18.10

Oi pessoal! Esse mês vou falar para vocês sobre a indicação de série que um amigo me deu, e que, ainda bem, eu escutei e fui assistir!

A série, chamada Young Royals, estreou na Netflix em 2021, e é uma produção sueca. Antes de eu falar um pouco mais sobre, dá uma olhadinha aqui embaixo na sinopse:

Na série Young Royals, quando o príncipe Wilhelm (Edvin Ryding) precisa se ajustar à vida em seu prestigioso colégio interno, Hillerska, ele começa a perceber que seguir seu coração nem sempre é uma escolha fácil, necessitando lidar com algumas situações mais desafiadoras do que o previsto.

Tá… essa sinopse é bem fraca. Então vamos lá. A série trata sobre um príncipe que, depois de fazer muita merda, é enviado pela família para uma escola no estilo internato. Na escola ele tem que manter a postura e a imagem da família real. Acontece que o príncipe acaba conhecendo Simon, um jovem bolsista da escola que, apesar de não residir lá, se faz muito presente na rotina de Will. E aí as coisas começam a ficar complicadas.

As coisas se complicam porque o príncipe, sendo o eleito para assumir o trono depois da sua mãe, precisa manter uma postura e comportamentos sociais que são esperados dele. Mas é muito difícil fazer isso quando você descobre que está apaixonado por um aluno bolsista da escola, né? Vou deixar o trailer aqui pra você, se sua curiosidade já foi desperada:

Em paralelo, temos várias outras histórias de personagens secundários que se desenrolam e são tão interessantes quanto o plot principal.
Por exemplo, a irmã de Simon que tem Síndrome de Asperger, um estado de espectro do autismo um pouco mais “fraco”.

Eu queria contar muito mais da história para vocês, mas daí qual seria a graça em assistir, né?
Então vamos falar sobre outros aspectos de Young Royals que são muito interessantes.
A série retrata personagens “reais”, com isso quero dizer que nenhum dos atores e atrizes é um super modelo ou algo assim. E isso me chamou muito a atenção, especialmente porque eu tenho buscado cada vez mais consumir conteúdos que retratem personagens que se pareçam com as pessoas que realmente existem na vida real, algo mais “plausível” ao invés de um padrão de beleza que vai ser inatingível. Então Young Royals tem muito disso. Os atores e atrizes se parecem muito com as pessoas comuns que cruzamos no nosso dia a dia.

Outro ponto positivo da série é que ela é bastante inclusiva, de cara, obviamente por se tratar de uma temática LGBT, mas porque a personagem principal feminina, por exemplo, e garota mais popular do colégio, é uma mulher negra, com um corpo que a vogue, por exemplo, não descreveria como padrão. Mas é um corpo lindo E real.

A história da série por si só é MUITO bem construída, sem erros de continuidade, sem fillers desnecessários, com personagens fortes e muito bem explorados.

A trilha sonora então, eu nem posso falar, porque já está inteirinha salva no meu spotify.

A série tem muito daquele romance que faz o coração doer muito, tipos os livros da Cassandra Clare, e que você não consegue parar de assistir assim que começa, e te faz ficar suspirando e torcendo o episódio todo. Mas não é NADA enjoativo ou forçado.

A primeira temporada tem poucos episódios (e eu só sobrevivi ao último por saber que a próxima vai lançar logo!!!), mas em 1 de novembro a segunda temporada (que teve o trailer lançado hoje, inclusive), promete chegar com tudo.

Enfim, pessoal, eu AMEI Young Royals! Passei por uma ressaca difícil quando terminei de assistir, e que só foi superada graças a Hearstopper (que também é incrível!!!) E eu estou contando os dias para primeiro de novembro.

Se você não assistiu ainda, corre que dá tempo antes de a segunda temporada chegar, e se assistiu, conta pra gente nas nossas redes sociais se amou tanto quanto eu!

Young Royals está disponível na Netflix.

Arquivado nas categorias: Blog , Séries com as tags: , , , , .
Postado por:
Você pode gostar de ler também
20.02
“A serpente e as asas feitas de noite”(Nascidos da Noite #1) Carissa Broadbent Tradução: J...
16.02
Sinopse:No último dia das bruxas, a ex-melhor amiga de Alice Ogilvie foi morta. Se não fosse ...
13.02
Depois de um janeiro que pareceu durar uns 3 meses, finalmente chegamos em fevereiro e no novo post ...
09.02
“Mata Doce” Luciany Aparecida Arte de Capa: Ale Kalko Alfaguara – 2023 – 304 páginas ...
06.02
Sem delongas, comecemos essa resenha com a sinopse: “Pietra Jimenez é uma famosa arqueóloga e pe...
31.01
Sinopse: O livro que os fãs de Christina Lauren estavam esperando desde que conheceram Fizzy ...

Deixe seu comentário





Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook