14.05

Sinopse: No quarto spin-off da série Amores Improváveis, Elle Kennedy oferece aos leitores o que eles mais amam: humor, romance e cenas muito, muito quentes.

A faculdade devia ser a chance de abandonar meu complexo de patinho feio e me tornar um lindo cisne. Em vez disso, fui parar em uma irmandade cheia de meninas malvadas. Já está sendo difícil me enturmar, então, quando minhas irmãs da Kappa Chi propõem um desafio, eu não posso dizer não.
A missão: seduzir o mais novo (e gato) jogador de hóquei da Briar.

Todo mundo conhece Conor Edwards. Ele está em todas as festas de fraternidade, e na cama de todas as meninas. É do tipo que você se apaixona antes de perceber que ele nunca olharia para você. Mas o sr. Popular me surpreende — em vez de rir de mim, ele me acompanha até o quarto e finge que estamos nos pegando.

Por incrível que pareça, agora ele quer continuar fingindo. Conor adora um joguinho e acha que vai ser divertido enganar as meninas da Kappa. Mas resistir ao seu charme de surfista é quase impossível, e estou começando a desconfiar que ele tem muito mais a oferecer do que seu fã-clube imagina.

O problema é que eu sou péssima nessas brincadeiras. E quanto mais tempo esse jogo bobo durar, maior o perigo de tudo isso explodir na minha cara.

CONTEÚDO ADULTO

Depois de muito pensar, eu decidi começar essa resenha falando sobre como cheguei até aqui. Quem me conhece sabe que eu não sou muito fã de livros “new adult” (eu não sei se é essa a categoria certa para esses livros também, mas imagino que sim). Apesar de ser uma boa e velha fã de comédias românticas e clichês, eu geralmente prefiro livros assim para quando preciso me desconectar da vida real e só ler sem nenhuma preocupação alguma coisa mais levinha que me deixe mais animada do que as fantasias que eu realmente gosto de ler.

Porém, eu via muitas pessoas falando sobre os livros da quadrilogia de “Amores Improváveis” e também sobre o spin off “Briar U” e confesso que fui muito levada pela curiosidade até esses livros. E então o inevitável aconteceu: eu me apaixonei por todos eles. Alguns mais do que outros, mas por todinhos, sem deixar nenhum de fora. E porque eu estou falando isso? Porque talvez você, que veio até essa resenha, também não tenha tanto interesse assim como eu não tinha pra começo, mas que talvez ela possa servir para te trazer ao menos curiosidade de como essa história desenrola!


“Criei meu próprio porto seguro e evitei chamar a atenção para mim mesma. Ninguém pode me criticar se não puder me ver. Não há nada do que tirar sarro se eu não me fizer notar.”

“The Dare” é o ultimo livro da saga “Briar U” que é o spin off de “Amores Improváveis” e nele, assim como nos outros, nós somos apresentados a um dos meninos que fazem parte do time de Hoquei da Universidade Briar. Conor é um dos jogadores do time, que já teve uma pequena participação em nos livros anteriores do próprio spin off, mas como essa história é focada nele, nós finalmente sabemos mais o que se passa na cabeça do deus Viking do time.

E, junto com ele, como nossa mocinha, nós temos Taylor, que é uma garota da fraternidade, mas que não sente que se encaixa naquele lugar: onde todas as meninas são “lindas” e “magras”, ela acha que o corpo dela, que é gorda, se destaca mais e isso faz ela pensar que não é uma menina atraente como as outras moças da irmandade.


“Percebo agora que o estrago está feito, que apesar dos grandes gestos e das desculpas sinceras, às vezes você machuca demais as pessoas, as afasta demais. Existe um limite para o que você pode exigir de alguém.”

Os destinos dos dois se cruzam em uma festa da irmandade, em que Taylor literalmente não queria estar e fugiria assim que possível, porém, Abigail, uma de suas queridas irmãs, que parecia sempre disposta a destruir a vida da garota, a desafia a ir até Conor e o convencer a ir para cama com ela, simplesmente porque ela sabe que esse é o maior pesadelo de Taylor: a rejeição por achar que não é tão bonita e tão atraente como as outras.

Conor, que já estava exausto daquela festa e do modo como todas as garotas pareciam desesperadas para pular no colo dele (eu sei, pobre garoto hétero HAHAHAHA), fica encucado quando Taylor simplesmente chega nele e praticamente implora para que ele a ajude para que ela não seja humilhada na frente de todos. Conor cede, aceitando ir com ela e então ela conta tudo, o motivo para ter chamado e ali começa uma amizade bem improvável entre os dois.


Vou logo avisando”, diz ele, diante da porta da frente de uma casa na cidade, numa rua tranquila e arborizada, “meus colegas às vezes parecem meio que um bando de cachorros descontrolados.
Do tipo que tentam transar com a minha perna ou do tipo que se assustam com qualquer barulho?
Um pouco dos dois. É só dar um chega pra lá se eles passarem dos limites.

Dias depois, quando eles não se veem mais e Taylor acha que essa estranha amizade ficou apenas naquela noite, ela se surpreende com Conor praticamente implorando pelo amor dela no meio de um baile – que ele faz porque ele escuta comentários bem maldosos sobre a garota – e ela entra na onda dele, aceitando o jogo que ele propõe: que eles finjam para todos que estão namorando, assim as meninas param de incomodar ele e Taylor para de ser atormentada pelas meninas de sua irmandade.

Então eu imagino que todos vocês já sabem como as coisas correm a partir daqui, certo? O velho clichê de fake dating atacando novamente e é claro que eu fico babando completamente por essa narrativa que é uma das minhas favoritas.


“Por mais à vontade que eu me sinta, sempre tem aquele sussurro de dúvida, de medo. É como um ruído de fundo, um zumbido na minha cabeça quando estou caindo no sono, um aviso persistente de que talvez a gente não se conheça direito. E que, a qualquer momento, a fantasia elaborada que inventamos pode desmoronar completamente.”

Não só o clichê funciona nesse livro, como as personalidades de Taylor e Conor são maravilhosas. Eu realmente me apaixonei pelos personagens e sorri e sofri junto com eles conforme as paginas do livro passavam, mas também me identifiquei com tantas coisas entre eles que fazia a dorzinha ser um pouco mais profunda ainda.

Conor não teve uma infância fácil e fez muitas coisas das quais ele não se orgulha (que não posso detalhar porque seria spoiler) e Taylor tem um complexo muito grande com seu próprio corpo e com a sua beleza, sempre acreditando que ninguém nunca a desejaria simplesmente porque ela não segue nenhum padrão e é justamente aqui que esse livro me ganha.


“O que você não sabe quando é criança, e quando seus melhores amigos são o mundo todo, e todo dia é o primeiro e o último dia da sua vida, e tudo parece urgente e perigoso, e todos os pensamentos e as emoções são a erupção de uma força que colide com o planeta, é que o pior erro que você já cometeu vai sobreviver a tudo isso. Um breve e ofuscante momento de raiva se amplifica numa vida inteira de culpa e arrependimento.”

É muito difícil em livros assim você ter realmente uma representatividade e eles conseguem acrescentar aqui de uma forma que, tenho certeza, muitas meninas se identificariam. É difícil lutar contra a imagem que você vê no espelho quando ela não te agrada e Elle Kennedy conseguiu trazer isso para a história de uma forma crível e que te faz sentir a dor de Taylor muitas vezes com o que ela mesma enxerga.

Eu arrisco dizer que, do spin off, Taylor é a minha mocinha favorita. Ela simplesmente me ganhou em todos os aspectos e eu gostei de como não é tratado de um modo leviano o fato de que ela não se sente bem com quem ela é e como podemos ver o desenvolvimento disso conforme o livro passa, como podemos ver ela se abrindo para o mundo e para as oportunidades cada vez mais.


Acho que você devia me deixar te beijar.
Porque você provavelmente caiu de cabeça quando criança”, retruco.
Com isso, Conor sorri.”

Então sim: mesmo se você não gostar muito de new adult, dê uma chance para os livros de Briar U. Ou pelo menos só para “The Dare” (não é preciso realmente ler todos os outros, já como apesar de tudo ser no mesmo mundo e ter algumas coisas ligadas a outros livros da serie, não é algo 100% obrigatório para você entender a história). Eu garanto que você não vai se arrepender.

Ps. Elle Kennedy tinha dito que tinha acabado com esse universo junto com esse livro, porém pelo que parece virá mais um livro por aí, então estamos como??? Ansiosa!!!

Para comprar “The Dare” basta clicar no nome da livraria:

Amazon.
Magazine Luiza.
Submarino.
Travessa.

Arquivado nas categorias: Blog , Livros com as tags:
Postado por:
Você pode gostar de ler também
18.06
“Tempest” (Tempest #1) Julie Cross Narração: Rodrigo Dorado Duração: 10h28m33s Tamanho: – ...
15.06
Sinopse: Be careful what you order. Full of menace and suspense, this is horror at its best--and a ...
11.06
“Malibu Renasce” Taylor Jenkins Reid Paralela – 2021 – 360 páginas Tradutor: Alexandre Boi...
08.06
Confesso que desde que começamos a escrever esta coluna, este mês foi o mais difícil de escolhe...
04.06
Sinopse: Um dos melhores livros do ano segundo Time, Marie Claire, NPR e Mashable. “Uma leitura ...
04.06
Taylor Jenkins Reid é uma autora norte-americana que tem feito bastante sucesso com seus livros atu...

Deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook