“Ghosts of the Shadow Market” e pirataria

Ghosts of the Shadow Market, Livros, The Shadowhunter's Chronicles

Cassie respondeu asks em seu tumblr, falando sobre “Ghosts of the Shadow Market”, sobre pirataria e auto publicação! Confira:

beautyforged: rápida pergunta: “Son of the Dawn” vai estar disponível no seu site logo para aqueles que não têm dinheiro para comprar? Eu estou morrendo para ler o conto, mas não tenho dinheiro no momento, então estava me perguntando se você tem outros planos pra isso no futuro! Se não, obrigada de todo jeito e obrigada por ser uma escritora tão talentosa.

manuadurbinshadow: Eu sigo você no twitter e tumblr e em todos os lugares, e eu vi que teve todo um problema com a amazona, e li que você estava publicando você mesma os contos de “Ghosts of the Shadow Market”? Você pode dizer por que você decidiu fazer isso com os novos contos e não com “As Crônicas de Bane” ou “Contos da Academia”, e porque é diferente publicar assim do que com uma editora – tipo, uma editora te dá o dinheiro e então lida com coisas tipo as capas e assim por diante, certo? Você quer escolher as capas, então é por isso que temos essas novas artes? (Amo a Anna). Ou é pelo conteúdo – não que eu esteja perguntando se vão ter coisas sexuais. (Apesar de ser legal se tiver!) Desculpa se isso é estranho. Eu estou querendo ser uma escritora e queria saber mais sobre o processo.

Olá! Obrigada pelas perguntas, gente.

Okay, algumas coisas: primeiro é que não, nós não vamos colocar o conteúdo online de graça. Esses não são “extras” como você encontra no final dos livros – pequenos pedaços que eu escrevo de graça, e são essencialmente publicidade para os livros. Estes são livros por si mesmos: cada história é tecnicamente um conto, e não um conto curto. Vários foram contos! (Normalmente, um conto curto tem menos de 7 mil palavras, contos tem entre 7 mil e 20 mil, contos longos tem entre 20 mil e 40 mil palavras, e romances são mais de 40 mil palavras). (O conto curto no final de “Son of the Dawn”, chamado “Not for Humans”, já esteve online de graça antes e logo vai estar de novo.) Isso é um livro, entregue a vocês de maneira atípica – mas imagino que seja de uma maneira divertida. É um dos livros que nosso conteúdo gratuito tem anunciado, e aqueles que as vendas providenciam o dinheiro que nós cinco usamos para viver, e que nos permite continuar escrevendo.

O conteúdo não é e nunca foi o problema, apesar de que, geralmente falando, auto publicação ofereceu a muitos a chance de escrever mais diversificadamente, sem editoras para decidir o que é um movimento que não vende. Isso permite aos leitores decidirem o conteúdo que eles querem consumir, o que é parte do porque auto publicação é um lugar excitante para se estar. Nós queríamos que essas histórias saíssem logo, e nós queríamos controlar como nós íamos lançar e anunciar elas, assim como ter a liberdade do que estaria nelas, se nós precisássemos disso. Nós nos deparamos com alguns problemas (Amazon não acreditando que eu era eu, etc.), mas tem sido divertido.

Eu queria pegar essa oportunidade para falar sobre o problema de pirataria em cima de “Ghosts of the Shadow Market”.

Você está certa que normalmente uma editora te dá dinheiro – um adiantamento – e que esse dinheiro vai para as suas despesas enquanto você escreve o livro. É como autores sobrevivem durante a espera pela publicação. Escolher auto publicação significa que nós não temos o dinheiro adiantado para esses contos. Nós pegamos um adiantamento para a versão física do livro, que vai ser publicado pela Simon and Schuster – mas esse adiantamento foi para todas as coisas que uma editora geralmente paga, porque nós somos a editora. Nós pagamos pelo editor de copia, o revisor, o design gráfico e a artista que ilustrou todas as capas. Nós tivemos a oportunidade de pedir e mudar capas especificas. Nós pagamos pelo gestor de projeto, pagamos a própria publicidade, etc. Então todo nosso adiantamento foi para isso – o que nós achamos bom, porque quando você auto publica, você recebe muito mais rápido do que uma editora ia te pagar (meses, ao invés de anos). Mas tudo depende se as pessoas compram ou não os e-books.

Pirataria nos acerta muito mais e bem diretamente do que seria se fosse com uma editora. Se as pessoas não pagam os contos, nós não somos pagas – mesmo se você pretende comprar a edição física algum dia, isso é ótimo para a Simon and Schuster, mas não ajuda nós escritoras: é uma coisa bem diferente. Eu sei que muitas vezes as pessoas não veem e-books como livros reais, mas eles são reais: não é o papel que você compra, mas a história que nós cinco trabalhamos pesadamente para produzir. Eu sei que eu não posso parar as pessoas de piratearem – se eles quiserem, eles vão -, mas eu posso certamente dizer que eu vi a prova real do dano que a pirataria faz, e auto publicação é um jeito de nós vermos isso mais de perto. (Aqui tem um interessante e bem esperto post de Maggie Stiefvater sobre pirataria e Garotos Corvos. Uma coisa coisas que ela aceitar é que o jeito que as pessoas distribuem copias piratas antes mesmo de a história estar lançada, o que canibaliza as vendas.) Certamente se pirataria virar um problema muito grande, nós não vamos mais tentar nenhum projeto assim – escritores tem que receber pelo trabalho deles, ou eles não tem como se sustentar, assim como doutores, eletricistas, ou encanadores.

Se você não pode pagar o conto, por favor, considere que o audiobook está na Amazon de graça. É um jeito de experimentar o conto legalmente, de graça. Audiobook não é o formato favorito da maioria, mas o leitor do nosso audiobook é maravilhoso, e é um jeito de ler/ouvir a história sem dinheiro, sem prejudicar os autores que escreveram, e sem colocar em risco que um projeto desses exista novamente.

Obrigada! – As autoras de “Ghosts of the Shadow Market”

Fonte [x]

Assuntos