16.12

Quando Selena Gomez anunciou que lançaria um documentário, há pouco tempo atrás, todo mundo acreditava que o documentário seria algo no estilo autobiográfico, contando a história de sua vida e falando do principal relacionamento amoroso que a atriz já teve. Disseram, inclusive, que a atual esposa de seu ex estaria lançado um podcast para desmentir algumas coisas que Selena poderia dizer em seu filme. A cultura de colocar mulheres contra mulheres…

Acabou que o documentário da Selena não era nada disso. Pelo contrário, a estrela resolveu, em seu documentário, abordar o tema importantíssimo que é “saúde mental”.

Hoje em dia quem não batalha contra algum tipo de doença mental? Depressão, ansiedade, síndrome do pânico. É difícil, não é? Selena, mesmo com muito medo de ser julgada, resolveu mostrar sua batalha contra a depressão (e o lúpus), no documentário “My mind and me”… A cantora disse que gostaria que jovens ao redor do mundo vissem que esses problemas são reais, e que qualquer um pode sofrer com eles. Que as pessoas sentissem que não estão sozinhas, e que as vezes alguém próximo de você pode estar passando pelo mesmo. Inclusive seu ídolo.

O longa foi dirigido pelo mesmo diretor que trabalhou no documentário da Madonna (pelo qual Sel é obcecada), e foram 6 anos de gravação da vida da cantora e atriz para poder produzir o corte final de “My mind and me”. Eles começaram durante a Revival Tour, pararam por um tempo, quando Selena resolveu dar uma pausa, e retomaram as gravações há pouco tempo atrás. Alek Keshishian, o diretor, explica que sentou com Selena e teve uma conversa séria, dizendo que para fazer isso ele precisaria de acesso total a sua vida. E ela disse sim.

O documentário fala muito sobre a rotina de Selena. Como os dias são exaustivos. Como tudo parece mais do mesmo… E não só fala da depressão, como mostra. Mostra como é difícil. Como é para alguém que em alguns dias não tem forças nem para sair da cama. O documentário pinta uma imagem clara do que é a depressão e como ela pode afetar uma pessoa.

O que eu achei legal, de verdade, nesse documentário, é que Selena expôs todo seu “eu” nele. Vemos lados dela que poderíamos considerar não serem muito legais, e que poderiam ser até prejudiciais para a imagem de uma pop star boazinha, se fosse isso o que é importante para ela. Mas não é. O que ela quer nos ensinar, ao expor esses momentos pessoais, é como uma doença mental pode transformar completamente uma pessoa. Como pode afetá-la ao ponto de ela mesmo não se reconhecer, e isso torna todo o processo ainda mais difícil.

Algo que me impactou muito, foi a viagem dela para Europa e as perguntas que ela recebe da mídia, coisas tão superficiais, que a fizeram sentir como um produto. Como de fato, ninguém se importa com o que esta acontecendo com ela, mas ligam para a imagem que ela representa, o produto que ela é. É algo realmente triste e doloroso de ver. Muito semelhante ao que vemos no documentário dos duques de Sussex, Meghan e Harry.

Selena explora muito como a mídia pode ser cruel e fria em relação a personalidades famosas, e como as pessoas tratam os famosos como se fosse o dever deles alimentar tabloides e dar explicação de suas vidas, quando na verdade, não é.

Isso nos faz parar para pensar, não é mesmo? Você já deixou algum comentário maldoso no perfil de alguém? Porque fez isso? Porque se sentiu protegido pela internet? É algo que você faria se estivesse cara a cara com a pessoa? Você não gostaria de entender de onde vem sua necessidade de prejudicar o outro dessa forma? Não é muito melhor ser gentil com as pessoas?

Outra coisa que eu achei muito, muito legal no documentário foi como quebrou um paradigma para mim. Por exemplo, sou fã da Selena há muitos anos, e nunca imaginei que ela passasse por tudo aquilo. Isso realmente nos faz pensar em como julgamos as pessoas pela imagem que elas transmitem, quando na realidade não fazemos a menor ideia do que de fato acontece com alguém.

Enfim, eu amei esse documentário. Selena disse que o corte original tinha quase 3h, mas que decidiu encurtar porque ficaria muito cansativo. Mas eu assistiria as 3h tranquilamente. Porque seriam horas de um conteúdo necessário para as pessoas. Foi incrível ver alguém que eu gosto e admiro tanto, e pensar “olha… ela passa pela mesma coisa que eu!”. Essa representação é importante demais.

Para quem não sabe, a selena criou a Rare Fund Impact, que direciona 1% de todas as vendas da Rare Beauty para o tratamento de doenças mentais através de ONGS que ajudam as pessoas que precisam! Essa é uma iniciativa incrível, e você pode ajudar entrando no perfil da Rare Beauty no Instagram.

Selena também lançou uma música, que dá nome ao documentário, “My Mind & Me”. Você pode ouvi-la nas plataformas como Spotify e Deezer ou então clicando aqui.

Se você se sente triste e sozinhx por algum motivo, chame alguém para conversar. Não sofra em silêncio. Sempre haverá alguém disponível para ajudar você. Sempre. Ligue 188 para conversar com alguém no centro de valorização da vida, se quiser. Ou acesso o site clicando aqui.

Lembre-se de ser gentil com as pessoas. As vezes, um elogio ou uma palavra de gentileza é tudo que alguém precisa para decidir não fazer algo de ruim consigo mesmo. E pode transformar o dia de uma pessoa.

O documentário de Selena está disponível no Apple TV+.

Arquivado nas categorias: Blog com as tags: , , , , , .
Postado por:
Você pode gostar de ler também
12.07
“Prazos de validade” Rebecca Serle Tradução: Lígia Azevedo Paralela – 2024 – 264 pá...
09.07
Chegamos no meio do ano (!!!), um ano bem bagunçado, vamos assumir, mas que tá cheio de livros ót...
05.07
“A Ascensão do Dragão: Uma história ilustrada da dinastia Targaryen – Volume 1” George R...
02.07
Sinopse: Arwen era uma simples jovem humana, vivendo em uma pacata vila e em meio a um povo cujo d...
28.06
“O Rei Aurora” (Artefatos de Ouranos 2) Nisha J. Tuli Tradução: Guilherme Miranda Seguint...
25.06
“Quem vai te ouvir gritar: Uma antologia de horror negro” Jordan Peele, John Joseph Adams e v...

Deixe seu comentário





Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook