09.10

Oi amigos do Idris!
Hoje eu vou falar para vocês sobre uma série de livros muito legal que eu estou relendo e me reapaixonando.

Infelizmente essa série só está disponível em inglês porque nenhuma editora brasileira foi esperta o suficiente para traduzir, fica a dica, porque a série é tão boa que renderia rios de dinheiro.


Hoje vamos de Lynburn Legacy. Quem trouxe essa benção para minha vida foi a Mari, aqui do Idris. Eu lembro que na primeira vez que li, eu quase comi os livros de tão rápido. Dessa vez estou relendo com bastante calma e aproveitando.

Aqui vai a sinopse, em inglês, para vocês:

Kami Glass loves someone she’s never met… a boy she’s talked to in her head ever since she was born. She wasn’t silent about her imaginary friend during her childhood, and is thus a bit of an outsider in her sleepy English town of Sorry-in-the-Vale. Still, Kami hasn’t suffered too much from not fitting in. She has a best friend, runs the school newspaper, and is only occasionally caught talking to herself. Her life is in order, just the way she likes it, despite the voice in her head. But all that changes when the Lynburns return. The Lynburn family has owned the spectacular and sinister manor that overlooks Sorry-in-the-Vale for centuries. The mysterious twin sisters who abandoned their ancestral home a generation ago are back, along with their teenage sons, Jared and Ash, one of whom is eerily familiar to Kami. Kami is not one to shy away from the unknown—in fact, she’s determined to find answers for all the questions Sorry-in-the-Vale is suddenly posing. Who is responsible for the bloody deeds in the depths of the woods? What is her own mother hiding? And now that her imaginary friend has become a real boy, does she still love him? Does she hate him? Can she trust him?

A série é uma trilogia escrita por Sarah Rees Brennan. O nome pode soar familiar para vocês, porque ela co-escreveu várias coisas com Cassandra Clare. As duas são melhores amigas e, inclusive, tem vários “easter eggs” do universo Shadowhunter na série da Sarah. Por exemplo, o nome de uma das personagens é Jocelyn Fairchild. E o nome de uma das ruas da cidade da série da Sarah é Shadowchurch, fazendo referência aos institutos dos caçadores de sombras, que são, em sua maioria, em igrejas.

Quem acompanha o Idris há muito tempo, pode lembrar que eu falei dessa série lá na época do Raziel Approves, mas é com imenso prazer que farei isso novamente, até porque faz tanto tempo que nem eu lembro mais do que escrevi. Eu não gosto muito de falar sobre conteúdos que não estão disponíveis em português, mas essa série vale muito a pena.

Então vamos lá. Como eu já disse anteriormente, são três livros: Unspoken, Untold e Unmade. A série é narrada inteiramente em terceira pessoa e, principalmente, pelo ponto de vista da protagonista mas existem vários pontos de vista. A história, como diz a sinopse, é sobre Kami Glass, uma garota que vive em uma pequena cidade fictícia na Inglaterra chamada Sorry-In-the-valley. Kami está frequentando o ensino médio e tem o sonho de se tornar jornalista. Ela desconfia de que a cidade esconde um segredo, ainda mais agora que a família fundadora que sempre governou a cidade, os Lynburns, estão de volta, depois de 17 anos desaparecidos. Ninguém parece querer falar sobre eles e a cidade inteira parece temê-los, e nossa protagonista quer descobrir o porquê. Ao mesmo tempo, Kami deve lidar com algo que sempre assustou as pessoas mais próximas ao seu redor. A voz que ela ouve em sua cabeça, de um garoto da mesma idade chamado Jared, com quem ela sempre dividiu tudo que pensa e sente. As coisas ficam super intensas e complicadas quando Jared surge na cidade de Kami e ela finalmente descobre que ele é real. Jared existe, está perto dela, pode ver seus pensamentos e ler sua mente e é meio que um babaca.


Com a chegada dos Lynburns, o acontecimento de eventos misteriosos e o súbito conhecimento de que Jared é real, Kami terá que usar suas habilidades jornalísticas e lutar para proteger a cidade e as pessoas que ela ama.


Vamos falar um pouco sobre os personagens. Kami, a protagonista é uma das minhas heroínas favoritas. Ela tem descendência e traços japoneses e é super legal o quanto ela valoriza isso. Ela é super destemida, corajosa, e tem um senso de humor maravilhoso! Ela tem inseguranças como todo mundo, mas não é o tipo de garota que fica sentindo a pena de si mesmo. Eu ia amar ser amiga da Kami. Ela é o tipo de pessoa que sabe o que quer e vai atrás e não se desculpa por isso. Não é o tipo de protagonista: “eu preciso ser salva”. A Kami cresce muito emocionalmente ao longo dos livros, mas a força dela vem desde o começo.


Jared, o garoto que sempre habitou a mente dela, é bem estilo badboy revoltado com a vida. Eu gosto dele porque apesar do estereótipo que ele tem, ele possui sentimentos e deixa eles transparecerem bem. Eu também acho ele um pouco complicado. Ele tem uma questão de não querer tocar as pessoas que é meio misteriosa e não é bem explicada que me soou meio forçada, então não gosto disso nele. Ele também é bem dependente da Kami emocionalmente e se eu fosse amiga dele mandaria ele procurar um psicólogo urgentemente, mas, apesar disso, eu gosto muito dele e tenho uma grande peninha dele, tadinho.

I said once that my idea of happiness is to always be with you, and it is. I’m always going to think of you as the source of everything. To me, the sun rises and sets on you. You make all things true. I am in love with you, and I cannot imagine being in love with anyone else. It would be like becoming someone else. Your name was the first word for love I ever knew.


Além dele, temos Ash Lynburn, que, junto com Kami e Jared, forma um “triângulo” amoroso. Digo “triângulo” porque lá no fundo, nunca foi verdadeiramente isso, mas sem spoiler. Eu gosto do Ash e tenho muita pena dele, mas vejo ele meio que como aqueles filhotinhos que a gente chuta e ficam voltando. Sei que ele dá umas mancadas mas eu gosto muito dele e quero abraçá-lo, chamar para tomar um sorvete e dar um ombro para chorar. O Ash é bem cavalheiro, ele tem essa necessidade de aceitação, mas é totalmente compreensível.


Além dos três protagonistas, nós temos Angela e Holly, que são grandes amigas da Kami, mas eu não posso falar muito sobre elas sem dar spoiler. Posso falar, porém, que não gosto da Holly. Não sei porquê, mas não seria amiga dela. Já a Angie tem o meu coração todinho. Eu amo a família da Kami também, amo a sintonia e o jeito e a relação deles.


Obviamente não posso contar quem é o vilão da história mas achei uma história bem construída, diferentemente de outras séries e trilogias que tem um vilão a cada livro, nessa série passamos A trilogia inteira combatendo o mesmo vilão.
o que eu mais gosto nessa série é que os acontecimentos a seguir nunca são o que estamos esperando. Acho que mesmo para uma série YA ela tem uma pegada bem diferente mesmo das coisas que estamos acostumados a ler.

“I want to guard you because you are important to me. Because you are – God, this is going to sound so stupid, I can never think of a way to say it – you are precious. I can never think of how to describe the value you have to me, because all the words for value suggest that you belong to me, and you don’t.

Vamos falar de alguns problemas: alguns dos empecilhos colocados pela autora como problemas na história para mim seriaan questões facilmente resolvidas, mas não posso citar quais são sem dar spoiler. Para quem quer ler mas sente medo, o inglês da Sarah é um pouquinho complicadinho e pode ser que você acabe perdendo algumas palavras, mas não é nada que vai te fazer perder o contexto ou fazer com que a série deixe de ser incrível. Essa se tornou, rapidamente, uma das minhas séries infanto-juvenis favoritas de todas. A escrita da autora também torna possível que imaginemos os cenários e personagens com riquezas de detalhes. Nenhum de seus personagens é genérico todos são bem diferentes uns dos outros e muito bem construídos.

Inclusive vou deixar vocês com essa arte LINDA da Cassandra Jean, que também faz várias artes para a Cassie Clare:


A Sarah tem aquele imã que te prende e não te deixa parar de ler nem por um minuto até que você tenha terminado tudo e esse é meu tipo favorito de leitura, aquele que tem habilidade de nos transportar para outro lugar, seja ele real ou não. Eu amei muito muito mesmo essa série e espero que vocês também amem. Se você já leu, deixa aqui seu comentário para eu saber o que você achou. E se não leu, com certeza pode adicionar a sua lista, e vamos torcer para que em breve, alguma editora brasileira resolva traduzir essa obra prima!

Você pode comprar o 1º livro, “Unspoken“, bastante barato na Amazon, clicando AQUI.

Postado por:
Você pode gostar de ler também
01.12
E chegamos ao final do ano mais intenso e longo de todos tempos. Sem sombras de dúvidas 2020 não...
29.11
Sinopse: Há anos, Sloane, Ardie e Gracie trabalham juntas em uma empresa de roupas esportivas. As ...
27.11
“A História da Mitologia para quem tem pressa” Mark Daniels Valentina – 2015 – 200 página...
26.11
“Futuros Malfeitos, Pretéritos Imperfeitos” Felipe Castilho Narração: Zeza Mota, Thiago Ubald...
24.11
“Depois do sim” Taylor Jenkins Reid Paralela – 2020 – 320 páginas Depois do sim é uma le...
20.11
“The Cousins” Karen M. McManus ARC recebido em formato de eARC em parceria com a Penguin Random...

Deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook