, no ...
01.07
Conforme anunciado em sua newletter (leia clicando AQUI), Cassandra Clare revelou a capa de “Chain...
25.05
A live de Cassandra Clare aconteceu hoje e foi um sucesso: mais de 1.900 pessoas assistindo simultan...
20.05
A Editora Galera Record anunciou que fará uma live em seu Instagram na próxima segunda-feira, dia ...

Deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook