Crítica e Análise: QUEER EYE [Netflix]

Blog, Séries

Sinopse: Cada um tem uma especialidade: cultura, moda, cuidados pessoais, gastronomia e decoração. A cada episódio, os 5 Fabulosos vão transformar a vida de um homem, que passa a ter uma nova atitude para encarar a vida.

Essa sinopse é muito pequena e nem chega perto de contemplar por completo toda a magnificência que é Queer Eye.
Quem em 2018 nunca se pegou viciadíssimo em alguma série de MakeOver?? seja um makeover de estilo, vestimenta, personalidade, ou até mesmo aqueles ExtremeMakeOver de carros e casas??

Assim, tentarei explicar aqui para os que ainda não viram QueerEye o que faz e fez esta série – agora produzida pela Netflix – ser tão especial e gostosa de se assistir, e com alguma esperança envergonhar quem ainda não viu e fazer com que corram já para o sofá.

Originalmente, QUEER EYE FOR THE STRAIGHT GUY (nome “completo” da série) é de 2003 e apresentava 5 homens gays, cada um com uma especialidade no quesito LifeStyle, que eram responsáveis por dar uma “repaginada” no estilo de vida de um homem hétero. A série de 2003 (que logo foi encurtada apenas para “Queer Eye”, como ficou conhecida), conta com mais de 100 episódios e teve um grande impacto, sendo a série mais assistida do canal BRAVO, na tv norte americana.

Em 2018, a Netflix decidiu por trazer de volta este esquema de reconstrução de LifeStyle. Desta forma foram escolhidos novos 5 Fabulosos (como são chamados os 5 especialistas nas áreas de vestuário, culinária & vinhos, arte & cultura, higiene pessoal & cabelo, e design de interiores) para estrelar esse reboot.

Funciona assim, os 5Fab vão até a casa do indivíduo para conhecer sua rotina. Falam com amigos, com família, com todos aqueles que mantém relacionamento com o alvo, e assim aprendem e entendem como é a vida dele. Após isto, eles individualmente trabalham dentro de seus ramos para melhorar a vida e os hábitos do alvo. Mas não é apenas uma questão de mudança de corte de cabelo ou trocar camisas de flanela velhas por uma jaqueta nova.

O que acontece, e a série procura enfatizar isso para o telespectador, é a mudança de comportamento que um estilo de vida melhor pode trazer.

É nítido no decorrer dos episódios que alguns dos alvos não se sentem a vontade tendo 5 homens gays por perto, e perto aqui é usado como eufemismo, os 5 fabulosos adentram casas quartos e salas e propõem reconstruções à níveis elementares na vivência da pessoa escolhida. Desde seu relacionamento interpessoal até como lidam consigo mesmos, em questões de moda até autoconfiança. Exemplos de situações apenas diminuiriam o impacto que a série nos mostra visualmente, então colocarei informações soltas aqui.

Através de seus conselhos e exemplos (obviamente, mesmo concordando em participar da série nada é IMPOSTO aos alvos, que seguem ou não os conselhos, por vontade própria), os 5fab trazem à tona assuntos como bullying, intolerância, inseguranças, medos e ignorância por pate dos alvos. Um assunto muito tratado é como o machismo, a masculinidade tóxica imbuído na sociedade danifica os laços de convívio e os hábitos do próprio homem. São tratados ainda em menor escala a forma com que a vida destes alvos chegou ao ponto em que está, sendo este o momento em que eles o apresentam possibilidades do que fazer, ou como se comportar, para diminuir certas aflições individuais.

Acho muito interessante ressaltar que o fato de serem cinco homens gays já implica em lidar com alguns incômodos por parte dos alvos. “O programa original lutava por tolerância. A nossa luta é por aceitação.” é a frase que estampa o trailer da série. Fazendo referência ao programa original, que teve início em 2003 – quando muitos dos assuntos atuais não eram tratados ainda da forma que são hoje. Atualmente, 2018, diversas mudanças já aconteceram e um mundo mais culto a respeito de assuntos como Machismo e Preconceito dá a liberdade para que novas conversas sejam iniciadas e novas respostas sejam obtidas para problemas sociais. Com toda certeza o mundo ainda não está em seu ideal, e sendo assim faz-se necessário que estes assuntos continuem sendo tratados na esperança de que um dia este ideal chegue.

Queer Eye consegue abordar questões sociais ao assistir e tocar a célula da sociedade: o individuo.

A série, que conta com 5 ótimos guias, é incrivelmente viciante e tem uma mensagem a ser transmitida. E qual a melhor forma de transmitir uma mensagem (para possíveis destinatários que se recusam a entender do que se trata) do que mostrando vantagens e ganhos particulares?

No início, você topa assistir para ver o ponto inicial e a sequente comparação com o resultado final após a intervenção. Em segundos, ao assistir a série e identificar os métodos utilizados para realizar a intervenção, você deixa de se importar com isso pois o processo é muito mais importante e atraente que o resultado final, que muitas vezes nem é imediato. O contato e a interação com pessoas dispostas a elevar a autoestima dos alvos é o fator principal para o sucesso da Série. A felicidade estampada no rosto dos homens que foram auxiliados a sair de suas zonas de conforto, que foram colocados em ponto de deixar de apenas sobreviver, para começarem a viver suas vidas é extremamente sedutor (senão contagiante).

Duvido que qualquer um, não acabe os episódios sorrindo e analisando O QUE, dentre o que foi dito, pode ser utilizado em sua vida. Seja um dica de moda, ou até mesmo um novo vislumbre de como lidar com seus problemas e trazer um novo ar à sua vida.

“Confiança é Sexy. Saber quem você é, é Sexy”

“Você é um rapaz tão doce e tem tanto a oferecer, mas se você não tornar visível que tem muito a oferecer, ninguém nem vai lhe dar as horas do dia.”

Assuntos