23.08

padrao_site
O Collider liberou uma matéria que consiste numa entrevista com a roteirista contratada para o filme Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos, onde ela comenta como foi o trabalho e dá algumas informações sobre como está o processo de adaptação para Cidade das Cinzas. Leia a entrevista abaixo:

 

A roteirista Jessica Postigo Paquette fala sobre a dificuldade de adaptar a história, a sequencia e mais sobre Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos.

A roteirista Jessica Postigo Paquette começou sua carreira profissional como uma jornalista política na Espanha, mas sempre foi apaixonada por produções cinematográficas. Ela foi requisitada para adaptar o primeiro livro da série blockbuster de aventura e fantasia de Cassandra Clare, Os Instrumentos Mortais, para as telonas. Os Instrumentos Mortais: Cidade dos Ossos, dirigido por Harald Zwart, narra as aventuras de Clarissa “Clary” Fray (Lily Collins), uma jovem comum que de repente descobre que ela é parte de um destino extraordinário. Estreia em 21 de agosto, o filme também é estrelado por Jamie Campbell Bowers, Robert Sheehan, Jemima West, e Kevin Zegers.

No recente dia da cobertura de imprensa do filme, Paquette falou sobre por que ela sempre quis ser cineasta, os aspectos mais desafiadores da adaptação do primeiro livro para a telona, fazendo um filme que agrada ao público além do núcleo de fans, enquanto tenta não se afastar muito do material de origem, fazer mudanças de última hora para o script enquanto os cineastas estavam entrando em produção, e porque ela adora o mundo da fantasia. Paquette, que foi contratada para a trilogia, também discutiu seus esforços atuais para adaptar Cidade das Cinzas, o segundo livro da série Os Instrumentos Mortais, para o cinema. Veja abaixo para ler a entrevista completa.

Pergunta: É interessante como Lily Collins queria ser jornalista, Cassandra Clare era um jornalista, e você também foi um jornalista.

JESSICA POSTIGO PAQUETTE: eu era. Oh, é tão engraçado! Eu era uma jornalista na Espanha. Fui criada na Espanha. Eu escrevi sobre política, e aqui estou eu escrevendo sobre fantasia. Quem teria esperado isso?

é tipo, parecido, certo?

Paquette: Certo. Na intenção, sim. Absolutamente.

Por que você deixou o jornalismo para se tornar uma cineasta?

Paquette: Eu sempre quis ser uma cineasta desde que eu era criança. Eu me mudei para a Espanha, dos Estados Unidos quando tinha sete anos. Meu pai era Basco. Depois de um ditador ter estado no poder durante 40 anos, já era hora de voltar e conhecer aquele lado da família. Filmes foram um grande escape para mim. Era uma maneira de escapar. Eu fui de não falar espanhol para ser empurrada para uma escola de língua espanhola, e nos fins de semana, era apenas filmes, então foi meu refúgio. Eu sempre quis ser cineasta, mas, muito sinceramente, não havia nenhuma escola de cinema quando eu fui para a faculdade. Meu pai era um fotojornalista então eu me tornei jornalista. Eu escrevi para um jornal de circulação nacional e eu simplesmente adorei. Mas então, foi-me oferecido um emprego em publicidade, então eu estava trabalhando em publicidade. Eu viajei muito, mas chegou a um ponto em que eu disse que agora era a hora de seguir o meu sonho, e eu arrumei minhas malas e vim para Los Angeles. Eu nunca estive aqui antes. Eu não sabia onde eu ia dormir na primeira noite. E aqui estou eu 15 anos depois com A Cidade dos Ossos.

Qual foi o aspecto mais difícil de adaptar o livro para a tela?

Paquette: Existe uma grande história de fundo que precisa ser condensada, que precisava ser trazida e focada. Eu me concentrei em que seja a história de Clary e vivendo o momento. Eu tive que abrir mão de uma riquíssima história por trás, mas eu não queria recorrer demasiadamente para flashbacks e narrações. Há um pouco disso. Eu acredito que não tivemos escolha, a não ser que nós fizéssemos closes com narração. Eu queria focar no agora, no momento, e o que a história de Clary tinha e o que era indispensável para contar sobre sua história, precisava mover seu personagem ou a história para a frente, nesse sentido.

E então, há tantos personagens na história. Há personagens que tivemos de abrir mão, porque eles não estavam fisicamente presentes dentro do filme. Você quer ter certeza de que todos os personagens que estão lá não estejam apenas de pé como árvores, mas sejam participantes dispostos em cada cena. Você não pode falar no filme sobre personagens que não estão lá. Eu sei que alguns dos fãs tiveram problemas com Alec e seus pais não estarem por perto. O final também foi um grande desafio. Foi difícil, com certeza.

Ele tem o Cálice no livro, e ela tem o Cálice no filme.

Paquette: Bem, isso foi um problema e saber que o livro faz parte de uma série de livros, também. Se o filme Um não vai bem, não haverá um filme Dois. Assim, tanto quanto nós gostaríamos de fazer o filme apenas para os fãs, você tem que fazer um filme que vá além da base de núcleo de fãs. Isso era algo com o que lutamos muitos até a edição, provavelmente. Era algo que continuou indo. Aqui está um filme em que a menina não consegue o cara, a mãe não acorda, e ela dá o Santo Graal do Mundo das Sombras. Então, atire em mim agora. Esse é um final de filme absolutamente insatisfatório. Você tem que encontrar alguma coisa. Você tem que dar a eles algum tipo de sucesso ou algum tipo de alegria, depois de tudo que ela passou. Vou ser sincero com você, foi definitivamente uma luta. Era, “ela entrega o cálice real? Ela entrega o Cálice falso? E, mesmo que ela tenha a sua mãe de volta, ela está nesse coma esse que ninguém entende.

você olha para outros filmes que foram adaptados, especialmente para o público de jovens adultos onde você tem essa base de fãs muito raivosos que estão observando, enquanto o filme está sendo feito? Você estava preocupada de se afastar muito do material de origem?

Paquette: Isso sempre foi uma das preocupações da Cassandra e minhas. Eu tenho muito respeito pelo mundo que ela criou, e eu queria ser o mais honesto possível com o que ela tinha feito. Eu tinha muito a intenção de encontrar todas essas linhas e momentos favorito dos fãs e nos certificamos de tê-los os honrado e incluindo. Isso é, estava sempre tentando me certificar de que estava ali. É como tudo na vida. Você não pode se concentrar muito. Claro, eu era um grande fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis, e Jogos Vorazes. Eu conheço todos eles. Eu li todos eles. Claro, você tem aqueles, mas você não pode estar lá focada em comparar, porque você se perde nisso, e eu precisava trazer o meu foco de volta para tentar fazer o melhor trabalho possível com o presente. Lembro-me do núcleo do filme saltar em mim ao ler o livro, mas sim, eu estava focado neste na época. Quero dizer, depois de ter sido um fã e depois de ter lido todos os outros – os roteiros, livros e filmes – assim como você faz como os escritores, você lê partes de obras de outros escritores e você aprende e você cresce e se você lê ficção e não-ficção e tudo. Eu li um monte de roteiros, mas também porque ele apenas ajuda-lo a melhorar seu ofício.

O que você aprendeu sobre si mesma no processo de trabalho desse filme?

Paquette: Eu achei uma experiência muito humilhante para estar escrevendo algo e adaptando o trabalho de alguém ao mesmo tempo, porque você quer, de novo, honrá-lo e tomar cuidado, mas você não pode escrever ou viver sobre um lugar de medo, quando você está com medo de decepcionar os fãs ou decepcionar o autor. Assim, você só tem que se concentrar em tentar fazer o melhor trabalho possível, ficar forte, e bloquear a desordem e o ruído em torno de você, e muito sinceramente, perceber o quão importante é a sua família e tudo mais. Depois de alguns dias difíceis ou alguns dias bons, eles não importam. Você olha para o rosto de seu filho. Eu não quero ser ingrata. Sou sim muito grata. Eu tinha uma grande equipe de produtores e o diretor, e eles me contrataram para a trilogia, os três livros, e isso é raro. Eles são incrivelmente colaborativos. E definitivamente foi um processo de equipe, e eu nunca quero dizer que eu não fui grata. Mas depois de tudo isso, os filmes vêm e vão, e algumas pessoas podem gostar deles e alguns podem não gostar deles. E não importa o que, mais uma vez você vai para casa e você tem sua família, e eu sou grata por isso, porque isso é real. Após o fim de semana de abertura, eles ainda vão dizer: “Mãe! Você é a melhor. “(Risos) Não importa o que os críticos possam dizer.

Quantos anos têm seus filhos?

Paquette: Eles têm quatro e seis anos. Minha filha de 4 anos de idade tinha seis meses quando o livro foi enviado para mim. Então, eles já vivem isso, e eles já ouviram todo o processo e as coisas boas e as más e as mais duras e mais fácil. Eles são como: “Mamãe, você está indo para o Canadá de novo? poxa! “E então, quando estávamos mesa para a leitura no ano passado, eu continuei recebendo uma chamada de Skype e dizia “recuse, recuse” e, finalmente, eu pensei que seria melhor atendê-la, e minha filha tinha apenas se cortado. “Leve-a para a sala de emergência.” foi como, “Oh!” E eu não estou lá. Isso te mata, mas ela estava bem. Ela arrumou alguns pontos.

Isso foi um desafio maior para se adaptar algo como Tarzan de Burroughs, onde existem tantas versões quanto qualquer outra coisa semelhante que não tenha sido adaptado em um roteiro antes?

Paquette: Com Tarzan, havia uma história muito clara e direta. Havia um diretor já a bordo que teve um tratamento que estava em animação. Ele já tinha seus animadores começando, então ele criou este mundo, e ele tinha uma intenção muito clara do que ele queria. Ele queria uma história simples. Ele tinha uma idéia muito clara, mas mais visual do que o filme era, e eu entrei e criei a história e os personagens e assim por diante. Não reinvente a roda. Essa é a linha de fundo.

Qual é a parte do livro que foi a mais difícil de se adaptar em termos de efeitos visuais e os elementos de fantasia?

Paquette: Quando estávamos voando de volta do Canadá na semana passada, onde estávamos em pré-produção do segundo filme, o produtor me disse: “Eu sinto que isso é uma peça de jazz que lhe dão o núcleo e você elaborar a partir disso, e você vai em uma direção inesperada e, em seguida, vai para outra.” Quero dizer, ele foi expandida um pouco mais enquanto permanece fiel a isso. Existem ideias visuais. Novamente, Harald é um cara muito visual, então ele tinha idéias muito específicas. Muitos de nós estavam na sala após a leitura com Cassandra e Harald e os produtores. Depois que os atores passaram pelo script, eles vieram com ideias diferentes como: “Que tal se fizermos isso?” Nós estávamos escrevendo até o último momento. Eu acho que a produção estava arrancando os cabelos quando eles estavam recebendo o roteiro na noite de domingo antes de estarmos filmando na segunda-feira de manhã porque havia coisas de última hora, que foram evoluindo e se desenvolvendo um pouco. E, em conjunto, tanta coisa aconteceu também que não era mesmo do script. Há um momento em que você começa com Clary desenhand0 a runa. Ela não era pra estar fazendo isso. Ela deveria estar regando as plantas e conversando com Simon. E, antes que você perceba, é como, “Ei, que tal se ela desenhasse a runa na poeira ou no orvalho?”

Você começou no cinema fazendo um documentário. Você deseja, em algum momento, fazer um outro documentário de algum tipo?

Paquette: Eu acho que uma das belezas do filme hoje é fantasia. Eu era uma novata sobre fantasia cerca de 11 anos atrás, quando eu adaptei uma história curta e é isso que me iniciou com o roteiro. É assim que eu tenho os meus agentes e os meus advogados. Eu consegui um negócio cego da Warner Bros na época. Era pra eu adaptar Casa dos Escorpiões para a Warner Bros. Eles acabaram nunca fazendo isso porque eu acho que eu era mais nova para fantasia. Eu não era uma Nerg de Fantasia para um Pegue e faça. Fiquei surpreso com isso e eu pensei, “Uau! Que divertido! Falando em se transportar para mundos diferentes!” Estou definitivamente fascinada pelas possibilidades que vivem ao nosso redor, e do desconhecido, e ficção científica, e assim por diante. Nós não temos limites no mundo de hoje com cinema, televisão e documentários. Eu amo isso ser muito menos compartimentado agora e podemos cruzar. Então eu fecho sem opções.

 

Fonte

Postado por:
Você pode gostar de ler também
24.05
Cassie reblogou em seu tumblr há poucos instantes uma cena desenhada pela Cassandra Jean (a...
03.03
Cada vez mais próximo do lançamento em inglês de “Dama da meia-noite” (dia 8 de março), ...
04.02
O que pode-se esperar da união de muitos fã-sites além de uma mobilização em grande escala ...
21.12
A Netflix fez um anuncio oficial e divulgou uma lista de lançamentos de séries e de filmes que...
14.12
Mais um vídeo dos bastidores de Shadowhunters foi liberado hoje! Durante visita ao set da séri...
14.09
Uma noticia está circulando no fandom, e é a declaração de um dos executivos da ABC family s...

Deixe seu comentário



Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook