26.04


“Procurando Jane”
Heather Marshall
Tradução: Lígia Azevedo
Arte de Capa: Estúdio insólito
Paralela – 2021 – 328 páginas

Uma poderosa história inspirada em fatos reais sobre mulheres que enfrentam riscos, ameaças e perdas para ajudar umas às outras quando sabem que ninguém mais o fará.

“É só dizer que está procurando Jane.”

2017
Quando descobre uma carta surpreendente no trabalho, Angela Creighton decide fazer o possível para encontrar a destinatária. Sua busca a leva para a Toronto dos anos 1970, quando mulheres destemidas operavam uma rede ilegal de abortos conhecida apenas pelo codinome “Jane”.

1971
Na adolescência, a médica Evelyn Taylor foi enviada para um abrigo para mulheres “arruinadas” e forçada a entregar seu bebê para adoção. Na vida adulta, ela se junta à Rede Jane, determinada a oferecer a outras mulheres a escolha que nunca teve.

1980
Depois de descobrir um segredo chocante sobre sua família, Nancy Mitchell começa a questionar a própria história. Quando engravida sem querer, ela localiza a Rede Jane e se junta à dra. Taylor na organização. Seus segredos, no entanto, nunca deixam de assombrá-la.

Unindo a vida de três mulheres, este é um romance inesquecível sobre as consequências devastadoras da falta de escolha e o poder duradouro do amor de uma mãe.

Quando terminei a leitura de “Procurando Jane”, eu fiquei quieta, pensando sobre o que tinha acabado de ler e não sabia ao menos começar a organizar meus pensamentos. Para ser sincera, eu me sentia assim logo no começo da trama – por volta da página 52, eu já tinha tido mais emoções do que esperava, mas, agora, ao fim, posso afirmar que este livro é um livro escrito por uma mulher feito para mulheres. Mulheres que desejam serem mães, mulheres que não desejam, mulheres que se ajudam, mulheres que se amparam, mulheres que são fortes e mulheres marcadas por segredos maiores do que podem suportar. Mulheres mães, mulheres filhas, mulheres que sofreram, mulheres abandonadas, mulheres que lutaram, mulheres – um universo de mulheres entrelaçadas em 3 (ou mais) histórias que atravessam o tempo, fazendo com o que leitor entenda o poder do universo feminino.

Ufa. Esse tanto de emoções obviamente ainda estão em mim, mas vou tentar falar o mínimo possível sobre a trama em si porque não quero entregar a experiência de leitura do livro para vocês porque acreditem, vou falar desse livro até vocês cansarem e lerem. Então vamos lá, vamos começar explicando a trama de um livro que deveria sim, ser obrigatória a leitura para todas nós, independente do que acreditamos, porque é feito para pensarmos em todas escolhas que podemos fazer (novamente, independente do que acreditamos).

Era um dia perfeitamente normal quando uma carta absolutamente extraordinária foi entregue na caixa de correio errada.
As caixas eram idênticas, posicionadas lado a lado, feitas do mesmo metal barato e fino, agora enferrujado de leve perto das dobradiças. Estavam parafusadas à parede de tijolos marrons ao lado da porta da loja, a porta cujo sino soava alegremente — ou de modo irritante, dependendo do ponto de vista — sempre que um cliente entrava ou saía.
A caixa de correio do Antiquário e Sebo Thompson ficava à esquerda, com um número um marcado num adesivo dourado já descascando. A caixa de correio do apartamento acima da loja ficava à direita e tinha o mesmo adesivo, só que com o número dois. A diferença era mínima, na verdade, e, no entanto, fez uma enorme diferença para Nancy Mitchell, que morava no apartamento de cima e não soube da carta que não havia recebido.

A trama segue 3 linhas do tempo e é dividida em 3 partes, alternando os capítulos com pontos de vistas das personagens (e seus nomes, para ficar bastante claro de quem é a visão que estamos acompanhando) e seus respectivos anos: temos um prólogo e logo somos apresentas a Angela, mulher lésbica que está tentando ser mãe por inseminação in vitro, tudo com a participação e envolvimento de sua companheira Tina. O ano é 2017 e Angela vive em Toronto, e, um belo dia, em seu trabalho (um antiquário de sua tia, que lhe empregou), ela encontra cartas antigas que nunca foram abertas. Uma dessas cartas era endereçada a uma mulher chamada Nancy Mitchell com o endereço da loja – mas a pegadinha é que a carta havia sido entregue há 7 anos, no ano de 2010. Mas, pensando mais um pouco, Angela chega a conclusão que a tal Nancy provavelmente deveria morar no apartamento acima da loja, e, intrigada, abre a carta, tomando um choque ao ler o conteúdo. A carta, repleta de informações muito pessoais, fora enviada pela mãe de Nancy, Frances, logo antes da sua morte, confessando alguns segredos que a mulher havia escondido de sua filha por toda a vida. Bastante afetada com o que leu, Angela decide que iria procurar Nancy para entregar aquela carta, apesar de não ter ideia por onde começar a procurar a mulher.

Logo no próximo capítulo, somos apresentados a Evelyn Taylor, também em Toronto, no longínquo ano de 1960. A jovem está chegando ao Lar Santa Inês para Mães Solteiras e aqui preciso apontar para a data: tenha em mente que a sociedade era outra e mães solo não eram aceitas pela sociedade. As mulheres que engravidavam sem estarem casadas eram segredadas da sociedade, e mesmo Evelyn só tendo estado com Leo, seu noivo, não importava: o julgamento chegou para ela. A família a mandou para o Lar Santa Inês para ter seu “erro” e o entregar para a adoção, mesmo ela ainda em luto pela morte prematura de seu grande amor, e claro que o sentimento de solidão e desolação toma conta da jovem. Há tanto para se falar dessa parte da história que eu não sei nem por onde começar e falo isso sinceramente: a dor das personagens, a forma como as pessoas usavam o desejo de outras mulheres de serem mães para conseguirem vantagens financeiras, o frio e a fome que passavam no lugar, tudo isso afeta a leitura de uma forma que eu não consigo explicar e digo que somente lendo você, leitor, irá entender. Ainda neste lugar de desolação, Evelyn conhece a jovem Margaret Roberts, e a amizade entre elas é real, já como Margaret é mais nova ainda e não consegue falar como engravidou (o que já nos prepara para a sua história de fundo). O laço entre as personagens é real e é o que as mantêm sã naquele lugar, deixando o coração do leitor apertado pelas duas.

Você é Evelyn Taylor.” Não é uma pergunta. “Muito bem, entre e vamos dar uma boa olhada em você.
Ela se afasta da porta e Evelyn entra. Os olhos frios da freira fazem com que a jovem leve uma mão à barriga, por puro instinto, mas ela se arrepende do gesto na mesma hora.
Não vá se comportar como a pobre ovelha desgarrada. Foi você quem se meteu nessa confusão, e seu bebê também.” Ela aponta com a cabeça para a barriga ainda não aparente de Evelyn. “E ninguém aqui tem tempo ou intenção de sentir pena de você.
Evelyn tira a mão da barriga.
Então, vamos para a sala. Sou a irmã Mary Teresa. Diretora do Santa Inês.

E então somos apresentados finalmente a Nancy Mitchel no ano de 1979 e também em Toronto, a dona da carta que Angela descobriu e leu. Nancy tem uma vida bastante calma com sua família, tendo alguns embates com sua mãe, Frances, mas também de cara descobrimos que na verdade Nancy não quer ir para a festa pela qual a levara a brigar com sua mãe: ela queria acompanhar sua prima, Clara, até uma clínica de aborto. O que desenrola a partir dai é uma reflexão sobre juventude e as escolhas que jovens mulheres fazem com seus corpos e suas sexualidades. Não há uma resposta certa para nenhuma das respostas que qualquer um possa fazer, mas há uma resposta simples: deveríamos ser detentoras de nossas escolhas e nossos corpos. Mas, naquela época, em Toronto, as mulheres não tinham esse direito, e é em uma clínica clandestina que Clara irá procurar ajuda.

E é ai que entra o nome do livro: “Procurando Jane” é uma referência a rede Jane, a rede que as mulheres criaram a surdina para ajudarem outras que escolheram abortar, já como era um crime no país. As mulheres que auxiliam as médicas que efetivamente realizavam o procedimento corriam riscos de serem presas porque a policia obviamente estava investigando e tentando chegar até essa rede. E, moralismos a parte, é nada menos do que maravilhoso ler mulheres se auxiliando de todas as formas como podiam. Como já falei, não importa o que você acredita, o que você precisa entender é que cada mulher precisa ter sua escolha respeitada e sua dignidade preservada. Mas não posso enganar você que me lê, e mesmo sem dar qualquer outra informação, o titulo também faz referencia a outra Jane que está sendo procurada – e a resolução dessa trama é, sem sombras de dúvidas, o ponto alto de uma trama que já é emocionante e dramática, transbordando emoção e dor. E isso é tudo que falarei sobre.

Mas preciso te dizer uma coisa”, a dra. Gladstone comenta, baixo. Nancy se inclina para mais perto dela. “Se você, uma amiga ou qualquer outra menina próxima engravidar sem querer, é melhor passar num consultório médico e perguntar pela Jane.
As sobrancelhas de Nancy se franzem. “Jane?
Jane. Dê uma procurada, pergunte por Jane, e uma hora vai chegar aonde precisa.
Mas eu não…
É só dizer que está procurando Jane.

Mas não há só tristeza, dor e desolação na trama: o amor maternal, romântico e familiar está presente em momentos que parecem sombrios demais, que quase fazem as personagens desistirem de acreditar que encontrarão ajuda. Existiram diversos momentos que quase chorei quando apoio e acolhimento chegaram para essas mulheres de diversas formas, em diversos anos, em variadas cenas. A explosão de sentimentos que essa trama carrega foi tão cara para mim, como mulher, que realmente me deixou uma forte impressão.

Esse livro é o tipo de livro que faz diferença ler. Faz diferença você ler sobre o sofrimento de outras mulheres mesmo nunca tendo passado por algo assim porque nos lembra que há pouco mais de meio século atrás nós mulheres éramos totalmente tolhidas da escolha de termos filhos sem um homem presente em nossas vidas e que haviam famílias que não acreditavam quando uma filha contava que era abusada por alguém de confiança (coisa que infelizmente acontece até os dias atuais, não vamos nos esquecer), faz diferença ler e entender que há mulheres que querem ser mães mesmo com obstáculos e também existem as que não desejam a maternidade. É uma pluralidade de universos, escolhas, vivências e sofrimento, tudo junto em uma narrativa que é capaz de derrubar qualquer leitor. Não tenho como realmente explicar a dor e o deleite que é acompanhar uma trama tão incrível – e ainda assinalo que você precisa ler a nota da autora no final para ver o trabalho de pesquisa que a autora se submeteu para se inspirar e criar a Rede Jane presente na trama. Eu prometo que você irá se emocionar, por todos motivos certo.

Para comprar “Procurando Jane” basta clicar no nome da livraria:

Amazon.
Submarino.
Magazine Luiza.

Arquivado nas categorias: Blog , Livros com as tags:
Postado por:
Você pode gostar de ler também
27.05
Sinopse: Nesta versão de My Fair Lady às avessas escrita por Lauren Layne, uma socialite de Manha...
24.05
“A Estrada da Noite” Joe Hill ‎Arqueiro – 2022 – 320 páginas Tradução: Mário Molina A...
23.05
Começou hoje, 23/00, o Festival Geek Gamer Amazon, com grandes descontos em eletrônicos, livros e ...
22.05
Sinopse: The challenge: spend a week hiding in an abandoned amusement park and don’t get caught. ...
20.05
Sinopse: No terceiro volume da série Heartstopper, acompanhamos os primeiros desafios do namoro de...
17.05
“This Time Tomorrow” Emma Straub ARC recebido em formato eBook em parceria com a Penguin Random...

Deixe seu comentário



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook