20.08

“O duque e eu” (Os Bridgertons #1)
Julia Quinn
Arqueiro – 2013 – 321 páginas

Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Rico, bonito e solteiro, ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas.

Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível.

É quando entra em cena Daphne Bridgerton, a irmã mais nova de seu melhor amigo. Apesar de espirituosa e dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destituídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga.

A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, de uma tacada só, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta.

Mas, à medida que a farsa dos dois se desenrola, o sorriso malicioso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento. Agora ela precisa fazer o impossível para não se apaixonar por esse conquistador inveterado que tem aversão a tudo o que ela mais quer na vida.

Quando se fala em contos românticos da era vitoriana, tem alguns elementos que não podem faltar: um casal improvável, uma mocinha a frente do seu tempo e um herói romântico perfeito em sua imperfeição.

Logo de início, o livro já traz um estilo diferente ao gênero mas com um quê de Jane Austen na ironia e na apresentação que já encanta e prende os leitores aficionados no gênero.

O Duque e Eu’ traz a narrativa de Daphne – a quarta filha dos Bridgertons mas a primeira filha mulher – já em idade de se casar e há DUAS TEMPORADAS (!!) sem pretendentes aceitáveis e Simon Basset, duque de Hastings (e do título), amigo do irmão mais velho de Daphne que resolve ajudá-la a arranjar pretendentes de forma nada tradicional: fingindo interesse na moça, para que os outros solteiros também notem sua presença.

É spoiler falar que eles vão se apaixonar no meio desse plano absurdo? Poque se for, bom, SPOILER ALERT! Se não, segue o baile. E os bailes aqui são a alma da história e do relacionamento dos dois. Com um natureza expansiva e decidida, Daphne traz um dinamismo poucas vezes encontrados em mocinhas históricas e leva o seu papel de protagonista com louvor: o tempo todo, ela decide ativamente o seu destino e não fica esperando que outros resolvam seus problemas por ela. Sofre? Sofre, mas pessoas decididas também são frágeis e a autora sabe equilibrar bem essas facetas da personagem e nos presentear com alguém que realmente nos importamos.

O que nos leva a Simon, nosso duque. Taciturno e alheio às festas e compromissos sociais (qualquer semelhança com o eterno Sr. Darcy pode ser coincidência mesmo ou o olhar já viciado dessa resenhista que lhes escreve), ele se depara com uma situação até então desconhecida a ele: o apelo e atenção indesejada das mães e debutantes da sociedade inglesa. Desconhecida a ele porque o galante passou a vida inteira fugindo – literalmente – do pai e só retornou a Inglaterra com sua morte.

Entre a família amorosa que cerca Daphne e o histórico nada feliz do duque, temos situações das mais emotivas às mais engraçadas mas sempre cotidianas que fazem não só os dois pombinhos se aproximarem como os leitores identificar e torcer para que os dois consigam superar seus problemas.

O livro termina como todo livro de romance vitoriano à la Austen deve terminar: em casamento. Mas, Deus abençoe o Século XXI, Quinn é mais do que capaz de colocar em seus livros cenas pós-casamento. Com toda delicadeza e romantismo que lhe preza, a autora consegue imbuir notas menores e maiores de sensualidade ao longo de toda narrativa até culminar numa noite de núpcias de tirar o fôlego.

Altamente recomendado a quem gosta do gênero e principalmente, àqueles que não gostam, esse livro pode ser a porta de entrada para um novo universo inesperado a quem não conhece e totalmente ansiado a quem já se apaixonou há tempos pela Londres Vitoriana.

P.s. Lady Whistledowné ou não é a m.e.l.h.o.r colunista de fofoca de todas as eras?

Em tempo: “Os Bridgertons” é uma série composta por 9 livros (um livro para cada irmão e, ao final, um livro “bônus” com o final de cada um). Iremos resenhar a série de livros em antecipação a série da Nefflix, que está sendo gravada mas ainda não tem data de estreia.

Para comprar “O Duque e Eu”, basta clicar no nome da livraria:
Amazon, por R$ 17,95.
Travessa, por R$ 28,27.
Saraiva, por R$ 28,71 com o cupom LIVRARIA10.
Submarino, por R$ 27,90.
Americanas, por R$ 27,90.
Martins Fontes, por R$ 34,90.

Arquivado nas categorias: Blog , Livros com as tags:
Postado por:
Você pode gostar de ler também
23.02
Sinopse: Em um sistema solar dominado pelo brutal Império Vathekês, Amani é uma sonhadora. Quand...
19.02
“É assim que se perde a guerra do tempo” Amal El-Mohtar e Max Gladstone Suma – 2021 – 192 ...
16.02
Sinopse: Desi nunca se deu bem no amor ― até decidir transformar a própria vida em uma novela c...
15.02
O site mybest Brasil nos chamou para participar de uma lista com indicações de blogueiros literár...
12.02
Oi pessoal! Tudo bem? Hoje vamos falar sobre uma série que ganhou meu coração recentemen...
09.02
E chegamos no segundo mês do ano. Parece que o mês passou bem rápido, não foi? Esperamos que t...

Deixe seu comentário

1 comentário em “Resenha: O duque e eu (Os Bridgertons #1) – Julia Quinn”



  1. Ana Laura disse:

    Eu li o livro, e não gostei muito, mas amei o segundo volume, achei o visconde que me amava incrível! Ótima resenha, beijocas e sucesso!!





Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook