06.08


“Dark and Shallow Lies”
Ginny Myers Sain
ARC recebido em formato de eARC em parceria com a Penguin Random House International
Data de lançamento internacional: 31 de agosto de 2021

La Cachette, Louisiana, é o pior lugar para estar se você tem algo a esconder.

Esta pequena cidade, onde Grey, de dezessete anos, passa seus verões, é a autoproclamada Capital Psíquica do Mundo – e o lugar onde Elora Pellerin, a melhor amiga de Grey, desapareceu seis meses antes.

Grey não pode acreditar que Elora desapareceu no ar mais do que pode acreditar que ninguém em uma cidade cheia de médiuns sabe o que aconteceu. Mas enquanto ela vasculha sobre a noite em que Elora desapareceu, ela começa a perceber que todos na cidade estão escondendo algo – sua avó Honey; sua paixão de infância Hart; e até mesmo sua falecida mãe, cujos segredos continuam a chamar Gray do túmulo.

Quando um misterioso estranho emerge do bayou – um menino de olhos cor de tempestade com ligações com Elora e a história sangrenta da cidade – Grey percebe que o passado de La Cachette é muito mais presente e perigoso do que ela jamais havia entendido. De repente, ela não sabe em quem pode confiar. Em uma cidade onde os segredos se escondem logo abaixo da superfície, e onde um assassino está à solta, ninguém pode ser considerado inocente – e as mentiras sombrias e rasas de La Cachette podem destruir a cidade.

Como vocês já sabem, essa resenha é em parceria com a Random House Internacional, de quem recebemos esse eARC (Advance reading copy: algo como “uma cópia de leitura avançada, ou seja, o livro ainda pode sofrer alterações antes de ser publicado). Também lembrando que essa resenha terá um formato diferente: por ser um ARC, não haverão quotes, já como os livros podem sofrer mudanças em seu texto antes de serem comercializados. Gostaríamos de agradecer profundamente a Editora pela oportunidade de parceria.

Precisei pensar sobre esse livro para tentar coordenar meus pensamentos sobre como me senti no final da trama e, pra ser, sincera, até aqui, ainda me sinto confusa. Por um lado, dou créditos ao clima do livro e sua construção magnífica como um thriller sobrenatural – porque sim, há poderes psíquicos na cidade, como diz a sinopse –, mas também encontro problemas de ritmo na decisão para que lado a trama iria pender e na construção dos relacionamentos que vão sendo mostrados ao longo da trama, muito provavelmente pela falta de aprofundamento no passado dos personagens.

Começando a trama, vemos Grey, uma garota de 17 anos que está destruída com o sumiço de sua melhor amiga, Elora. Grey não mora o ano inteiro na cidade de La Cachette, ela somente passa os verões lá com sua avó, Honey e mora durante o ano letivo com seu pai. Ela vai para a cidade, que na verdade é uma ilha e que fica em Louisiana, o estado mundialmente famoso pela grande rede fluvial que o corta, principalmente o rio Mississippi. Sem entrar em profundidade no assunto, “uma massa de água formada por antigos braços e meandros de rios” é o que forma um bayou, termo repetido diversas vezes durante a narrativa para sermos ambientados no clima da ilha, que está o tempo inteiro úmida, quente e cortada por água em todos caminhos. Essa ambientação, fugindo de grandes cidade, foi o principal ponto do livro para mim, principalmente pela influência da cultura francesa na trama, já como diversos personagens falam com o sotaque característico da região, que foi inicialmente colonizada pelos franceses. Sinto que preciso falar bastante disso porque é realmente um dos grandes pontos altos do livro – e ah, para quem está se questionando: não, o “sotaque” dos personagens, mesmo escrito, não influenciou nada na leitura. Foi algo muito mais divertido do que difícil de entender.

Voltando para a trama, Grey está sim, destruída pelo sumiço de Elora, sua melhor amiga, que sumiu enquanto ainda estava com seu pai, ou seja, Grey não estava na ilha quando Elora sumiu, e quando enfim chega para passar as férias de verão, a ambientação do sumiço já está estabelecida. Grey logo encontra seus amigos na cidade, que, juntos, formavam o grupo chamado de “Os Dez”: dez crianças nascidas na cidade em um verão, com diferença de meses entre eles. Mas, para surpresa do leitor, de cara entendemos que o grupo de dez na verdade não são dez: duas meninas desse grupo, gêmeas, foram mortas na cidade aos 4 anos de idade – Ember e Orli – e agora Elora está desaparecida. O grupo ainda tem os gêmeos Sera e Sander; o extrovertido Mackey; Case, o namorado de Elora; a caçula Evie e Hart, a paixão de infância de Grey e irmão de consideração de Elora (a mãe dele é casada com o pai de Elora), e enquanto vai conversando com todos eles, principalmente interrogando Hart sobre a noite do desaparecimento de Elora, a garota vai entendendo o poder dos segredos na cidade. Todos parecem estar escondendo algo, principalmente a própria Elora.

Grey e Elora nasceram no mesmo dia e são chamadas de “irmãs de alma” (em tradução livre), compartilhando uma afinidade e aproximação que todos respeitavam e admiravam. Sempre juntas quando Grey estava na cidade, a garota sempre deixava claro que assim que fizesse 18 anos gostaria de voltar a morar na cidade, enquanto Elora queria sair de lá. Nas últimas férias de verão que Grey passou na cidade, Elora estava distante, falando que queria espaço da melhor amiga, a afastando tanto que chegou ao ponto de terem uma briga tão forte que terminou com esta socando Grey na boca. A tensão entre elas era grande, e agora com Elora desaparecida, Grey se questiona o motivo real porque tudo aquilo estava acontecendo e, principalmente, o que ela não estava sabendo sobre a melhor amiga que sabia tudo sobre ela. Mas, da forma mais dolorosa possível, ela vai descobrir que não sabia tudo sobre Elora.

A chegada de um estranho chamado Zale que tem a mesma faixa de idade de Grey e seus amigos parece natural, mas, por um mistério que parece complicado demais no início, ninguém o conhecia – só Elora. Claro que Grey começa a desconfiar do rapaz, que tem um passado também bastante ligado à cidade e que vamos descobrindo durante a trama.

Desde o primeiro momento é estabelecido que a grande parte dos personagens se conhecem, e você, leitor, deve aceitar que eles se conhecem muito bem e é isto. Como eu já falei, o ponto fraco do livro é justamente estabelecer a certeza no leitor que Elora amava Grey da mesma forma como Grey amava Elora. É difícil entender a dinâmica do grupo dos Dez (que são sete durante a maior parte do livro) porque não temos ponto de vistas e temos de aceitar as afirmações de Grey, único ponto de vista do livro. Mas, como vocês podem imaginar, ela não sabe tudo sobre aquelas pessoas, não sabe tudo sobre sua avó e não sabe tudo sobre sua mãe, e o leitor é levado junto com a personagem nas descobertas que ela vai fazendo.

E, como se tudo isso não bastasse, enquanto todos ao seu redor possuem seus poderes psíquicos, Grey ainda não os tinha, mas, com toda essa explosão de sentimentos, ela começa a ter flashes e ver o que pode ter acontecido com sua melhor, tudo como se fosse sonhos. O livro é bastante inteligente nesse aspecto, colocando as visões de Grey como citações no começo de cada livo e isto foi algo que também me agradou bastante porque há um mistério nessas citações que você vai descobrindo no decorrer da trama.

Eu também me perguntei bastante foi se “Dark and Shallow Lies” é um livro de fantasia ou um livro de suspense, porque a narrativa sempre fica entre os dois. Não vi, sinceramente, qualquer diferença nos poderes psíquicos que todos personagens tinham e não teve grande impacto em mim. Entendo que os gêneros literários possam brincar com os outros, se misturando e criando livros que são bastante deliciosos de se lerem, mas confesso que não senti isso com o livro.

Fora isso, o livro entrega um livro que fala muito, muito bem sobre o poder dos segredos entre famílias e amigos. Nesse aspecto, eu também bato palmas para a trama, que se fosse um pouco mais trabalhada e tivesse mais profundidade em seus personagens, eu definitivamente teria me apegado bastante. Agora vamos torcer para o livro venha para o Brasil também e todos possam ler e possamos discutir a opinião de vocês sobre o impacto que mentiras são capazes de fazer em nossas vidas.

Thanks for the free book, Penguin Random House International.

Para comprar “Dark and Shallow Lies” basta clicar no nome da livraria:

Amazon, a versão física capa dura.
Amazon, o eBook.

Arquivado nas categorias: Blog , Livros com as tags:
Postado por:
Você pode gostar de ler também
22.10
“The Book of Form and Emptiness” Ruth Ozeki ARC recebido em formato físico em parceria com a P...
20.10
Hoje, dia 20/10, a Netflix divulgou o primeiro clipe de “Rebelde” junto com a data de estreia da...
20.10
“Billy Summers” Stephen King Tradução: Regiane Winarski Suma – 2021 – 472 páginas Billy...
18.10
“As nove vidas de Rose Napolitano” Donna Freitas Tradutora: Lígia Azevedo Paralela – 2021 ...
15.10
Pensei Que Fosse Verdade Huntley FitzpatrickEditora Valentina - 336 páginas “O...
13.10
Sinopse: For anyone who has loved and lost, and lived to tell the tale, this gorgeously written deb...

Deixe seu comentário



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook