24.05

 

Data de lançamento 24 de novembro de 2016 (1h 56min)

Direção: Dennis Villeneuve
Elenco: Amy Adams, Jeremy Renner, Forest Whitaker
Gênero Ficção Científica
Nacionalidade EUA
Sinopse: Quando seres interplanetários deixam marcas na Terra, a Dra. Louise Banks (Amy Adams), uma linguista especialista no assunto, é procurada por militares para traduzir os sinais e desvendar se os alienígenas representam uma ameaça ou não. No entanto, a resposta para todas as perguntas e mistérios pode ameaçar a vida de Louise e a existência de toda a humanidade.

 

 

‘A Chegada’ não é o tipo de filme que podemos simplesmente estabelecer que fala sobre isso ou aborda aquele assunto.  A ficção científica, como o gênero se consagrou com ‘2001 – Uma Odisseia o Espaço’ expõe situações e propõe debates sobre diversos temas contemporâneos mas, mesmo estabelecendo certas direções, deixa o expectador livre para tirar suas próprias conclusões.

Mais ainda assim o filme tem um enredo, claro.  Sem nenhum aviso, doze grandes ‘conchas’ extraterrestres aparecem na Terra em pontos distintos do globo e.. ficam. A grande pergunta que norteia a história é: o que eles querem? Pra ajudar a responder essa pergunta (e quem sabe outras, é chamada a brilhante Dra. Louise Banks, uma linguista interpretada por Amy Adams. Para ajudá-la temos Jeremy Renner no papel do físico Dr. Ian Donelly e o Coronel Weber, encarnado por Forest Whitaker.

A maior missão desse grupo ( e de outros onze com especialistas variados nos outros pontos de aterrissagem das Conchas) é estabelecer comunicação e tentar descobrir o propósito desses seres no nosso planetinha azul. Quase imediatamente, a Dra Banks estabelece um primeiro entendimento e o enredo se desenvolve daí.

E que desenvolvimento! O filme, adaptado de um conto de Ted Chiang (autor estadunidense de ficção científica), é sensível, profundo, complexo e filosófico ao colocar a Comunicação (falada e escrita, suas nuances e interpretações) no centro das maiores questões humanas desde o Amor, a Maternidade, o Futuro, a Guerra até a Morte. A direção impecável de Dennis Villeneuve é sutil, mas mantém um constante ritmo de tensão e importância sem apelar para clichês sobre invasões ou raios azuis disparados do céu.

De fato, o diretor consciente e genialmente opta pelo total oposto. Os personagens falam sempre em voz baixa, reverentes ao momento que estão vivendo, e a câmera – em sua grande parte subjetiva, seguindo o ponto de vista da Dra. Banks – deixa que o espectador capte, com calma, o ambiente e as descobertas feitas a cada momento. Honrando o gênero, o filme também investe na Ciência como solução para os problemas apresentados mas mostra como o instinto humano pode se voltar para o medo e a violência ao enfrentar o Desconhecido.

Poderíamos passar horas falando sobre esse filme – e com certeza há diversas críticas e textos analisando as diversas questões levantadas, a Filosofia e as teorias linguísticas utilizadas no longa ou a metalinguagem da construção temporal do filme  – mas eu vou apenas utilizar mais esse parágrafo para elogiar a atuação brilhante de Amy Adams e dizer que, pra tentar ao menos começar a captar a essência dessa obra, é necessário assisti-la. Portanto, o façam. (Ou refaçam, em caso de já terem assistido).

No fim, um texto curto, somente para cumprir a necessidade dessa crítica de fazer mais um pouquinho de barulho sobre essa obra tão bonita -no sentindo mais puro que a palavra possa evocar.

 

 

Para conhecer mais da obra de Ted Chiang, que inspirou essa obra cinematográfica, vale comprar seu livro de contos ‘História da Sua Vida e Outros Contos’, por R$31,90 na Amazon, por R$28,71 (USE O CUPOM LIVRO 10) na Saraiva, sai a R$31,90 na Submarino e a R$44, 91 na Livraria Cultura

 

Arquivado nas categorias: Blog , Filmes com as tags:
Postado por:
Você pode gostar de ler também
26.02
“Os Últimos Dias de Krypton” Kevin J. Anderson Narração: Thiago Ubaldo, Zeza Mota, Daniel Vid...
23.02
Sinopse: Em um sistema solar dominado pelo brutal Império Vathekês, Amani é uma sonhadora. Quand...
19.02
“É assim que se perde a guerra do tempo” Amal El-Mohtar e Max Gladstone Suma – 2021 – 192 ...
16.02
Sinopse: Desi nunca se deu bem no amor ― até decidir transformar a própria vida em uma novela c...
15.02
O site mybest Brasil nos chamou para participar de uma lista com indicações de blogueiros literár...
12.02
Oi pessoal! Tudo bem? Hoje vamos falar sobre uma série que ganhou meu coração recentemen...

Deixe seu comentário



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



Siga @idrisbr no Instagram e não perca as novidades
Facebook