01.03

“Umbrella Academy”
Netflix – 2019 – 10 episódios
Todos episódios já disponíveis

No mesmo dia de 1989, mulheres sem qualquer ligação entre si e que até o dia anterior não apresentavam nenhum sinal de gravidez deram à luz 43 crianças. Sete delas foram adotadas por Sir Reginald Hargreeves, um industrial bilionário, que decide criar a Umbrella Academy e preparar suas “crianças” para salvar o mundo. Mas nem tudo saiu de acordo com o plano. Quando elas chegaram à adolescência, a família se desintegrou e a equipe se separou. Agora, os seis membros remanescentes, na casa dos 30 e poucos anos, são reunidos pela notícia da morte de Hargreeves. Luther, Diego, Allison, Klaus, Vanya e Número Cinco começam a trabalhar juntos para resolver um mistério ligado à morte do pai. Mas eles voltam a se desentender em razão dos conflitos causados pelas diferentes personalidades e habilidades – tudo isso em meio à ameaça iminente de apocalipse global.

Com: Ellen Page, Tom Hopper, Emmy Raver-Lampman, Robert Sheehan, David Castañeda, Aidan Gallagher, Cameron Britton e Mary J. Blige.

Virna: Fazia tempos que um seriado não me prendia assim, a ponto da vontade de maratonar chegar louca em mim, mas acho que em parte eu não deveria mesmo estar surpresa com isso ter acontecido justo com “Umbrella Academy”: desde seu anúncio eu sabia que iria gostar – só não sabia que iria AMAR o seriado.

Para quem não conhece, “Umbrella Academy” é inspirada na graphic novel de Gerard Way (cantor da banda My Chemical Romance) e o desenhista Gabriel Bá (sim, brasileiro!). A graphic novel foi lançada inicialmente em 2008 e me chamou atenção anos atrás com uma premissa que a princípio parece bem simples: um grupo de irmãos, criados por um pai adotivo, se reúne depois de anos separados para salvar o mundo. O que poderia dar errado, não é mesmo? Mas essa família não é uma família qualquer: são crianças com superpoderes, que nasceram de mulheres que nem ao menos sabiam que estavam grávidas, ao redor do mundo, no mesmo dia. Como se isso já não fosse peculiar, o Sir Reginald Hargreeves , o pai adotivo das crianças, era o homem mais estranho e difícil de todos, já como ele priorizava desenvolver os poderes das crianças em vez de ser um pai gentil e amoroso. Ainda havia o relacionamento entre os 6 irmãos, que era complexo, disfuncional e viciante, e é ai que está o maior triunfo da história original. Mas ok, chega de falar da graphic novel e vamos pro seriado que é pra isso que estamos aqui!

A família bastante feliz junta novamente no “enterro” do pai

Ju: Eu não cheguei a ler a graphic novel, mas no minuto que a Virna me mostrou sobre a série, eu fiquei profundamente interessada em ver já no primeiro trailer que saiu. A premissa da série não fugiu muito do que vem dos quadrinhos, como o que a Virna falou: se trata de uma família que depois de anos separada se junta para evitar o fim do mundo. É algo que não “devia” ser muito difícil, com cada um deles (tirando a nº 7, Vanya) tendo o poder assim treinado e sabendo como se portar como um “herói” devia ser. O problema é justamente que com tanto tempo separados e com tantas mágoas entre eles, fica difícil lidarem com a tarefa em si, já como ficam todos focados com quem eles são agora, como todos são diferentes do que eram antes e com tudo que tem pra resolver entre eles. Junta isso com uma “mãe” robô, que foi criada pelo pai deles e um mordomo que na verdade é um macaco que foi de alguma forma engenhado pelo pai e que parecem estar escondendo algo que apenas nós, telespectadores, podemos notar, já como eles estão tão compenetrados nas próprias dores e motivações.

Virna: Como a Ju falou, as 7 crianças que Sir Hargreeves adotou e começou a criar como irmãos tiveram uma criação completamente voltada para serem e se comportarem como super-heróis – tão fortemente que nem mesmo nomes próprios o homem deu aos filhos, somente números, e foi a mãe robô que deu a eles seus nomes: o número 1, Luther; número 2, Diego; Número 3, Allison; Número 4, Klaus; Número 5, O garoto (sim, o nome dele não é dito em toda temporada!), Número 6, Ben; e por fim, Número 7, Vanya – que é a única sem poderes entre os irmãos, o que claro, parece bastante fora do comum para o homem como Hargreeves, tão metódico e ciente dos poderes dos filhos. Os poderes são um espetáculo a parte porque combinam exatamente com a personalidade de cada um, e, em ordem, são: super força, habilidade de jogar facas, capacidade de fazer com que todos façam o que se deseja somente com uma frase, possibilidade de falar com fantasmas, teletransporte no espaço e tempo (!), monstros existentes sobre sua pele e… poder nenhum, como já falei acima.

A Umbrella Academy: Luther, Diego, Allison, Klaus, Número 5, Ben

Claro que há muito a se resolver entre os irmãos que há anos que não se falam quando recebem a notícia da morte do pai deles. Parece inevitável o que acontece em seguida, todos se reencontrando na Umbrella Academy, a casa/academia aonde foram criados, reencontrando Pogo (o macaco que a Ju falou acima, que faz vezes de mordomo e tem a capacidade de falar e pensar desenvolvida por experiências ministradas por Hargreeves), a mãe e toda magoa que existe entres eles, principalmente o fantasma da morte do Número 6, Ben, em uma das ações do grupo como super-heróis e o sumiço do Número 5 há anos. Claro que cada um tem sua visão dos outro e a forma como os relacionamentos vão se mostrando prende qualquer um que esteja assistindo, querendo ver como aquele grupo tão errado vai conseguir se unir. Só que tudo é interrompido com a volta do Número 5, que ficou preso no futuro e não envelheceu nem ao menos um dia. Como se não bastasse, o problema é que O Garoto sabe que o mundo vai acabar dali 8 dias – e ele precisa fazer os irmãos trabalharem junto para impedir que isso aconteça. Sim, é a premissa da graphic novel original, com algumas mudanças aqui e ali – e ah, tudo isso que relatei aqui está somente no episódio 1, bem no começo, então nem tem spoilers reais do que vem pela frente. E segura que vem muita coisa por ai sim!

Ju: Como a Virna falou, o poder de cada um tem muito a ver com a personalidade individual e conforme os episódios vão passando, nós podemos ver mais dessas personalidades e das coisas que aconteceram com eles conforme os anos se passaram enquanto eles estavam separados. Claro que não vamos entrar em detalhes para não dar muito spoiler, mas todos eles tem seus motivos para estarem da forma como estão e, mesmo vendo um pouco, certamente tem espaço para muito mais ser visto ainda de tudo que se passou. E, ao contrário do que possa parecer, a série trata o passado e as cargas emocionais de um jeito muito bom, não fica nada chato e que te faz querer continuar. Você fica ainda mais instigado a ir fundo e saber mais sobre esses personagens, sobre a vida que eles tinham e principalmente em saber como eles vão superar todos os problemas para se tornarem a equipe que tem que ser nesse momento. Nós acabamos conhecendo outros personagens também importantes para a trama toda se desenrolar, obviamente, como Hazel e Cha Cha que são dois agentes de uma empresa que trata sobre viagens no tempo (e são os favoritos de muita gente por vários comentários que vimos sobre eles depois, apesar de particularmente não gostar muito deles). E, eu e a Virna comentamos enquanto estávamos assistindo, é muito legal que cada episódio tem ao menos uma cena de pura ação, que é muito bem feita e sempre embalada com a trilha sonora dessa série, que é apaixonante.

Os vilões Cha Cha e Hazel

Virna: Grande parte do grande sucesso de “Umbrella Academy”, pra mim, vem justamente do elenco: cada um dos personagens foi perfeitamente escalado (e isso inclui os vilões também), com destaque total para Robert Sheehan (Simon Lewis do filme “Cidade dos Ossos”), que, como Klaus, rouba a cena em diversos momentos. O Garoto também é outro personagem que precisa ser destacado tanto por ser o fio condutor da trama quanto pelo ator Aidan Gallagher, que faz um personagem atormentado, com mais carga emocional (e idade) do que o físico mostra. O relacionamento dos irmãos é complexo demais para tentar explicar e reduzir como “complicado”, e até mesmo o relacionamento que eles vão desenvolvendo com os outros personagens rendem cenas memoráveis – vide Hazel e O Garoto, em uma das cenas finais do seriado. Ainda existe uma vilã-chefe-maquiavélica, interpretada por Kate Walsh, que tenta manipular O Garoto, rendendo cenas de diálogos aonde a batalha é para saber quem consegue enganar e ser mais perspicaz do que o outro, algo que é incrivelmente divertido de se assistir. Mas ah, existe toda uma trama em separado para a pobre Vanya (Ellen Page), sem poder e esquecida por seus irmãos, anos se sentindo menor e menos do que os outros explodindo e a deixando insegura e ansiosa, a levando a se entregar a um namoro relâmpago que, confesso, foi o ponto fraco do seriado pra mim – mas cuidado, o relacionamento de Vanya e seu namorado Leonard Peabody pode te pegar de surpresa.

Klaus e O Garoto

Ju: O que eu achei mais interessante de todo esse relacionamento familiar e de tudo que os personagens nos mostram, é que, apesar dos superpoderes, todos eles são bem humanos realmente. Apesar de gostar de todos, em algum momento cada um deles vai fazer algo que é considerado errado, apesar deles estarem fazendo para “o bem” e isso é o mais identificável de tudo, afinal, quem nunca errou acreditando estar fazendo o certo, não é? Eu fiquei bem apaixonada por todos os personagens, sem exceção, mesmo com algumas escolhas duvidosas no caminho e até no final, quando algo meio surpreendente acontece, e apesar de ter ficado meio com raiva, eu entendi o que levou aquele momento e o que fez com que aquilo de fato acontecesse. Só reforçou exatamente esse pensamento, que todos eles ali são humanos e como todos humanos têm suas falhas e seus acertos.

Umbrella Academy” é uma série que realmente vale a pena ser assistida por quem gosta desse gênero, por quem gosta de séries que fazem a gente pensar e ficar bem entretido, além de divertir bastante com certas tiradas e com um humor bem diversificado, assim como toca no fundo do coração com as coisas mais emocionantes que ela oferece.

E o final… Meus amigos, não tem como falar daquele final sem dar spoilers gigantescos, mas o que posso falar é que ele deixou a Virna e eu arrancando os cabelos e por isso eu faço um pedido desesperado: NETFLIX, QUERIDA, RENOVA OFICIALMENTE ESSA SÉRIE LOGO, POR FAVOR!

A família reunida

Virna: Ainda quero apontar algo que a Ju comentou: a trilha sonora. A trilha é tão boa, mas tão boa, que beira a loucura. Todas as músicas, das clássicas as atuais, se encaixam perfeitamente, dando a sensação de que muitas cenas foram construídas especificamente para aquela cena, como a j[a clássica cena do episódio 1, aonde todos os irmãos estão novamente em casa, na Umbrealla Academy, cada um em um cômodo da casa, separados por suas diferenças e magoas, até que Luther liga o som e uma música antiga começa a tocar: “I think we’re alone now…” (“Eu acho que estamos sozinhos agora…”), e então cada um começa a dançar, separados e fazendo exatamente a mesma coisa, mostrando que eles acreditam que estão sozinhos, mas, no fundo, eles estão unidos sem nem mesmo verem. É uma cena icônica que mostra exatamente como a família funciona.

Por fim, ainda quero assinalar que o humor sarcástico e rápido de “Umbrella Academy” talvez não seja pra todos, mas, definitivamente, se você der a chance e assistir alguns episódios, você se verá torcendo por aqueles irmãos tão perdidos, além de lhe deixar a certeza de que nem sempre se pode superar as mágoas do passado, mas, quando o mundo estiver acabando, é do lado de sua família que você vai querer lutar, mesmo que nem sempre você vá salvar o mundo no final do dia.

Nota: Diversos sites dão como certa a renovação de “Umbrella Academy”, que se tornou a série mais assistida da Netflix (Fonte). O site Jovem Nerd deu a notícia no dia 27 de fevereiro que a série está renovada para mais 10 episódios e a produção da 2º temporada se inicia no final do ano (você pode ler tudo clicando AQUI). Confiamos no site e acreditamos que a série está renovada, mas como não houve um anúncio OFICIAL da Netflix, não afirmamos isso no texto acima.

Confiram o trailer da série e também um vídeo falando sobre os personagens:

Arquivado nas categorias: Blog , Séries com as tags: , .
Postado por:
Você pode gostar de ler também
23.07
Série: Jane, the virginAno de lançamento: 2014Disponível em: NetflixNúmero de temporadas: ...
22.07
A programação completa da FLIPOP, o Festival de Literatura POP, foi divulgado e tem mesas e divers...
19.07
Sinopse: Em seu primeiro livro para o público jovem adulto, a premiada autora Luisa Geisler narr...
15.07
A LC Agência de Comunicação está divulgando a Primeira maratona para escritores no Brasil, que i...
12.07
“Nightflyers” George R. R. Martin Suma – 2019 – 144 páginas Nas fronteiras do universo, um...
09.07
A coluna do mês de Julho chega com tantos lançamentos e notícias que segue o aviso pra vocês sen...

Deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook