23.10

 

Nasce Uma Estrela (2018)
Direção: Bradley Cooper
Elenco: Bradley Cooper, Lady Gaga, Sam Elliot
Gênero: Romance/Drama

Jackson Maine (Bradley Cooper) é um cantor no auge da fama. Um dia, após deixar uma apresentação, ele para em um bar para beber algo. É quando conhece Ally (Lady Gaga), uma insegura cantora que ganha a vida trabalhando em um restaurante. Jackson se encanta pela mulher e seu talento, decidindo acolhê-la debaixo de suas asas. Ao mesmo tempo em que Ally ascende ao estrelato, Jackson vive uma crise pessoal e profissional devido aos problemas com o álcool.

Nasce Uma Estrela chegou aos cinemas em outubro de 2018. O filme (que já é a quarta versão lançada da história nas telas), foi o primeiro dirigido por Bradley Cooper, que, em minha opinião, fez um trabalho fantástico como estreante.
O romance conta a história de Ally (vivida por Lady Gaga) e Jack (Bradley Cooper). Ally, uma garçonete de mais ou menos 30 anos, tem o sonho frustrado de ser cantora e faz algumas performances em noites ocasionais em um bar onde trabalhava anteriormente. Apesar de cantar, Ally já desistiu da possibilidade de fazer sucesso através da música, e vive com o pai (que ainda acredita no sonho da filha), em uma casa no subúrbio.
Já Jack é um cantor de sucesso, mas que teve uma infância difícil com o pai em uma fazenda, e por causa disso, afundou-se no álcool e em drogas enquanto faz tours com seus shows ao redor do mundo.

Os caminhos de Jack e Ally se cruzam quando em uma noite após terminar um show, Jack entra em um bar e vê Ally cantando (Lady Gaga ARRASOU em La Vie En Rose) e, após passar uma noite conhecendo-a, decide levá-la para cantar em um de seus shows.

A história evolui quando Ally é descoberta por uma gravadora e começa a realmente fazer sucesso, trazendo à tona alguns dos demônios interiores de Jack com os quais ele não consegue lidar.

Ok, agora vamos falar do filme em si: Bradley Cooper simplesmente arrasou como diretor. Eu adorei tudo no filme e no modo como ele se desenrola. Na sequência de eventos e em como algumas coisas vão se revelando ao passar do filme. Mas o que eu mais gostei, de verdade, foi a maneira como ele explorou a relação entre Jack e Ally. Como ele conseguiu criar uma atmosfera de intimidade entre os dois personagens e realmente conectá-los.
Sobre a fotografia: Eu adorei as cores do filme. De verdade. As cenas mais emocionantes com cores vibrantes e cenas mais tranquilas com cores frias. É quase como se o próprio filme estivesse tentando dizer onde devemos nos emocionar e onde podemos respirar fundo e relaxar.

Eu já sabia que o Bradley Cooper é um camaleão das telas. Ele consegue fazer qualquer coisa, e muito bem feito. Qualquer projeto que Cooper execute, ele faz com perfeição. Desde as comédias, como em “Se beber não case”, até em filmes que realmente mexem com o nosso psicológico como “Sniper Americano”. É como se ele realmente se tornasse aquela pessoa. Lady Gaga para mim foi uma surpresa total. Claro que a direção brilhante de Bradley Cooper influencia no filme, mas a cantora teve uma performance espetacular interpretando Ally. Ela nem parecia a Lady Gaga. E não quero dizer isso de uma maneira ruim (porque eu gosto muito da Lady Gaga e acho que ela tem uma história incrível). Digo isso porque ela realmente se transformou em outra pessoa para viver Ally. Desde a aparência até a personalidade. Tudo na interpretação dela mexeu comigo. É como se ela já fizesse isso há anos.
Além do talento inegável dos dois atores, a química entre eles é gigantesca, o que contribuir muito mesmo para o fator “torcer pelos mocinhos”.

As músicas do filme são FANTÁSTICAS. Todas elas. Cada uma delas. E toda a trilha sonora foi composta principalmente por Gaga com o apoio de Bradley Cooper ao longo de dois anos. Os dois estudaram e traçaram um perfil do tipo de cantores que queriam que os personagens fossem, e, após chegarem a uma conclusão, contaram com a ajuda de cantores da mesma área de seus personagens. Mas a composição foi basicamente dos dois. Para mim, a trilha sonora desse filme foi como uma terceiro personagem que também fez parte da história E contou a história, e não só algumas músicas que tocavam no meio do filme. A trilha sonora chegou ao primeiro lugar nas paradas de vários países.

Algumas das minhas faixas preferidas são “I’ll Never Love Again” e “Always Remember Us This Way”. Mas sério, todas elas são maravilhosas.

Para finalizar, posso dizer repetir que o filme é IN-CRÍ-VEL e vale MUITO a pena ser assistido, e acho que tem chances GIGANTESCAS de ganhar alguns Grammys e Oscars nas próximas premiações. Saí do cinema chorando e mal posso esperar para repetir a experiência!!

Arquivado nas categorias: Blog , Filmes com as tags: , , , , , , .
Postado por:
Você pode gostar de ler também
06.12
“Não confie em ninguém” Charlie Donlea Faro – 2018 – 352 páginas O destino de Grace Sebo...
03.12
Vem conferir o que sai lá na gringa esse mês! LANÇAMENTOS DE DEZEMBRO Children of Virtue and...
29.11
Sinopse: Uma história única e envolvente sobre dois jovens que devem enfrentar a eletricidade d...
26.11
Essa resenha NÃO tem spoilers do enredo de A Heroína da Alvorada. E não fala detalhadamente do e...
22.11
“Maré Congelada” (A Queda dos Reinos #4) Morgan Rhodes Seguinte – 2016 – 440 páginas As ...
19.11
Sinopse: Além de enfrentar anos de bullying na escola, Charlotte Davis perde o pai e a melhor am...

Deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook