padrao_cassie

Mais uma vez, Cassie tirou tempo para responder os fãs no tumblr, e o assunto dessa vez foi declarações de amor e o peso que “Eu te amo” pode ter – e quais seus equivalentes. Envolvendo os personagens de “Os Instrumentos Mortais” e “As Peças Infernais”, Cassie explica o tempo de cada personagem para aceitar seu amor e a forma como o declara.

Mas CUIDADO porque esse post contem SPOILERS de “Contos da Academia dos Caçadores de Sombras”!

Se você não sabe sobre os “Contos da Academia dos Caçadores de Sombras”, basta vir AQUI.

Agora confiram a tradução:

Além do “Eu te amo”

Jasington disse: Oi. Eu sou uma grande fã tanto de As Peças Infernais como de Os Instrumentos Mortais. Tem dois personagens que são meus favoritos: Isabelle e Jem. Jem é um personagem que me ajudou a passar por um momento da minha vida que não foi tão fácil. Ele me deu esperança. E Isabelle é o tipo de pessoa que eu gostaria de ser. Os finais desses dois personagens fizeram meu coração quebrar um pouco. Eu também fiquei um tanto incomodada que todo mundo em TMI teve um final feliz, menos Isabelle. Eu estava só me perguntando porque esses dois personagens não tiveram um final feliz? Esses livros são os meus favoritos pra ler, porque eu me sinto conectada com esses personagens. Você é uma ótima escritora e eu espero que continue no futuro…

Então aqui tem uma coisa que eu aprendi sobre ter um personagem favorito sendo tanto uma leitora quanto uma escritora: você sempre vai sentir como se o seu personagem favorito (ou casal, mas isso é outro post) ficou pra baixo, não ganhou tanto espaço quanto os outros, não ganhou um final feliz, etc. Eu recebo mensagens constantemente sobre como Jem teve um final feliz e Will não. Ou como Gabriel não recebeu um final tão feliz, ou Gideon, ou até Charlotte, ou Henry (que terminou fazendo um sanduíche ruim no final de CP2, mesmo que ele vá ter uma longa e maravilhosa vida depois disso).

Não é que coisas ruins tenham acontecido aleatoriamente a eles, mas é que eles são seus favoritos e você quer que ele tenha todas as coisas. Eu recebo mensagens sobre como Jace e Clary não tiveram um final tão feliz quanto Magnus e Alec porque eles não estão tão comprometidos com o relacionamento deles sendo eterno. Eu recebo mensagens sobre como Magnus e Alec ficaram por baixo, porque Alec, como todas as pessoas, vai morrer algum dia. E mensagens sobre como Maya recebe um tratamento hostil e desigual porque o namorado dela não só perdeu as memórias, mas sim morreu na frente dela e ela e Bat não estão namorando oficialmente. E também algumas mensagens sobre como Sebastian não recebeu um final justo.

Para mim, Isabelle ganhou o que todo mundo ganhou no final de Cidade do Fogo Celestial: um final humano. Ela perdeu Max, o que foi a maior perda dela, e ela experimentou perder Simon, mesmo que no final de CoHF fique claro que ele está de volta e que eles vão tentar mais uma vez, com ele lembrando dela ou não. (E se você leu Os Contos da Academia, que eu sei que você não leu, você pode ler tudo sobre como acontece o final feliz de Isabelle e Simon.) Mas ela também experimentou vitória, salvar pessoas e ser salva, experimentou ser amada e amar, a perda, novos amigos e fortalecimento de laços familiares. Isabelle é uma jovem mulher corajosa, com ótimos amigos e uma confusa, mas amável família. Mesmo se um piano caísse na cabeça de Simon, eu não consideraria que ela teve um final triste. Se você se sente diferente, seus sentimentos não são inválidos, mas vale a pena perguntar a si mesma: Eu me sinto desse jeito porque foi realmente um final triste ou porque eu queria que outros personagens/casais tivessem mais? Talvez pergunte sobre Jem também que eu considero um dos mais felizes e sortudos personagem que eu escrevi?

asgreenasfire disse: Hey, Cassie. Eu amei “Nascido na noite infinita” tanto que nem tenho palavras. Obrigada a você e a Sarah por uma história tão boa, um dos melhores ebooks que já li. Quando Simon diz pra Izzy que ama ela, eu gritei tanto! De todo jeito, eu notei algo sobre Izzy – ela nunca disse isso de volta diretamente. Em CoHF ela diz que nunca falou que ama alguém (que não seja de sua família) e quando Simon disse que amava ela e que não queria ouvir isso de volta, a menos que significasse algo, ela disse “significa”, mas então no meio ela disse “eu sei”! Izzy algum dia vai dizer isso? Obrigada!

Essa pode não ser uma questão igual a de cima, mas pra mim elas estão relacionadas. Ok, uma coisa. Eu não sou muito fã das palavras “eu amo você”. Claro que eu gosto delas na vida real e ocasionalmente em livros, mas como uma frase definidora de relação, não funciona pra mim ou me interessa. E se eu estou num grupo de crítica, no trabalho de alguém, eu dou uma dica: “Você pode encontrar um outro jeito de dizer isso? Algo que é menos genérico, mas que é sobre essas pessoas e esse relacionamento?”

Eu realmente penso que essa é relacionada a outra pergunta porque isso é menos sobre o significado de “Eu amo você” e mais sobre marcar pontos. Tem muita discussão sobre se e quando Tessa disse eu te amo para Jem e/ou Will, e se Jem disse para Tessa, e se Will disse, etc. Eu também recebo muitas mensagens sobre Clary não dizer isso para Jace e Alec não dizendo para Magnus, e nem quem gosta de Clace ou Malec para pra pensar se isso acontece com os outros casais nos livros. smile emoticon ( http://cassandraclare.tumblr.com/…/has-jem-ever-said…) aqui tem um sobre se Jem já disse para Tessa. (Ele disse, mas em mandarim). Isso acontece com literalmente todos os casais, mas os fãs pensam que é só com o seu casal.

Voltando para o eu não gostar de “Eu te amo” – não é porque há qualquer coisa errada com as palavras, e meus personagens dizem isso o tempo todo. É sobre a maneira como dizem, Will dizendo “eu estou catastroficamente apaixonado por você”, é, para mim, enormemente mais interessando e mais relevante para Will e Tessa do que ele dizendo “Eu te amo, Tessa.” Assim como é Jace dizendo, “Eu te amo e vou te amar até morrer, e se houver vida depois disso, vou amar você também.”. Como é Alec dizendo para Magnus, “Eu nunca iria querer um amor menos estranho.” (Eu até vi o argumento que Alec dizendo “Eu te amo” para Magnus em BTEN não “conta” porque é no meio de uma frase sobre sua família, ao invés de um pronunciamento que ele faz do topo de uma árvore ou acompanhado por Jace na flauta ou o que for.)

Assim como para Isabelle, quando Simon diz “Eu te amo”, ela diz “Eu sei” – o que ecoa ele dizendo que isso é o que ele sempre quis, desde Cidade das Cinzas. Uma garota que quando dizem “Eu te amo” responde “Eu sei”. É o melhor “Eu te amo” que ela poderia dar para ele, e muito melhor do que as três palavras “Eu te amo” porque se trata de Simon e Isabelle, não funcionaria com nenhum outro casal, mas funciona com eles. Assim como Alec dizendo Mesmo que fossem apenas dias eu iria querer passa-los com você para Magnus porque parte do problema da relação deles sempre foi tempo, e a quantidade que os dois tem, e isso é Alec dizendo: eu não me importo com o tempo eu só me importo em estar com você. É sobre ultrapassar esse problema. Will dizendo que ele ama Tessa catastroficamente é sobre ele dizer que entende que é uma hora horrível e um momento horrível mas que ele a ama tanto que não pode não dizer isso. Quando Clary diz “Quando eu morrer e queimarem meu corpo e eu me tornar cinzas que se misturam com o ar e parte do solo e das árvores e das estrelas, todo mundo que respira aquele ar ou vê as flores que crescem do solo ou ve as estrelas vão se lembrar de você e amar você. Porque isso é o quanto eu te amo.” É sua maneira de assegurar a Jace, que sempre acreditou que amar é destruir que o amor são coisas boas como o mundo crescente e a beleza natural das estrelas.

Todas essas maneiras de dizer eu te amo são para tornar os personagens mais ricos, profundos, interessantes e ressonantes. Eu não tenho nenhuma lembrança de alguém dizendo “Eu te amo” em um livro para alguém, mas eu me lembro de Julieta dizendo “…E quando ele morrer, pegue-o e o corte em pequenas estrelas, e ele fará a face do paraíso tão linda”, e lembro de Cathy dizendo “Do que quer que sejam feitas as almas, a minha e a dele são feitas do mesmo” ou Wentworth dizendo “Eu sou metade agonia, metade esperança” ou o “Eu queria saber como desistir de você” de Jack.

Obviamente ninguém quer gastar todo o tempo de ninguém se batendo, mas ninguém é Shakespeare, mas eu, e todos escritores que conheço, tentamos fazer pronunciamentos de amor em nossos livros tão memoráveis e específicos de cada personagem quanto possível. Levou dias de partir papel para chegar a Eu estou catastroficamente apaixonado por você, e anos esperando o momento certo para Isabelle dizer Eu sei para Simon. Na verdade, Eu sei, é, obviamente, uma referencia a Star Wars, e o rumor é que a versão original era Eu também te amo. Harrison Ford improvisou no “Eu sei” e mudou uma frase memorável para algo que todos nós lembramos e nos inspiramos – eu tenho amigos que tem “Eu sei” gravado em suas alianças de casamento. Transformar o memorável Eu te amo em algo do qual as pessoas vão lembrar é pelo o que nós escritores batalhamos.

E então, shadowhunters, concordam com Cassie?

Fonte