12.10

Shadowhunters,

Como vocês sabem, a Cassandra Clare postou alguns dias atrás que estava tirando um tempo das redes sociais. Ela não deu maiores explicações, mas a gente sabia que estavam surgindo vários blog de ódio sobre ela, então a conclusão foi óbvia. Ontem, quando saiu o first look, ela apareceu e postou link para ele. Mais tarde, reblogou, em seu tumblr, alguns gifs feitos do vídeo, falando que estava voltando do hiatos e mandando amor para todos nós.

Hoje ela postou sobre tudo isso e para confirmar nossas piores suspeitas, o motivo pelo qual ela estava se afastando da internet era mesmo esses blog (mais precisamente tumblrs) de ódio sobre ela. Ela explica tudo nesse post aqui, e como ela foi tão perfeita na escolha de suas palavras e em expôr seus sentimentos, nós traduzimos o post inteiro para vocês, mas não sem antes falar que todos nós achamos um absurdo toda essa situação. Você tem o direto de não gostar de alguém, mas de tentar transformar a vida de alguém em um inferno por qualquer motivo que seja é mesquinho.

Cada um vê a vida de um ângulo e acredita no que melhor lhe toca. Cada um ama de um jeito diferente. Cada um quer coisas diferentes. Mas todos são, essencialmente, iguais, porque todos sentem. Quando alguém fala “eu te odeio” para outro, sempre são palavras que ficam, porque palavras não podem voltar atrás e infelizmente na internet, aonde as pessoas se escondem por trás de icons anônimos, todos se tornam corajosos – até mesmo para fazer os atos mais covardes.

Leiam tudo que a Cassie postou. Se você sofre com isso, de alguma forma, sabia que você não está sozinho. Cassandra Clare, hoje, mais uma vez, mostrou que somos bem mais do que fãs de seus livros: somos fãs da pessoa que ela é.

Só clicar no more e ler o post dela traduzido. Esse post, você o encontra no original em inglês aqui.

Outubro é o mês do anti-bullying: sobre o hiatos e blogs de ódio.

“Quando alguém primeiro me disse que existia um tumblr de ódio sobre mim, eu não pensei muito. Eu acho blog de ódio perturbadores que eles parecem ser inevitáveis da vida on-line neste momento. Existe um sobre basicamente toda pessoa e sobre todo site, bastando ser bastante conhecidos (e algumas vezes até quando não são.)

Eu passo a maior parte do meu tempo online acreditando que você não deveria responder nenhum ódio publico. Eu vi amigos alvo de blogs de ódio fazerem tudo o que podia para aplacar o ódio, mas eu nunca vi isso funcionar. Eu nunca vi nenhum tipo de ação com ódio sem rosto online funcionar, então eu sempre acredito em não se envolver.

Três coisas me fizeram decidir postar, mesmo muito sobre o geral, sobre isso agora: O primeiro foi um artigo que Robin Wasserman me enviou sobre blogs de ódio. Uma das frases me impressionou:

Eu não sou realmente um grande fã da abordagem do “não alimente os trolls”, porque é um meio de culpar a vítima. Por que todo mundo tem que lidar com pessoas horríveis com uma compostura santa?

Isso realmente me marcou, não só porque a postura santa é difícil, mas também porque eu acho que os blogs de ódio têm uma tendência a se comportar como se o objeto de seu ódio não fosse u ser humano com amigos, família e sentimentos. Me preocupava que não mostrar que eu tenho eles (sentimentos, amigos e família) estivesse só alimentando isso.
A segunda coisa é que os blogueiros do ódio postaram duas coisas que perturbam tanto a minha família que me aconselharam a ficar fora da internet (assim o hiato e eu me desculpo se se isso te assustou/ te preocupou). O primeiro estava postando meu nome legal, juntamente com um método de encontrar meu endereço. O segundo foi a sentença “Cassandra Clare age como se ela pudesse dizer qualquer coisa porque ela é judia” o que, em combinação com o retrato que os bloggueiros de ódios fazem de mim é de alguém que sempre foi rica e tem um “pai empresário milionário” e milhares de conexões em Hollywood e publicidade (na realidade, meu pai é um professor, minha mãe é uma assistente social e uma conselheira em crises de estupro) evoca um tipo muito específico de anti-semitismo que realmente assustou meus pais.

Jay Suave coloca o porque que decidi, neste caso, violar a abordagem do “não alimente os trolls” neste vídeo do ThinkProgress:

“Sempre que você se sentir odiado por outra pessoa pela perspectiva deles ou pela voz deles ou pela existência deles, você pode usar essas táticas de trollar para perseguir aquela pessoa em todos lugares que eles habitam online e preencher cada parte do dia deles na internet com o pior tipo de ódio e ameaças e abuso. E quando você estiver lidando com esse tipo de assédio, o único jeito de você implementar a abordagem “não alimente os trolls” é renunciado completamente o seu direito de estar na internet… Isso mantido, uma super-agressiva etique-gigante grande-saco de ódio continua em perseguição da vergonha e silêncio.”

É fácil de entender porque essas coisas perseguem pessoas fora da internet. A obsessiva, atenção diária a minha aparência, meu convívio com meus amigos, o ódio pessoal e a minha desumanização como pessoa é assustadora. Meus amigos vêm on para receberem uma bateria de insultos e abusos, simplesmente por serem meus amigos. O fato que eu decidi pintar o meu cabelo com um tipo de estranho de roxo é aparentemente outro sinal de que eu sou uma pessoa horrível (e todos nós sabemos que criticar a aparência de outra mulher é parte do odiar de uma garota – criticar como uma mulher se parece e especialmente as escolhas que elas fazem sobre sua aparência. Eu acho que as mulheres deveriam se sentir libres para pintar seu cabelo de qualquer cor que elas queiram. Quando eu tiver noventa anos, eu pretendo ter cabelo bem rosa). As mensagens de ódio em minha ask. (Sim, você pode bloqueá-las, mas eles continuam criando novas contas, de modo que isso funciona apenas como um paliativo.) O fato que eles me mandam falsas “mensagens de fãs” pra minha ask, então eu nunca sei se eu estou respondendo a um leitor de verdade ou se é um bloggueiro desses blog de ódio se fazendo passar por um. É cansativo.

Tenho certeza que esses blogs de ódio dirão que eles não são antissemíticos. Tenho certeza que eles dirão que eles irão vir na minha casa. Tenho certeza eles dirão que eles nunca irão me ofender psicologicamente. Isso pode ser verdade. Embora não posso permitir assumir que seja. Eles estão protegidos pelo anonimato. Eu não. É fácil descobrir onde estou, e quando.

A loja Cafepress, onde eles vendem mercadorias baseadas em suas sugestões de ódio (Sim, é sério), você deve comprar sua mercadoria para “salvar seus amigos de estupro.” Deixando de lado a tentativa inacreditavelmente de mau gosto de literalmente capitalizar o estupro, a implicação pareceria ser – de que sou um estuprador? Essa seria a minha conclusão como um estranho dos meus modos, especialmente se eu não tivesse lido Os Instrumentos Mortais, ou até mesmo se eu tivesse. Eles alegam que eu sou uma valentona, que eu cometo crimes federais, que eu assedio crianças menores, nenhuma das quais é verdadeira. Mas, colocando este tipo de ódio na internet, por desumanizar-me repetidas veze, por apresentar-me como alguém contra quem a vingança deve ser tomado além de crimes horríveis, eles abrem a porta para outras pessoas, para quem lê as suas palavras , para ter não só a motivação, mas as ferramentas para realizar qualquer represália violenta que golpeia sua fantasia. Se isso um dia acontecer, quando acontecer, eu quero que haja um registro para responsabilizá-los.

O terceiro era que eu poderia contar toda a coisa estava me aborrecendo para meus leitores. (uma vez que esse post estiver postado, os blogs de ódio dirão que eu estou aborrecida porque eles pensam que mes livros são ruins. Acredite, eu estaria aterrorizada se isso fosse um blog sobre quão ruim meus livros são ruins. Não há livros lá fora que alguém não pense que é ruim. Tento escrever bons livros para fazê-los o melhor que eles podem ser, mas (como a maioria de outros autores que conheço) tenho certeza que eu sou ruim muitas vezes. Você escreve livros, você os coloca para o mundo, e o mundo forma opiniões sobre eles. Nós todos temos que lembrar nós mesmos que nós trabalhos em progresso, nossa escrita não é perfeita, e existe algo para ser aprendido até mesmo da crítica mais dura. Não me importo de ser chamada de racista/sexista, senão: tenho certeza que sou, no sentido que todos nós somos produtos de nossa condicionamento, e nós somos condicionados por uma sociedade racista/sexista que trabalha na gente desde o dia em que nascemos. Eu tento ser cience, e brigar com esse condicionamento, lembrar meu privilégio, contar estórias fiéis e verdadeiras mas isso não significa que eu não trabalho em progresso por mim mesma, que eu não vou estragar.)

Mas a questão é: Não sou meus livros. E isso não é um blog criticando meus livros: é um blog me odiando. Minha aparência, meu cabelo, meus amigos, o que eu falo, o modo que me comporto como homem. Nenhum dos livros que escrevi: qualidade deles, suas mensagens, sua originalidade, nada deles, que é porque nenhum desses posts é endereça comentário sobre minha escrita.

Recebi uma enorme quantidade de jovens meninas e mulheres que compõem a maior parte dos meus leitores, quem são o alvo de um tipo muito específico em linha de cyberbullying. É uma intimidação que surge sob a forma de meninas recebendo de mensagens, normalmente anônimo ou com pseudonomes, que conta a elas que são feias, que são gordas, que são estúpidas, e que elas deveriam machucar ou matar elas mesmas. E os blogs de ódio usam um monte de linguagem odiosa para o ataque do gênero que vi tão frequentemente aterroriza meu leitores, e me preocupo que meus leitores me veriam não reagindo a isso ou parecendo não me importar, e acho que isso era algo errado para eles se importarem, de se machucar – que o fato dessa linguagem fica debaixo de sua pele e as fazem, como os blogs de ódio me chamaram, “lamentável pequena vadia”.

Eu apenas quero que vocês saibam e dizer isso, sabendo o quão aterrorizados isso vai fazer os blogs de ódio vão ouvir isso, mas estou dizendo que de qualquer maneira, porque você precisa sabe que, é claro, isso machuca muito.

Esses tipos de ataques estão chocando/aborrecendo porque eles quebram o contrato social que temos que chegar a esperar pessoas decentes para aderir a: que pessoas não ataquem seus relacionamentos pessoais, que eles não sorriam não só para seus amigos mas com a idéia que você poderia ter amigos, que eles não ataquem o modo com que vocês se parecem ou sua família ou sua etnia/religião. O fato é, para os bloggers que hostilizam, e para aquele tipo de pessoas que envia mensagens anônimas de ódio, o objetivo de seu ódio não é uma pessoa. Para eles, eu não sou um ser humano. Minha família não são pessoas reais. Eles passaram por muito tempo tentando convencer eles mesmos e outros que meus amigos não são meus amigos. Que Maureen Johnson, Scott Westerfeld, Libba Bray eSarah Rees Brennan, que vieram para o meu casamento, me odeiam. Que Holly Black, que foi minha madrinha de casamento, me odeia. Que John Green, que eu conheço há anos e quem, quando meu primeiro livro estreou na lista do New York Times Bestseller , me deu um abraço e disse: “É assim que você mostra aos haters”, não só “é o único educado para mim nas convenções porque ele tem que ser”, mas aplaudiria o dos seus blogs hostis, um blog que me chama de “vadiazinha gananciosa” e desejam que as pessoas queimem meus livros. Existe um tanto de discordia que meus amigos, especificadamente maureen e holly e sarah – tem segurando o andar pra mim na esperança de mais vendas/exposição.

O problema disso é que eu conheço essas pessoas desde antes que eu publiquei meus livros. Quando eu conheci Holly, eu estavasem dinheiro, e não tinha dinheiro, e ele era uma autora bestseller com um filme sendo lançado. Por ter se tornado minha amiga na esperança de se APROVEITAR faria dela… PSIQUICA… também Sarah, quem eu conheci na festa de ano novo de Nova York em 2002, quando ela tinha 19 anos, e nenhuma de nós éramos escritoras profissionais ou até mesmo planejávamos ser escritoras profissionais, aparentemente pode ver o futuro. Assim como Maureen, que eu a conheci antes de Cidade dos Ossos ser lançado, numa festa no apartamento de Scott Westerfeld. Como qualquer uma dessas pessoas sabiam que eu seria uma bestseller antes de eu ter um livro lançado é, eu acho, um daqueles mistérios de tempos. (E também, eu provavelmente deveria não ter mensionado que eu já abracei John, desde que os bloggers hostis gostam de me retratar como “ mãos excessivamente bobas” com meus amigos e provavelmente encontra alguma forma divertida de a volta que, mas isso se resume a me chamar de uma vadia, basicamente, que é muito a palavra mais usada no vocabulário da linguagem de ataque do gênero.)

Eles acreditam que meus amigos são meus amigos só porque eles não sabem “a verdade sobre mim”. Enquanto isso, meus amigos (aqueles que eles acham que não são realmente meus amigos) são exatamente as pessoas que estão monitorando seus blogs hostis para ver se eles começam a postar ameaças, ou mapas da minha casa, e mantêm rastros de coisas como motivação de insultos raciais, para que exista um registro. Claro que meus amigos sabem sobre eles e tudo que eles falam sobre mim. A quem mais eu tenho que me dirigir sobre essas coisas além dos meus amigos?

Então sim, embora eu saiba que essas coisas sobre meus amigos são ridículas – Eu sei disso porque as historias que eles contam não correspondem aos fatos incontrovertíveis – o “todos seus amigos atualmente te odeiam/todo mundo te odeia” retórico é o tipo que aparece dentro e dentro dos e-mails anônimos de ódio que meus leitores estão sempre conversando comigo. (Se você procurar a tag de cyberbullying no Tumblr, você verá muito mais exemplos disso: Isso é realmente comum, e isso tudo soa meio que o mesmo.) Garotas e mulheres jovens também me contam que elas estão desejando que eles não mereçam nada de bom que aconteça com eles, e que eles são ingratos. Os blogueiros hostis é um exemplo da prova que eu sou ingrata referente aos meus fãs e leitores é que eles tem um vídeo meu na frente de um palco em um evento segurando um drink e bebendo enquanto eu estava sendo apresentada. Isso é verdade! Eu fiz isso! Eu estava em turnê, e tinha viajado o dia inteiro: Eu não tinha comido, e eu tive uma tosse arruinante no carro na estrada. Eu estava um pouco tonta, e isso — os poucos momentos enquanto eu estava sendo apresentada — foi minha única chance de: 1) Consumir alguma coisa, e de 2) esperançosamente estar disposta de parar de tossir antes que eu falasse por longas horas. Uma coisa, que eu estou segura é que se eu fosse um homem, ninguém jamais comentaria sobre meu drink enquanto estivesse sendo apresentada. Eu estou segura que se eu fosse um rapaz, eu poderia dar uma conferência de imprensa comendo um hamburger e ninguém iria ligar. (Hey, isso é adorável quando Tony Stark o faz em “Homem de Ferro”.) Isso é o tipo de sexismo insidioso que realmente esta incomodando porque eu recebo muitas cartas que dizem “Eu me machuquei porque eu não mereço coisas boas/porque eu sou ingrata/porque eu deveria ser punida” e elas são todas de garotas. Eu queria que existisse um filme sobre uma mulher preocupada que dar uma conferencia de imprensa enquanto come um hamburger. Mas eu discordo.

Então, os blogs de ódio amam John Green. Nisso concordamos. Eu também amo John. Ele tem blogs que odeiam ele. Talvez esses blogs que nos odeiam irão se reunir e jogar boliche. No entanto, meus blogueiros “odiosos” passam um bom tempo falando sobre como sou arrogante e porque eu tenho as palavras “Série best seller do New York Times” no background do meu twitter e site. É verdade. Porque o background do meu twitter é o do meu site, mas também porque o site é uma propaganda de trabalho e, portanto, você coloca coisas que acha que vai atrair novos leitores. Se seus livros tem prêmios, se eles são best-seller, você diz isso. É muito normal, e John tem isso em seu background do tumblr também. Por que estou falando isso? Porque uma grande parte do ataque contra mulheres, especialmente qualquer mulher que é bem-sucedida é para falar que elas não são suficientemente humildes, insuficientemente desclassificação de seus próprios feitos, como elas precisam ser diminuídas para lhes ensinar uma lição. Meus leitores recebem cyberbyllies dizendo que eles se “acham”, que eles precisam aprender uma lição. Que eles não deviam pensar que são tão bons porque eles fazem fã arte/gifs/cosplay/escrevem resenhas/postam fotos deles mesmos sendo lindos.

Então por que eu fiz este post? Porque você É tão bom porque você faz fã arte/gifs/cosplay/escreve resenha de livros/posta fotos suas sendo lindo. Porque é difícil aparecer lá fora, colocar qualquer trabalho criativo ou qualquer parte da sua personalidade para aparecer porque você pode ser julgado (e vai ser!) Porque é difícil dizer as pessoas como você realmente se sente. Porque eu realmente acredito que quem comete cyberbullying se sente impotente, aquelas pessoas anônimas te mandando mensagem na ask dizendo que você é ingrato, que deve ser punido, não merece grandes coisas. São assustadores e terríveis. Porque não significa que você é fraco por se sentir machucado por essas coisas. Eu quero que você saia disso com a certeza: “Sim, isso machuca meus sentimentos, mas eu estou bem.” Eu estou bem. Eu tenho uma ótima vida. Eu tenho um ótimo casamento (O comentário do meu marido sobre eu fazer este post foi “Eu vi que você decidiu afetar as pessoas mais horríveis da galáxia da internet, BOA IDEIA”) Eu tenho ótimos amigos (que não estão me usando para o lucro e ganho, porque isso não é como eles agem, e como eu disse antes, eles teriam que ser videntes) e eu faço exatamente o trabalho que eu queria fazer: Contar histórias e tento fazer elas boas. E eu tenho vocês, pessoal. E eu tenho minha própria voz, minha chance de falar. Se você pode tirar uma coisa dessa é que quando você está sendo vitima de cyberbulling ou assediado, não sinta que você precisa ficar em silencio, com vergonha ou porque eles não devem ser alimentados. Fale sobre o que está acontecendo com você. Exponha o que os bullies estão dizendo por que quando você escreve isso a luz do dia, ele parece tão revoltante como é (“Cassandra Clare age como se ela pudesse falar qualquer coisa porque ela é judia”.) E leve o assédio às autoridades competentes para lidar com eles. Muitas, muitas pessoas me falaram que o Tumblr não responde a situações de assédio e ameaças, mas tente mesmo assim: se você for menor de 18 anos, vá até seus parentes. Se você for maior, considere a justiça, de qualquer forma consulte esses sites www.ncpc.org, Cyberbullying.us, www.stopbullyingnow.com para uma boa informação do que fazer.

Eu só vou acrescentar que eu não quero que ninguém vá até os blogueiros “odiosos” discutir com eles para me defender ou defender meus livros. Não tem nenhuma razão, isso atualmente os encoraja, e seu trabalho online é se divertir e não vir em minha defesa. Abaixe o Jace interior (“Eu vou matar todos!”) e canalize o Alec interior (“Eu não acho que é uma boa ideia, cara.”) Considere como blogs de ódio são absolutamente ridículos para alguém que não é muito familiarizado com o assunto em questão. (Eu pesquisei “blog de ódio da Mulher Pioneira” porque foi citado no artigo de blogs de ódio ligados a mim e eu não conseguia pensar em qualquer um que odeia uma mulher que manda mensagens de receitas de lasanha a internet – e eu ainda não estou exatamente certa depois de ler isso, mas eu vim a entender que, para algumas pessoas, inclusive Oreos esmagados em uma receita é um crime muito sério. Também vim a entender que essas não são pessoas que eu quero conhecer.) Eu sei o que você está pensando “Mas espera, eu pensei que você estava dizendo para falar e não se calar!” Eu quero que você fale, especialmente considerando que Outubro é o mês Anti-Bullying – fale sobre o bullying em geral, sobre suas próprias experiências e experiências de amigos, sobre os locais apropriados para conseguir ajuda com bullying e assédio, e se você está recebendo mensagens de ódio, não fique com vergonha: vá em frente e publique elas, diga “Isso é o que as pessoas estão falando para mim.” Mas não se envolva com isso: eles vêem isso como uma legitimação do seu comportamento. Seja melhor do que eles. Não é muito difícil.

Respire fundo cada vez que você pensar em se envolver, e faça algo positivo em vez – post um gif, escreva sobre um livro que você gosta, ajude a alguém que foi intimidado, poste uma foto de você mesmo sendo lindo/feroz/f*dastico/ótimo. Se você é um fã de Instrumentos Mortais, divirta-se com o fato de que estamos começando a obter fotos e relatórios do filme, e então terá um teaser, logo um trailer e basicamente o ano que vem será uma grande jarra de doces para os Shadowhunters.

Eu nunca falei com os blogs de ódio e tenho planos de nunca falar deles de novo, mas eu me recuso a ser envergonhada ou silenciada por eles. Depois de fazer um hiatus, eu decidi que eu estava certa em voltar e fazer o que estava fazendo antes: interagindo com vocês, postar snippets e responder suas perguntas. Eu vou estar no set na próxima semana, então esperem mãos! 🙂 “

Depois que Cassie postou isso, sua amiga e também escritora Holly Black, reblogou o psot e acrescentou isso, conforme você lê aqui .

“Acho que esse foi um post realmente corajoso que a Cassie fez e eu estou muito feliz por ela ter feito. Eu conheço Cassie desde 2003 e o que a pessoa que cuida desse blog descreve não é nada como a pessoa que eu conheço e me preocupo. Ela é alguém que eu posso ligar e lamentar sobre meus problemas, que eu posso chorar na frente e que eu posso contar. Ela fez eu me ver de forma diferente e me ensinou a rir de coisas que eu nunca pensei que pudesse. Ela é boa, gentil, generosa e engraçada. E SIM, ELA É ATUALMENTE MINHA UNICA AMIGA REAL NA VIDA REAL.

Mas tudo isso de lado, espero que ajude os leitores ao ouvir sua historia e entender que se você se sentiu como ela se sente, você não está sozinho.”

O Idris BR apoia Cassandra Clare de todas as formas possíveis e todos nós somos contra o bullying, seja ele virtual ou não. Fale sobre o que você passa, não sofra tudo isso sozinho.

Arquivado nas categorias: Cassandra Clare com as tags:
Postado por:
Você pode gostar de ler também
05.05
Algumas semanas atrás, Cassie abriu uma caixinha de pergunta em seu Instagram @CassieClare1 e agora...
16.04
Cassie enviou a newsletter especial de “Sword Catcher”, cheia de novidades sobre o livro adulto ...
03.04
Cassie enviou uma newsletter bem pequena e sem muitas novidades, só pra falar sobre o atraso da new...
28.12
Nós, do Idris, estamos fazendo um Sorteio Solidário para doar para a cidade de Itabuna, que sofreu...
18.12
Cassie enviou uma newsletter onde ela fala sobre “Segredos da Mansão Blackthorn” e manda de nov...
02.12
Cassie respondeu mais asks em seu tumblr onde ela falou mais sobre dicas de escrita e também falou ...

Deixe seu comentário

2 comentários em “Cassie Clare fala sobre os blogs de ódio”



  1. Jessie disse:

    Gente mas que coragem da tia Cassie! Por essa postura tão decidida, respeitosa e, acima de tudo, corajosa é que sou tão fã dela!
    Eu realmente espero que essas pessoas – que não tem nada pra fazer – arrumem algo mais produtivo do que atacar a Cassandra e espero que isso não a afete de maneira alguma, por mais difícil que seja, porque ela não é só talentosíssima, é uma fofa, super atenciosa com os fãs e parece um amor de pessoa.

    Parabéns por terem postado o texto na íntegra (:
    Beijos





Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook