29. Cidade do Fogo Celestial – Extra da morte do Sebastian

—Nós te perdoamos — disse Jocelyn. Ela ainda estava chorando, do mesmo jeito sem som horrível, do mesmo jeito que havia chorado em todos os aniversários de Jonathan quando pegava a caixa com suas iniciais.

— Não — disse ele. — Não há perdão para o que eu fiz. Eu sei onde vou arder quando morrer.

— O céu não perdoa, mas as mães sim — falou Jocelyn. — Quando você era um bebê dentro de mim, eu sonhei tudo por você. Que você seria belo e forte e bom. Que eu cantaria e cuidaria de você. — Ela apertou a mão dele. — Talvez não nesse mundo, mas em outro acredito que essa é a verdade.

— Não me perdoe — ele sussurrou. — Odeie-me. Comemore a minha morte. Depois de tudo que eu fiz, a última coisa que eu queria era te trazer mais sofrimento.

— Jonathan — Clary sussurrou. Ele olhou para ela.

— E irmãs? — ele disse. — Irmãs perdoam?