padrao_TDA

___________________________________________________________________________

As piras ainda estavam queimando enquanto a procissão se virava e voltava para a cidade. Era costume a fumaça subir toda a noite e as famílias se reunirem na Praça do Anjo para chorar entre os outros.

Não que Emma achasse provável que os Blackthorns fizessem isso. Eles permaneceriam na casa deles, juntos uns dos outros: Eles tinham estado separados demais a vida toda para desejar conforto de outros Caçadores de Sombras que eles mal conheciam.

Ela tinha se afastado do resto do grupo, muito despreparada para querer tentar falar com Julian novamente na frente de sua família. Além disso, ele estava segurando a mão de Tavvy.

Emma”, disse uma voz ao lado dela. Ela se virou e viu Jem Carstairs.

Jem. Ela estava muito surpresa para falar. Jem tinha sido um Irmão do Silêncio uma vez, e embora ele fosse um Carstairs, ele era um parente muito distante, devido a ter mais de um século de idade.Ele só parecia ter vinte e quatro anos, e estava usando jeans e sapatos gastos. Ele usava um suéter branco, o que ela imaginou que era a concessão dele para o branco de funerais dos Caçadores de Sombras.

Jem não era mais um Caçador de Sombras, apesar de ter sido por muitos anos, e era um dos mais famosos da família Carstairs, junto com sua prima Cordelia.

Jem”, ela sussurrou, não querendo alertar ninguém na procissão. “Obrigada por vir.

Eu queria que você soubesse o quanto eu sinto muito”, ele disse. Ele parecia pálido e desanimado, mas isso não poderia ser luto por Livvy, podia? Ele mal a conhecia. “Eu sei que você amava Livia como uma irmã.

Nós podemos conversar?” ela perguntou abruptamente. “Apenas nós?

Ele assentiu e indicou um lugar um pouco distante, parcialmente escondido por um monte de árvores. Depois de sussurrar para Cristina que ela estava indo falar com Jem – “O Jem? O muito velho? Que é casado com uma feiticeira? Sério?” – ela seguiu Jem para onde ele estava sentado na grama, entre uma pilha de pedras antigas.

Eles sentaram em silêncio, os dois olhando acima dos Campos Imperecíveis. “Quando você era um Irmão do Silencio”, Emma falou abruptamente, “vocês queimavam as pessoas?

Jem olhou para ela. Seus olhos eram bem escuros. “Eu ajudava a acender as piras”, ele disse. “Um sábio homem que eu conheci uma vez disse que não podemos entender a vida, e por isso não devemos esperar entender a morte. Eu perdi muitos que eu amava para a morte, e não fica mais fácil, nem fica assistir as piras queimarem.

Nós somos pó e cinzas”, Emma disse.

Isso significa que somos todos iguais”, disse Jem. “Todos nós somos cremados. Todas nossas cinzas vão para construir a Cidade do Silêncio.

Exceto os criminosos”, disse Emma.

Jem franziu a testa. “Livia dificilmente era isso”, ele disse. “Nem você, a menos que esteja pensando em cometer um crime?

Eu já cometi. Eu estou terrivelmente apaixonada por meu parabatai. O desejo de dizer as palavras, de confessar para alguém – para Jem, especialmente – foi como uma pressão por trás dos olhos de Emma. Para evitar, ela disse apressadamente: “Seu parabatai já se distanciou de você? Quando você, sabe… quis conversar?

Pessoas fazem coisas estranhas quanto estão de luto”, disse Jem gentilmente. “Eu estava assistindo de longe, mais cedo. Eu vi o que Julian fez por seu irmão no funeral. Eu sei o quanto ele tem amado essas crianças. Nada do que ele diga ou faça agora, nestes primeiros e piores dias, é simbólico de quem ele é. Além do que…”, ele acrescentou com um leve sorriso. “Ser parabatai é complicado. Eu dei um tapa em meu parabatai, uma vez.

Você fez o que?

Como eu disse.” Jem pareceu achar graça no espanto dela. “Eu bati em meu parabatai – eu o amava mais do que eu já amei qualquer outra pessoa no mundo, exceto Tessa, e eu bati no rosto dele porque meu coração estava partido. Eu dificilmente posso julgar outro alguém.

Tessa!” Emma disse, de repente se sentindo rude por não ter perguntado sobre ela antes. “Onde ela está?

A mão de Jem se fechou em um punho na grama. “Ela está no Labirinto Espiral com Catarina Loss, pesquisando desesperadamente por uma cura. Todos os feiticeiros estão adoecendo. Tessa parece protegida por seu sangue de Caçador de Sombras. Mas aqueles que são mais velhos, que já usaram mais magia e magias mais poderosas, estão adoecendo primeiro.

Magnus”, Emma disse. “Ele é mais velho e poderoso, não é? E ele usa muita magia?

Jem concordou sombriamente.

Quanto Tessa sabe sobre isso?” Emma questionou. “O que elas descobriram?

Tessa acredita que esteja conectado com os assassinatos que Malcolm cometeu com os Seguidores do Guardião”, disse Jem. Emma piscou para ele. Tudo isso parecia milhares de mundos de distância. “Ele usava as Linhas Ley para dar energia a sua necromancia – se elas estiverem envenenadas, pode estar transferindo esse veneno para qualquer feiticeiro que as use.

Feiticeiros não podem não usá-las?

Existem poucas fontes de poder”, disse Jem. “Linhas Ley são as mais fáceis. Muitos dos feiticeiros pararam de usá-las, mas isso significa que eles estão acabando com seus poderes muito rapidamente, o que também não é saudável.” Ele deu a ela um sorriso não convincente. “Tessa vai resolver isso”, ele disse. “Ela encontrou Kit – ela vai descobrir a resposta para isso também. Eu estou mais preocupado com você neste momento. Você parece magra e exausta –

Eu tive que assistir Livvy morrer”, Emma disse. “Você já assistiu alguém que você amava morrer?

Sim”, Disse Jem.

Esse era o problema com pessoas muito velhas, Emma pensou. Era raro que você tivesse uma experiência na vida que eles não tiveram.

E Horace Dearborn é o Inquisidor agora”, ela disse. “É como se não tivéssemos esperança para nada agora.

Sempre existe esperança”, disse Jem. “E mesmo que eu não possa ficar com você, porque eu tenho que retornar para Tessa, vou estar a uma mensagem de fogo de distancia. Me envie uma carta e eu virei, não importa o quão distante eu possa estar.” Ele colocou um braço em torno dela e a abraçou por um momento. “Tome cuidado, mèi mei.

O que isso significa?” Emma perguntou. Mas ele já tinha ido embora, sumindo entre as arvores tão rapidamente quanto ele chegou.



Kit ficou parado e olhando a fumaça subindo à distância pela janela do quarto que ele dividia com Ty.

Ao menos, ele assumia que ia dividir o quarto com Ty. Sua mochila estava lá, jogada em um canto, e ninguém disse a ele se ele deveria estar em outro quarto. Ele se vestiu no banheiro aquela manhã e quando saiu, viu Ty tirando a camiseta por cima da cabeça. As marcas dele pareciam mais pretas, provavelmente porque a pele dele era tão pálida. Ele parecia tão delicado – Kit teve que olhar para longe do formato de suas omoplatas, a fragilidade de sua coluna. Como ele podia parecer assim e ser tão forte para lutar contra demônios?

Agora Ty estava no andar de baixo com o resto da família dele. Pessoas tendiam a cozinhar quando alguém morria e os Caçadores de Sombras não eram uma exceção. Alguém provavelmente estava fazendo uma caçarola. Uma caçarola demoníaca. Kit encostou sua cabeça no vidro gelado da janela.

Teve uma época na qual ele poderia ter fugido, Kit pensou. Ele poderia fugir e deixar os Caçadores de Sombras para trás, se perder no mundo subterrâneo do Mercado das Sombras. Ser como seu pai, não sendo parte de nenhum mundo, existindo entre eles.

No reflexo do vidro da janela, Kit viu a porta do quarto se abrir e Ty entrar. Ele ainda estava usando suas roupas de luto, embora tivesse tirado a jaqueta e estivesse apenas com uma camisa preta de manga comprida. E Kit sabia que era tarde demais para fugir, que ele se importava com essas pessoas agora, e especificamente com Ty.

Estou feliz que você esteja aqui.” Ty se sentou na cama e começou a desamarrar seus sapatos. “Eu queria falar com você.

A porta ainda estava ligeiramente aberta e Kit podia ouvir vozes vindas da cozinha no andar de baixo. Helen, Dru, Emma, Julian. Diana voltou para sua própria casa. Aparentemente, ela morava em uma loja de armas ou algo assim. Ela voltou para pegar algum tipo de ferramenta que ela achava que poderia pegar as lascas das mãos ensanguentadas de Julian.

As mãos de Ty estavam bem, mas ele estava usando luvas. Kit tinha visto as mãos de Julian quando ele tinha ido lavá-las na pia, e elas pareciam como se estilhaços tivessem explodido em suas mãos. Emma estava por perto parecendo preocupada, mas Julian tinha dito que ele não queria um iratze, que apenas curaria a pele, cobrindo os pedaços de madeira. Sua voz soava tão estável que Kit mal a reconhecera.

Eu sei como isso vai soar”, disse Kit, se virando de costas para o vidro frio. Ty estava debruçado e Kit viu o brilho de ouro em seu pescoço. “Mas você não está agindo da maneira que eu esperava.

Ty chutou suas botas. “Porque eu subi na pira?

Não, essa foi meio que a coisa mais previsível que você fez.” disse Kit. “Eu só…

Eu fiz aquilo para conseguir isso.” disse Ty, e colocou a mão na garganta. Kit reconheceu a corrente de ouro e o disco fino de metal preso a ela: o medalhão de Livvy, aquele que ele ajudou a colocar antes da reunião do Conselho. Ele se lembrou vividamente dela segurando o cabelo de lado enquanto ele fechava o fecho, e o cheiro do perfume dela. Seu estômago revirou.

O colar da Livvy”, ele disse. “Quero dizer, acho que isso faz sentido. Eu apenas pensei que você iria…

Chorar?” Ty não parecia zangado, mas a intensidade em seus olhos cinzentos tinha se aprofundado. Ele ainda estava segurando o pingente. “Todo mundo deveria chorar. Mas isso é porque eles aceitam que Livvy está morta. Mas eu não. Eu não aceito isso.

O que?

Eu vou trazer ela de volta”, disse Ty.

Kit sentou pesadamente no peitoril da janela. “Como você vai fazer isso?

Ty largou o colar e tirou o telefone de seu bolso. “Isso estava no telefone de Julian”, ele disse. “Ele tirou enquanto estava na biblioteca com Annabel. São fotos das paginas do Volume Negro dos Mortos.” Ele olhou para Kit com uma expressão preocupada. “Você vai vir sentar perto de mim pra poder ver?

Kit queria dizer não; ele não podia dizer. Ele queria que isso não estivesse acontecendo, mas estava. Quando ele sentou perto de Ty na cama, o colchão afundou, e ele bateu o cotovelo no de Ty acidentalmente. A pele de Ty parecia quente contra a dele, como se o outro garoto estivesse com febre.

Nunca ocorreu a ele que Ty estava mentindo ou errado, e ele não parecia estar. Depois de quinze anos com Johnny Rook, Kit estava familiarizado com os livros ruins de feitiços como esse, e esse parecia decididamente ruim. Feitiços com uma caligrafia apertada inundavam as paginas, junto com esboços assustadores de corpos saindo do caixão, rostos gritando e esqueletos carbonizados.

Ty, no entanto, não estava olhando para as fotos como se elas fossem assustadoras; ele estava olhando como se elas fossem o Santo Graal. “Esse é o mais poderoso livro de feitiços para trazer de volta os mortos que já existiu”, ele falou. “É por isso que não importa se eles queimaram o corpo de Livvy. Com feitiços como esse ela pode ser trazida de volta inteira, não importa o que tenha acontecido com ela, não importa quanto tempo –” Ele parou, suspirando fundo. “Mas eu não quero esperar. Eu quero começar assim que nós voltarmos pra Los Angeles.

Malcolm não matou muitas pessoas para trazer Annabel de volta?” Kit perguntou.

Conexão, não causação, Watson”, disse Ty. “A maneira mais simples de fazer necromancia é com energia dos mortos. Uma vida por outra, basicamente. Mas tem outras fontes de energia. Eu nunca mataria alguém.” Ele fez uma expressão que devia parecer desdenhosa, mas na verdade só pareceu fofa.

Eu não acho que Livvy gostaria que você praticasse necromancia.” Kit falou.

Ty colocou seu telefone de lado. “Eu não acho que Livvy gostaria de estar morta.

Kit sentiu as palavras como um soco no peito, mas antes que ele pudesse responder, teve uma comoção no andar de baixo. Ele e Ty foram para o topo das escadas, Ty apenas com meias em seus pés, e olhou para a cozinha.

O amigo espanhol de Zara Dearborn, Manuel, estava lá, usando um uniforme dos oficiais da Gard e com um sorriso. Ele estava dando de ombros, e Kit se inclinou mais para frente para poder ver com quem ele estava falando. Ele viu Julian, encostado na mesa da cozinha, seu rosto sem expressão. Os outros estavam espalhados pela cozinha – Emma parecia furiosa e Cristina estava com sua mão no braço da outra garota, como se estivesse segurando ela.

Mesmo?” Helen perguntou furiosa. “Você não podia esperar até o dia depois do funeral da nossa irmã para arrastar Emma e Jules para a Gard?

Manuel deu de ombros, claramente indiferente. “Tem que ser agora”, ele disse. “A Consul insiste.

O que está acontecendo?” Aline perguntou. “Você está falando sobre a minha mãe, Manuel. Ela não ia simplesmente exigir ver eles sem uma boa razão.

É sobre a Espada Mortal”, Manuel disse. “É uma razão boa o bastante para vocês?

Ty segurou no braço de Kit, o afastando das escadas. Eles se moveram pelo corredor, as vozes na cozinha parecendo mais baixas, mas ainda urgentes.

Você acha que eles vão?” Kit perguntou.

Emma e Jules? Eles tem que ir. A Consul está chamando”, Ty falou. “Mas é ela, não o Inquisidor, então tudo vai ficar bem.” Ele se inclinou na direção de Kit, que estava com as costas encostadas na parede; ele estava cheirando como uma fogueira. Kit percebeu que era provavelmente por causa da pira de madeira, e seu estomago embrulhou de novo. “Eu posso fazer isso sem você. Trazer Livvy de volta, no caso”, ele falou. “Mas eu não quero. Sherlock não faz as coisas sem Watson.

Você contou para alguém?

Não.” Ty tinha puxado as mangas de sua camisa para suas mãos e estava enrolando o tecido nos dedos. “Eu sei que tem que ser um segredo. As pessoas não gostariam disso, mas quando Livvy voltar, eles vão ficar felizes e não vão se importar.

Melhor pedir perdão que permissão”, Kit disse, se sentindo tonto.

Sim.” Ty não estava olhando diretamente para Kit – ele nunca olhava – mas seus olhos se acenderam esperançosamente; na pouca luz do corredor, o cinza neles estava tão pálido que pareciam lágrimas. Kit pensou em Ty dormindo, como ele dormiu todo o dia da morte de Livvy e na noite, e o jeito que Kit ficou olhando ele dormir, em terror com o que iria acontecer quando ele acordasse.

Todo mundo estava apavorado. Ty ia se despedaçar, eles pensaram. Kit lembrou-se de Julian parado próximo de Ty enquanto ele dormia, uma mão acariciando os cabelos do irmão, e ele estava rezando – Kit nem sabia que Caçadores de Sombras rezavam, mas Julian definitivamente rezou. Ty ia desmoronar em um mundo sem sua irmã, todos eles pensaram; ele cairia como cinzas, assim como o corpo de Livvy.

E agora ele estava pedindo isso a Kit, dizendo que não queria fazer sem ele, e se Kit falasse não e Ty desmoronasse da pressão de tentar fazer isso sozinho? E se Kit tirasse sua ultima esperança e ele caísse em pedaços por causa disso?

Você precisa de mim?” Kit perguntou lentamente.

Ty assentiu. “Sim.

Então”, Kit falou, já sabendo que estava cometendo um grande erro. “Eu vou ajudar você.



Fazia frio na Scholomance, mesmo durante o verão. A escola foi escavada na lateral de uma montanha, com longas janelas correndo por toda a face voltada para o penhasco. Elas providenciavam luz, assim como os candelabros de luz enfeitiçada em quase todos os cômodos, mas não calor. A brisa gelada do lago abaixo, profundo e negro a luz da lua, parecia ter se infiltrado na pedra das paredes e chão e irradiava para fora delas, e era por isso que mesmo em setembro, Diego Rocio Rosales estava usando um suéter grosso e casaco sobre o jeans.

Candeeiros empoeirados de luz enfeitiçada lançavam sua sombra alta e magra a sua frente enquanto ele se apressava pelo corredor em direção à biblioteca. Em sua opinião, a Scholomance estava desesperadamente necessitada de uma atualização. A única vez que seu irmão, Jaime, o visitou na escola, ele disse que parecia ter sido decorada pelo Drácula. Infelizmente era verdade. Em todo lugar havia candelabros de ferro (que fizeram Kieran espirrar), candeeiros de bronze em formato de dragão suportando pedras enfeitiçadas ancestrais e lareiras cavernosas com gigantescos anjos proibitivamente posicionadas em ambos os lados. As refeições comunais eram feitas numa longa mesa que poderia acomodar toda a população da Bélgica, considerando que no momento havia menos de vinte pessoas morando na escola. Apenas alguns estudantes haviam ficado para o verão entre os anos de estudo e a maioria dos professores e estudantes estavam em casa ou em Idris.

O que tornou muito mais fácil para Diego esconder um príncipe fada no local. Ele tinha ficado nervoso com a ideia de esconder Kieran na Scholomance – ele não era um bom mentiroso nas melhores situações e o esforço de manter um “relacionamento” com Zara já o havia desgastado. Mas Cristina havia pedido a ele para fazer isso, e ele faria qualquer coisa por Cristina.

Ele alcançou o fim do corredor, onde a porta da biblioteca se encontrava. Há muito tempo a palavra BIBLIOTECA adornou a porta em letras douradas: agora apenas o contorno das letras permaneciam, e as dobradiças rangiam como um rato quando Diego empurrou a porta para abri-la.

Na primeira vez que ele viu a biblioteca, pensou que era pegadinha. Uma sala maciça, no último andar da Scholomance, onde o teto era feito de um vidro fino e por onde a luz passava. Durante o tempo em que a escola esteve deserta, carvalhos cresceram pelo chão e ninguém teve ou tempo ou dinheiro para removê-los. Eles permaneceram, cercados pela poeira da pedra quebrada, suas raízes quebrando o chão e serpenteando entre as mesas e cadeiras. Ramos se espalharam selvagemente acima das árvores, formando um dossel sobre as prateleiras, sujando os assentos e o chão de folhas caídas.

Às vezes Diego se perguntava se Kieran gostava dali porque lembrava a ele uma floresta. Ele certamente passou maior parte do seu tempo sentado em um banco perto da janela, um pouco sombrio, lendo tudo da seção das fadas. Todos os dias ele fazia uma pilha de livros que ele achava ter informações certas. Todos os dias a pilha era pequena.
Ele olhou quando Diego entrou. Seu cabelo era preto azulado, a cor do lago do lado de fora da janela. Ele tinha colocado dois livros em sua pilha de livros exatos e estava lendo o terceiro: “Hábitos de Acasalamento da Corte Unseelie”.

Eu não conheço ninguém no mundo das fadas que tenha se casado com uma cabra”, ele disse irritado. “Nem na Corte Seelie nem na Unseelie.

Não leve isso para o lado pessoal”, Diego disse. Ele puxou uma cadeira e sentou encarando Kieran. Ele podia ver os dois refletidos na janela. Kieran tinha ficado ainda mais magro, se possível, desde que eles tinham chegado à escola, e seus pulsos magros estendiam-se abaixo das mangas de seu uniforme emprestado. As roupas de Diego tinham sido todas muito grandes para ele, então Rayan Maduabuchi tinha se oferecido para emprestar as dele para Kieran – ele não parecia incomodado por Diego estar escondendo um feérico em seu quarto, mas quase nada perturbava a calma de Rayan. Divya, ao contrário, a outra melhor amiga de Diego na escola, se sobressaltava nervosamente toda vez que alguém mencionava que estava indo para a biblioteca, apesar da misteriosa habilidade de Kieran de se esconder.

Divya e Rayan eram as únicas pessoas que Diego tinha contado sobre Kieran, principalmente porque eles eram as únicas pessoas da Scholomance que Diego confiava no momento. Havia apenas um professor na residência – Professora Kaidou, que estava envolvida em um projeto de pesquisa sobre as propriedades mágicas do Lago Lyn e raramente saía de sua sala de estudos – e mesmo que tivesse havido um tempo em que Diego confiaria em um professor sem pensar duas vezes, esse tempo tinha passado.

Você ouviu alguma notícia de Idris?” Kieran disse, olhando para seu livro.

Você quer dizer do Mark”, Diego disse. “E eu não ouvi nenhuma notícia dele. Eu não sou sua pessoa favorita.

Kieran olhou para cima. “E você é de alguém?” De alguma forma, ele conseguiu perguntar como se não fosse um insulto, mas algo que ele simplesmente queria saber.

Diego, que às vezes se perguntava o mesmo, não respondeu.

Eu pensei que você poderia ter tido notícias pela Cristina.” Kieran fechou o livro, marcando seu lugar com o dedo. “Sobre se ela está bem, e Mark – eu pensei que os funerais fossem hoje”.

Eles foram”, disse Diego. Ele também achava que ele poderia ter tido notícias por Cristina; ele sabia que ela gostava de Livia Blackthorn. “Mas nós sempre ficamos muito ocupados em funerais. Há uma grande cerimônia, e muitas pessoas que visitam e expressam condolências. Ela pode não ter tido muito tempo”.

Kieran parecia aflito. “Isso parece incomodo. Em Faerie, sabemos deixar os que estão sofrendo sozinhos”.

É chato, mas também não”, disse Diego. Pensou na morte de seu avô, como a casa estava cheia da luz das velas, velas que queimavam com uma luz linda. Como os visitantes tinham vindo e trazido comida como presentes, e eles tinham comido e bebido juntos e compartilhado as lembranças de seu avô. Por toda parte havia flores cravo-de-defunto e o cheiro de bebida de canela e som de risadas.

Parecia frio e solitário para ele, sofrer sozinho. Porém fadas eram diferentes.

Os olhos de Kieran se fecharam um pouco, como se ele tivesse visto alguma coisa se refletindo na expressão de Diego. “Existe um plano para mim?” ele perguntou. “Para onde devo ser enviado, quando meu tempo escondido aqui acabar?

Eu pensei que você poderia querer voltar para Los Angeles”, disse Diego, surpreso.

Kieran sacudiu a cabeça. As mechas de seu cabelo ficaram brancas; sua cor de cabelo parecia mudar conforme seu humor. “Não. Eu não vou voltar para onde Mark está”.

Diego estava quieto – ele não tinha realmente um plano. Cristina tinha pedido para que ele escondesse Kieran, mas nunca tinha falado por quanto tempo. Ele queria fazer isso por ela porque ele sabia que ele devia a ela; ele tinha pensado em Zara – tinha se lembrado da dor no rosto de Cristina quando conheceu Zara.

Isso tinha sido sua culpa. Ele não tinha contado a ela sobre Zara porque ele estava torcendo desesperadamente que algo acontecesse que o libertasse do noivado antes que fosse necessário. Foram os Dearborns que insistiram no contrato de casamento. Eles ameaçaram expor os segredos da família Rocio Rosales se Diego não fizesse algo que provasse a eles que era leal quando ele disse que não sabia onde seu irmão estava e não sabia onde o artefato que Jamie levou estava.

Nunca foi uma questão dele amar Zara, nem dela amá-lo. Ela parecia sentir que tinha conquistado algo para seu curriculum ser noiva do filho de uma família importante, mas não havia paixão nela a não ser paixão pelas horríveis causas que o pai adotava.

Os olhos de Kieran se arregalaram. “O que é isso?

Aquela era uma luz brilhante, como um fogo-fátuo, sobre o ombro de Diego. Uma mensagem de fogo. Ele a pegou no ar e o papel desenrolou em sua mão: ele reconheceu a letra imediatamente. “Cristina”, ele disse. “É uma mensagem da Cristina.

Kieran sentou-se tão rápido que o livro caiu de seu colo no chão. “Cristina? O que ela diz? Ela está bem?

Estranho, Diego pensou; ele teria imaginado que Kieran teria perguntado se Mark estava bem. Mas o pensamento sumiu de sua mente quase imediatamente, rabiscado pelas palavras que ele estava lendo.

Se sentiu como se tivesse levado um soco no estômago, Diego entregou a mensagem a Kieran, e observou o garoto ficar pálido enquanto lia que Horace Dearborn havia se tornado o novo Inquisidor.

Isso é um tapa na cara de Mark,” disse Kieran, com a mão tremendo. “Os Blackthorns ficarão com o coração partido, assim como Cristina. E ele é um homem perigoso. Um homem mortal.” Ele olhou para Diego, com os olhos negros e cinza-escuro. “O que podemos fazer?

Diego moveu sua cabeça. “Está claro que eu não sei nada sobre as pessoas”, ele disse, pensando em Zara, Jaime, em todas as mentiras que ele contou e como nenhuma delas chegou onde ele queria, mas só tornou tudo pior. “Ninguém devia me perguntar como resolver nada”.

Enquanto Kieran olhava para ele, surpreso, ele deixou suas mãos esconderem seu rosto.



Eu sei que essas palavras podem parecer vazias nesse ponto”, Jia falou, “mas eu sinto muito sobre Livia.

Você está certa”, Julian disse. “Elas parecem”.

Estava escuro fora das janelas da Consulesa, e as torres demoníacas subiam além do céu de Alicante como uma fileira de diamantes irregulares. Emma olhou em volta, lembrando a ultima vez em que ela esteve nessa sala – ela tinha doze anos, e ela estava impressionada com o quão macia ela parecia, com tapetes grossos sob os pés e uma mesa de mogno reluzente. Agora ela, Julian e Diana estavam sentados nas poltronas na frente da mesa de Jia. Diana parecia furiosa. Julian parecia vazio.

Essas crianças estão cansadas e tristes”, Diana falou. “Eu respeito seu julgamento, Jia, mas isso tem que ser agora?

Jia pressionou os dedos na testa. “Sim”, ela falou, “porque Horace Dearborn quer interrogar Helen e Mark, e todos os outros membros do Submundo ou que são parte ser do submundo em Alicante. Magnus e Alec já estão arrumando suas coisas para usar o Portal hoje à noite. Eu pensei que vocês iam querer que Helen e Mark fossem embora também.

Ele quer o quê?” Emma sentou ereta, indignada. “Você não pode deixar.

Eu não tenho escolha. Ele foi eleito por um voto majoritário”, Jia franziu o cenho. “Interrogar pessoas é o que o Inquisidor faz – a decisão está a critério dele.

Horace Dearborn não tem critério”, disse Diana.

É por isso que estou dando à vocês um aviso prévio”, disse Jia. “Eu sugiro que Helen e Mark – e Aline, já que ela não irá deixar Helen – sejam transportados por um Portal para Los Angeles essa noite.

Houve um momento de silêncio. “Você está oferecendo enviar Helen para Los Angeles?” Julian disse finalmente. “Não para Wrangel Island?

Eu estou sugerindo que Helen e Aline comandem o Instituto de Los Angeles temporariamente”, disse Jia, e Emma sentiu sua boca escancarar. “Como Consulesa, isso está em meu poder, e eu acredito que posso fazer isso acontecer agora, enquanto Dearborn está distraído.

Então você está dizendo que todos nós deveríamos pegar o Portal para voltar?” Emma disse. “E Helen e Aline podem vir conosco? Isso é ótimo, isso–

Ela não quer dizer todos nós”, disse Julian. Suas duas mãos estavam enfaixadas. Ele mesmo havia tirado a maioria das lascas, com a ponta de uma faca afiada, e havia sangue nos curativos. Ele não parecia ter sentido – Emma mesmo havia sentido a dor, assistindo sua pele se abrir sob a lâmina, mas ele não vacilou nenhuma vez. “Ela quer dizer que Diana, você e eu vamos ficar aqui, em Idris.

Você sempre foi esperto, Julian.” Disse Jia, mas como se ela não admirasse essa qualidade tanto assim.

Se Helen e Mark não estiverem aqui, ele vai nos interrogar.” disse Julian. “Não é verdade?

Não.” Diana disse rispidamente “Eles são crianças”.

Sim.” disse Jia. “E um deles quebrou a Espada Mortal. O outro trouxe Annabel Blackthorn para Alicante.

Mas eu não sei como ela quebrou.” disse Emma. “Eu a apontei para Annabel porque ela estava tentando me matar. Foi legítima defesa…

As pessoas estão aterrorizadas. E o medo não é algo lógico.” disse Jia. “Esse foi o pior momento para se quebrar a Espada Mortal, em um tempo de séria instabilidade e às vésperas de uma possível guerra com as fadas. E depois do Rei Unseelie ter levado Annabel do Salão do Conselho — vocês não entendem que foram vocês que a trouxeram aqui?

Isso fui apenas eu.” Julian estava branco ao redor da boca. “Emma não teve nada a ver com isso.

Emma sentiu uma leve faísca de alívio em meio ao pânico e o ultraje. Ele ainda me protege.

Jia encarou suas próprias mãos. “Se eu mandasse todos vocês de volta para casa agora mesmo, haveria uma revolta. Se Dearborn tiver permissão para interrogar vocês, então a atenção pública vai se afastar de vocês. A Tropa interrogará a lealdade de vocês, principalmente por causa de Helen e Mark.

Julian deu uma risada dura. “Eles suspeitam de nós por causa do meu irmão e da minha irmã? Mais do que por eu ter trazido aquela coisa — por eu ter trazido Annabel para a cidade? E prometi que tudo ficaria bem? Mas é o sangue de Mark e Helen que importa?

O sangue sempre importa para o tipo errado de pessoas.” disse Jia e havia uma rara amargura em sua voz. Ela passou a mão pelo rosto. “Eu não estou pedindo para vocês ficarem do lado dele. Deus, eu não estou pedindo isso. Apenas faça com que ele entenda que vocês são vítimas de Annabel. Aqueles que não estão na Tropa são muito solidários à vocês agora por causa de Livia — ele não vai querer ir muito contra a opinião pública.

Então, isso é como um pequeno movimento inútil que estamos fazendo?” disse Emma. “Nós deixamos o Inquisidor nos questionar, principalmente para fazer um espetáculo, e então podemos ir para casa?

Jia sorriu sombriamente. “Agora você entende de política.

Você não está preocupada em fazer de Aline e Helen as líderes do Instituto de Los Angeles? Dadas as preocupações da Tropa sobre Helen?”, disse Diana.

Será apenas Aline.” Julian olhou firmemente para Jia. “A filha da Consulesa. Helen não vai liderar nada.

Isso mesmo“, disse Jia, “E não, eu também não gosto disso. Mas esta pode ser uma chance de recuperá-las permanentemente da Ilha Wrangel. É por isso que estou pedindo sua ajuda — de vocês três.

Eu também vou ser interrogada?” Havia uma tensão aguda na voz de Diana.

Jia sacudiu a cabeça. “Eu gostaria da sua ajuda. Como você me ajudou antes com esses arquivos.

Arquivos?” Repetiu Emma. “Como arquivos são importantes agora?

Mas Diana parecia entender alguma linguagem secreta que Jia estava falando. “Eu vou ficar, certamente“, disse ela. “Desde que fique claro que estou ajudando você e que meus interesses não estão de forma alguma alinhados com o Inquisidor.

Eu entendo.” disse Jia. Nem são os meus ficou não dito no ar.

Mas as crianças”, disse Emma. “Eles não podem voltar para Los Angeles sem nós.” Ela se virou para olhar para Julian, esperando que ele dissesse que não seria separado de seus irmãos mais novos. Que precisavam dele, que deveriam ficar em Idris.

Helen pode cuidar deles.” ele disse sem olhar para ela. “Ela quer. Vai ficar tudo bem. Ela é irmã deles.

Então está decidido.” disse Jia, levantando-se de trás de sua mesa. “Você pode também arrumá-los para a viagem – vamos abrir o Portal para eles hoje à noite.

Julian se levantou também, empurrando para trás o cabelo que havia caído em seus olhos com uma de suas mãos enfaixadas. O que diabos têm de errado com você? Emma pensou. Algo estava acontecendo com Julian além do que poderia ser explicado pelo luto. Ela não sabia, ela sentia, no lugar profundo onde o laço parabatai estava em seu coração.

E mais tarde naquela noite, quando os outros fossem embora, ela iria descobrir o que era.



[Traduzido por Equipe IdrisBR. Dê os créditos. Não reproduza sem autorização.]

Fonte