10. Cidade de Vidro – Esse Sangue Culpado – A Casa de Campo Wayland sob ponto de vista do Jace

Através dos anos, muitas pessoas me pediram isso – o ponto de vista do Jace da cena “ardente e intensa” em ESTE SANGUE CULPADO, capítulo nove de Cidade de Vidro, página 193 da edição brasileira. Tomei algumas liberdades aqui – a cena se passa alguns momentos depois do que acontece na versão impressa do Cidade de Vidro – mas assim foi feito no projeto original!

Os pedaços abaixo em itálico são as partes do livro original, para ajudá-lo a localizar mentalmente a colocação da cena.

“Clary ouviu um forte barulho tamborilar ao seu redor. Por um momento confuso ela pensou que tinha começado a chover, então ela percebeu que era entulho, sujeira e cacos de vidro: os detritos da mansão destruída sendo arremessado ao redor deles como granizo mortal.
Jace pressionou-a mais forte contra o chão, com o corpo contra o dela, seu batimento cardíaco quase tão alto em seus ouvidos como o som dos entulhos da casa de campo caindo.”

* * *

Mais tarde, Jace se lembrava pouco sobre a destruição da casa em si, rompendo com única casa que ele tinha conhecido até ter dez anos. Lembrou-se apenas da queda da janela da biblioteca, lutando e rolando sobre a grama, e agarrando a Clary, girando-a para baixo dele, cobrindo-a com seu corpo enquanto pedaços da casa chovia em torno deles como granizo.

Ele podia sentir a respiração da menina, os batimentos de seu coração. Ele se lembrou de seu falcão, do jeito que tinha se aconchegado, cego e confiante, em sua mão, a rapidez de seu batimento cardíaco. Clary estava segurando-o pela frente da camisa, embora ele duvidava que ela percebesse, o rosto em seu ombro, ele estava desesperadamente com medo de que não fosse suficiente, que ele não poderia cobri-la completamente, protegê-la inteiramente. Ele imaginou pedras tão grandes como elefantes caindo em todo o terreno rochoso, pronto para esmagar os dois, para esmagá-la. O chão estremeceu com eles e ele se apertou mais contra ela, como se isso pudesse ajudar de alguma forma. Foi o pensamento mágico, ele sabia, como fechar os olhos para que você não visse a faca que vem em você.

O bramido havia desaparecido. Ele percebeu, para sua surpresa, que ele pudia ouvir de novo: pequenas coisas, o som dos pássaros, o ar entre as árvores. A voz de Clary, sem fôlego. “Jace, acho que você deixou cair a sua estela em algum lugar.”

Ele afastou-se e olhou para ela. Ela encontrou seu olhar firme. No luar seus olhos verdes poderiam ter sido preto. Seu cabelo vermelho estava cheio de poeira, com o rosto manchado de fuligem. Ele podia ver o pulso em sua garganta. Ele disse a primeira coisa que ele pensou, atordoado, “Eu não me importo. Contanto que você não esteja ferida.”

“Estou bem.” Ela estendeu a mão, os dedos roçando levemente pelo seu cabelo, seu corpo, super-sensibilizado pela adrenalina, sentiu como faíscas contra sua pele. “Tem grama em seu cabelo”, disse ela.

Havia preocupação em seus olhos. Preocupação com ele. Lembrou-se da primeira vez que ele a beijou, na estufa, como ele tinha finalmente conseguido, finalmente entendeu como a boca de alguém contra sua poderia desfazer-lo, fazê-lo girar e sem fôlego. Que todos os conhecimentos do mundo, todas as técnicas que conhecia ou tinha aprendido, saiu pela janela quando ela era a pessoa certa que você estava beijando.

Ou a errada.

“Você não devia ter me tocado,” Ele disse.

A mão dela parou onde estava, sua palma contra seu peito. “Por que não?”

“Você sabe porquê. Você viu o que eu vi, não viu? O passado, o anjo. Nossos pais.”

Os olhos dela escureceram. “Eu vi.”

“Você sabe o que aconteceu.”

“Muitas coisas aconteceram, Jace.”

“Não comigo.” As palavras saíram como um sussurro angustiado. “Eu tenho sangue de demônio, Clary. Sangue de demônio. Você entende isso, não entende?”

Ela abriu a boca. Ele sabia o quanto ela detestava a sugestão de que ela não tinha entendido alguma coisa, ou não sabia, ou não precisava saber. Ele adorava isso nela e ela o expulsou de sua mente. “Isso não quer dizer nada. Valentine era um louco. Ele só estava com raiva.”

“E Jocelyn? Ela era louca? Eu sei o que Valentine estava tentando fazer. Ele estava tentando criar híbridos – anjo/humano, e demônio/humano. Você o primeiro, Clary, e eu o último. Sou parte monstro. Parte de algo que tentei muito queimar, destruir.”

“Isso não é verdade. Não pode ser. Não faz sentido.”

“Mas faz.” Como ela poderia não entender? Isso parecia tão óbvio para ele, tão básico. “Isso explica tudo.”

“Você quer dizer que explica porque você é um incrível Caçador das Sombras? Por que você é leal, corajoso, honesto e tudo que demônio não é?”

“Isso explica”, ele disse calmamente, “porque eu sinto isso por você.”

A respiração saindo entre os dentes dela. “O que você quer dizer?”

“Você é minha irmã.” ele disse, “Minha irmã, meu sangue, minha família. Eu deveria querer lhe proteger -“ ele sufocou as palavras – “lhe proteger dos garotos que querem fazer com você exatamente o que eu quero fazer com você.”

Ele ouviu ela prendendo o fôlego. Ela ainda estava olhando para ele, e se ele tivesse esperado para ver o horror em seus olhos, uma espécie de repulsa, – ele não pensou que já tivesse se declarou de forma tão clara ou mais grosseira sobre como ele se sentia – ele não viu nada do tipo. Ele viu apenas alguma curiosidade, como se estivesse examinando o mapa de algum país desconhecido.

Quase distraidamente, ela deixou que os dedos de Jace arrastassem de baixo de sua bochecha para os lábios, delineando o formato da boca com a ponta do indicador dele, como se estivesse traçando um curso. Havia admiração em seus olhos. Ele sentiu seu coração sob seu corpo, sempre traidor, responder ao toque dela.

“O que exatamanete você quer fazer comigo?” Ela sussurrou.

Ele não conseguiu se segurar. Ele inclinou-se, encostou seus lábios na orelha dela: “Eu posso lhe mostrar.”

Ele a sentiu tremer, mas apesar do tremor em seu corpo, seus olhos o desafiou. A adrenalina no seu sangue, misturado com o desejo e a irresponsabilidade do desespero, fez o seu sangue cantar. Eu vou mostrar a ela, pensou. Metade dele estava convencida de que ela iria afastá-lo. A outra metade era muito cheio de Clary: sua proximidade, a sensação dela contra ele – para pensar direito. “Se você quer que eu pare, diga agora”, ele sussurrou, e quando ela não disse nada, ele roçou seus lábios contra sua têmpora. “Ou agora.” Sua boca encontrou seu rosto, a linha do queixo: ele provou sua pele, doce-salgado, poeira e desejo. “Ou agora.” Sua boca traçou a linha da mandíbula dela e ela arqueou-se para ele, fazendo com que seus dedos cavassem no chão. Seu cheiro, as respirações ofegantes estavam deixando-o louco, e ele colocou a boca sobre a dela para acalmá-la, sussurrando, dizendo, não perguntando: “Agora”.

E ele a beijou. Delicadamente primeiro, testando, mas de repente suas mãos estavam nas costas da camisa dela, e sua suavidade foi pressionado contra seu peito e ele sentiu a terra sólida cedendo sob ele quando ele caiu. Ele estava beijando-a da maneira como ele sempre quis, com um abandono selvagem e total, sua língua varrendo dentro de sua boca duelando com a dela, e ela era tão ousada quanto ele, provando-o, explorando sua boca. Ele estendeu a mão para os botões do casaco dela, assim quando ela mordeu levemente o lábio inferior e todo o seu corpo estremeceu.

Ela colocou as mãos sobre a dele, e por um momento ele estava com medo que ela ia dizer-lhe para parar, que isso era uma loucura, que eles iriam se odiar tanto no dia seguinte. Mas: “Deixe”, disse ela, e ele ficou quieto enquanto ela calmamente abriu os botões do casaco e ele caiu. A camisa que usava por baixo estava quase pura, e ele podia ver a forma de seu corpo por baixo: as curvas de seus seios, o recuo de sua cintura, o alargar de seus quadris. Ele sentiu-se tonto. Ele tinha visto o de outras meninas antes, é claro que ele tinha, mas nunca tinha importado.

Mas agora nada mais importava.

Ela levantou os braços, com a cabeça jogada para trás, pedindo em seus olhos. “Volte”, ela sussurrou. “Beije-me de novo.”

Ele fez um barulho que ele achava nunca ter feito antes e pressionou-se contra ela, beijando-lhe as pálpebras, lábios, garganta, pulso – suas mãos deslizavam sob sua fina camisa e o calor de sua pele . Ele tinha certeza de que todo o sangue tinha deixado seu cérebro quando ele se atrapalhou no fecho do sutiã – o que era ridículo, qual era a razão de ser um Caçador de Sombras e perito em tudo, se você não consegue abrir o fecho de um sutiã? – E ouviu a sua própria exalação suave quando conseguiu abrir e suas mãos estavam em suas costas nuas, a forma frágil de suas omoplatas sob as palmas das mãos. De alguma forma o pouco barulho que ela fez foi mais erótico do que ver alguém nu nunca tinha sido.

Suas mãos, pequenas e determinadas, foram na bainha de sua camisa, puxando-a. Ele puxou a camisa dela até suas costelas, querendo mais que suas peles se tocassem. Portanto, esta foi a diferença, ele pensou. Isso era o que significava estar apaixonado. Ele sempre se orgulhou de sua técnica, em ter controle sobre a resposta que poderia descobrir. Mas isso requer avaliação, e avaliação requer distância e não havia nenhuma distância agora. Ele não queria nada entre ele e Clary.

Suas mãos encontraram o cós da calça jeans, a forma de seus quadris. Ele sentiu os dedos dela em suas costas nuas, as pontas encontram suas cicatrizes e traçando-a levemente. Ele não tinha certeza de que ela sabia o que estava fazendo, mas ela estava revirando os quadris contra o seu, deixando-o trêmulo, fazendo-o querer ir muito rápido. Ele estendeu a mão e apertando-a mais firmemente contra ele, alinhando os quadris dela com no seu, e sentiu o suspiro em sua boca. Ele pensou que ela poderia se afastar, mas ela pos a perna sobre seu quadril, puxando-o ainda mais. Por um segundo, ele pensou que poderia desmaiar.

“Jace,” ela sussurrou. Ela beijou seu pescoço, sua clavícula. Suas mãos estavam em sua cintura, movendo-se sobre seu peito. Sua pele era surpreendentemente suave. Ela levantou-se quando ele deslizou as mãos debaixo de seu sutiã, e beijou a marca em forma de estrela em seu ombro. Ele estava prestes a perguntar-lhe se o que ele estava fazendo era certo, quando ela se afastou bruscamente, com uma exclamação de surpresa. . .

* * *

“O que foi?” Jace congelou. “Eu lhe machuquei?”
“Não. É isso.” Ela tocou a corrente de prata no seu pescoço. Em sua extremidade pendia um círculo pequeno de prata metálica. Ele tinha colidido contra ela quando ela se inclinou para frente. Ela olhou para ele agora.
Esse anel de metal castigado pelo tempo com o seu padrão de estrelas, ela sabia que era.
O anel de Morgenstern. Era o mesmo anel que brilhava na mão do Valentine no sonho que o anjo mostrou a eles. Ele tinha sido seu, e ele tinha dado a Jace, como sempre tinha sido transmitida de pai para filho.
“Eu sinto muito”, disse Jace. Ele traçou a linha de sua bochecha com a ponta do dedo, uma intensidade de sonho em seu olhar. “Eu esqueci que eu estava usando essa maldita coisa.”
Frio repentino inundou veias de Clary. “Jace,” ela disse, em voz baixa. “Jace, não.”
“Não o quê? Não usar o anel? ”
” Não, Não – não me toque. Pare. ”