Notícias

Cassandra Clare fala sobre incesto em Os Instrumentos Mortais e na literatura em geral

Cassandra Clare

destaque_cassietumblr

Agora a pouco, respondendo uma ask em seu tumblr, Cassie respondeu com um texto grande falando sobre o papel de incesto na literatura e muito mais. Como sempre utilizando várias referências literárias e alguns livros que ainda nem foram publicados aqui no Brasil e outros de grande sucesso, como é o caso de “As Crônicas de Gelo e Fogo”, ela mostrou que os temas polêmicos sempre estão presentes em qualquer literatura.

Confiram o texto já traduzido por nossa equipe:

“Olá Cassie,

Eu sou uma grande fã de Os Instrumentos Mortais. Eu absolutamente adoro sua escrita e seus personagens! Eu tenho uma grande questão também. Porque incesto é um tema tão recorrente em “Os Instrumentos Mortais”? Por favor não pense que eu estou criticando seu trabalho. Eu só acho que é interessante porque em Game of Thrones, tem um motivo para incesto (manter a linhagem sanguínea “pura” e “real”), mas em Os Instrumentos Mortais parece ser realmente “Eu estou apaixonado/com desejo pela minha irmã” e eu gostaria de saber porque você escolheu um tema tão cheio de tabu para seus livros?

Obrigada por escrever essa série! Parabéns em terminar CoHF, mal posso esperar para ler isso!

- Snogboxes”

Porque Hannibal é sobre canibalismo?

Quer dizer, Hannibal é sobre um monte de outras coisas também. É sobre vida e morte e perdas e luto e muito sobre psicanálise. Mas também é muito sobre canibalismo. Se revela no canibalismo. Ela rola em torno alegremente na representação visual e discussão verbal (“Eu acho que ele não saltou rápido o suficiente”) do canibalismo. Ela se delicia em relembrar você que muitas vezes todo o tempo que alguém está comendo algo, eles estão comendo pessoas. Ele faz o seu melhor suco de beterraba parecer com sangue humano. Eu acho muito difícil de assistir (eu estou falando sobre a série de TV, mesmo que os filmes e os livros de Thomas Harris também revelem detalhes de canibalismo) desde que o tabu sobre o canibalismo é tão grande. Mas não significa que eu não aprecie o que eles estão fazendo tematicamente.

Hannibal seria uma figura tão popular e fascinante se ele fosse apenas um assassino em série que não comesse as pessoas? Eu diria que não. Obviamente tem um tabu sobre assassinato, mas tem um tabu ainda mais severo sobre canibalismo, assim como tem sobre incesto (ninguém nunca me perguntou porque eu escolhi escrever sobre assassinado, enquanto eu recebo perguntas sobre incesto todo o tempo, mesmo que tenha muito mais assassinatos do que incesto nos meus livros. Incluindo os maiores tabus de assassinato: assassinatos de pais, irmãs, etc.) Se Hannibal estivesse simplesmente batendo nas cabeças das pessoas com pás e enterrando elas, eu suspeito que nós não teríamos achado ele tão fascinante por vinte e cinco anos: é uma parte que contrasta com o que ele parece ser – um gourmet, um gênio, com cultura, inteligente, charmoso – com o que ele realmente é: um assassino que interage com um tabu que nós associamos a urgências que são básicas, primitivas e animalescas, que nos mantém voltando para tentar melhorar o monstro.

O canibalismo em Hannibal também permite a série e os livros e os filmes a explorar o tópico do pecado: deliberadamente e incidentalmente. Na série, Hannibal alimenta com uma pessoa, disfarçado de coelho e bovino e outros enfeites, para os visitantes dele sem o menor conhecimento: nós vemos Will Graham, nosso tecnicamente herói, cometer canibalismo – só que, é claro, ele não sabe que está fazendo. Isso permite a série a explorar o conceito do pecado acidental. Will pecou horrivelmente nos olhos de Deus, mas ele não sabe disso. Ele está condenado sem escolher a condenação, e aquela condenação se desenrola sozinha.

A ideia de enganar as pessoas para comer carne humana não é nada nova. Na mitologia grega: “Tântalo era um rei rico de Lydia, amado dos deuses em uma idade em que os homens ainda dividia o pão com os deuses. Ele era um convidado regular na mesa no Olimpo, e dizem que ele falava muito os segredos e roubou ambrosia para compartilhar com seus amigos mortais. Seja qual for a verdade disto, os Olimpianos aparentemente o perdoaram, porque quando ele os convidou para um jantar em seu palácio, eles aceitaram.

Os deuses chegaram e sentaram-se para o banquete, mas quando os pratos foram servidos e descobertos, fez-se um silêncio. Eles reconheceram, instantaneamente, que Tântalo lhes serviu carne humana—a carne de seu filho Pelops. Só Demeter, distraída pela tristeza do recente rapto de Perséfone, deu uma mordida. Mas ela rapidamente percebeu o que havia feito—e estava horrorizada.” (De “Incesto, Canibalismo, e os Deuses: A Ascensão da Casa de Atreu.)

O pecado de Demeter foi inconsciente — ela não fazia ideia de que estava cometendo canibalismo — mas ela fica horrorizada da mesma forma (e a punição de Tântalo é horrível, e famosa). Figuras do canibalismo desde Titus Andronicus, the Norse Lay of Atli, em toda parte da mitologia grega, e assim por diante: em quase todo caso, o canibalismo é cometido sem querer, e o tema do pecado inconsciente pode ser explorado. Isso mexe com os medos mais profundos de nossas almas: E se cometermos o mal sem saber? Como viveremos com isso? Como nos prevenimos o que não pode ser prevenido? Como nós seguimos em frente e encontramos redenção?

Por que trazer Hannibal? Porque eu arriscaria dizer que a maioria dos escritores escrevem sobre incesto, canibalismo, e outros temas tabu porque ele são tabu, ao invés de por despeito ou coincidência. Coisas que são tabu e proibidas têm grande peso cultural e social. Elas também fornecem conflito, sem o qual você não tem nenhum enredo. Hannibal é um canibal por uma razão.

Quanto aos enredos de incesto, o exemplo de Game of Thrones é interessante. Não é, suspeito eu, como se George R R Martin se sentou e pensou “É melhor manter essas linhagens puras. Poxa! Isso significa incesto! Eu não quero escrever sobre isso, mas agora eu tenho!” Se ele não quisesse, ele não teria. Incesto é um tema recorrente em GoT porque (eu acho, eu não consigo ler a mente de George) 1) ele estava recorrendo à história real. A família real egípcia casavam entre si para manter as linhas de sangue puras, e porque era o que os deuses egípcios faziam, e os reis sempre quiseram ser como deuses. Mais sobre isso daqui a pouco. 2) Incesto na literatura é muitas vezes usado para significar tematicamente decadência e corrupção moral de uma família e também em uma nação. Os Targaeryens cometeram incesto e sua família apodreceu em insanidade, sua regra desmoronando. Isso é refletido com a relação de Jamie/Cersei e Joffrey sendo insano e do mal (porque ele é o fruto do incesto? Provavelmente. Quem sabe.) É bem interessante que você diga “em Game of Thrones, não há razão para incesto (como manter linhagens “puras” e “reais”) mas em TMI parece ser genuíno “Eu estou apaixonado/desejo a minha irmã” porque pra mim, Jamie e Cersei até onde posso dizer estão realmente apaixonados, ou algo assim. Certamente o relacionamento deles é jogado romanticamente (embora enoje todos no mundo que descobrem sobre isso.) Na verdade, ninguém em TMI está apaixonado por seus irmãos. Eu acho que Sebastian tem alguns sentimentos discutíveis sobre Clary mas eles não são claros, e eles certamente não são mútuos. E Jace e Clary brevemente acharam que eram parentes, mas não eram. O que não é incesto.

No entanto, trata sobre o tema do incesto , então eu acho que se a pergunta é ” Por que escrever sobre o incesto como um tema central? ” – Bem, há muitas respostas :) . O incesto não é um tema incomum em livros, como muitos parecem pensar. É muito, muito, muito comum. E é muito comum na fantasia, porque um monte de fantasia baseia-se em mitologia e a mitologia está cheia de incesto – porque, novamente, é tabu e traz consigo um enorme peso cultural , psicológico e social. Ela também serve como taquigrafia conveniente ficcional. Junto com “As Crônicas de Gelo e Fogo”, temos David Eddings e a “Trilogia Elenium”, os livros “Deverry” de Katherine Kerr, e “Wars of Vis” de Tanith Lee, todos contêm relações irmão-irmã consensuais que se destinam a destacar o tema sobre o poder = corrupção e incesto é o símbolo máximo do que é a corrupção ( e do rompimento da dinâmica familiar , o que é algo que todos nós pensamos como socialmente sagrado ) em “As Brumas de Avalon” Arthur dorme com a irmã porque – foi o que aconteceu no mito do Rei Artur . ( Embora seja muito romantizada em TMA e é indicado que Arthur nunca mais amou ninguém. ) Há incesto em Tolkien – Turim e Nienor são irmão e irmã que dormem juntos porque eles se encontram , sem saber que eles estão relacionados. Tolkien estava criando uma mitologia enorme , afinal , com base na mitologia celta e nórdica e os adaptou, e a mitologia celta e nórdica ( como todos os mitos ) estão cheios de incesto.

O incesto é uma abreviação ficcional/literária para conceitos que muitas vezes não podem ser transmitidas de outra forma , porque ao escrever sobre ele, você deve levar adiante o peso dos milhares de anos de escrita sobre este tema no folclore , mito e ficção. Então, por que o incesto em “Os Instrumentos Mortais”? Bem, no caso da trama de Jace e Clary , embora eles não estão realmente relacionados , caímos no âmbito do eu-não-sabia que éramos irmãos como Turim / Nienor . Estas são histórias sobre o pecado inadvertido . São histórias sobre pessoas perfeitamente boas que estão fazendo algo que eles acham que é bom – se apaixonar – que, em seguida , por causa de uma revelação que eles são impotentes para controlar ou prever , descobrem que no fim eles estão fazendo algo terrível.

Em “Os Instrumentos Mortais” esse aspecto das coisas é realmente mais sobre Jace do que Clary . Não que Clary esteja super feliz que o cara que ela se apaixonou acabou sendo o seu irmão, mas Jace é aquele cuja personalidade e individualidade é pega e definida pelo conceito de ser uma boa pessoa, com ideais de pecado e sacrifício, e mais especificamente, pelo que ela significa para ele a ser filho de seu pai . Ele é o único que lida com a questão de saber se uma natureza má é algo que é herdada, e também o que significa ter sido criado por alguém mal. Valentim nunca se importou se Jace e Clary achavam que eles estavam relacionados – suas vidas amorosas são desinteressantes para ele – ele se importa se Jace acredita ser seu filho , e é , ironicamente, o fato de que ele tem que acreditar que é filho de Valentim,o que faz com que Jace acredite que Clary é sua irmã, e no final, quase se decidir que é exatamente como o seu pai.

Quanto ao exemplo dos “sentimentos incestuosos” de Sebastian, eles têm um propósito também (e não, como eu uma vez ouvi sendo sugerido, para “provar que a heroína é sexy.” Meu Deus. Ter o seu irmão louco bater em você para consolidar seu governo não significa que alguém é sexy.)

Voltando a mitologia grega por um momento, os deuses cometeram incesto o tempo todo. Hera era esposa de Zeus e também sua irmã. Uma breve visita ao Wikipédia nos diz: “Na mitologia grega, Zeus e Hera eram irmão e irmã assim como marido e mulher. Eles eram os filhos de Cronos e Réia, (também irmãos que se casaram). Cronus e Réia, por sua vez, eram filhos de Urano e Gaia (um filho que levou sua mãe como consorte, em algumas versões do mito). Os irmãos de Cronus e Réia, os outros Titãs, todos também se casaram com irmãos com Nyx e Érebo. …A trágica peça de Sófocles, Édipo Rei, apresenta o antigo rei grego inadvertidamente consumando uma relação incestuosa com sua mãe.”

Édipo garante uma menção porque seu pecado de incesto era tanto predito – ele sabia que isso iria acontecer – e acidental – ele não sabia que ele estava namorando sua mãe quando isso aconteceu. Esse pecado especificadamente inconsistente, inconsciente tanto da parte dele quanto de sua mãe, mas quando a verdade foi revelada, ela se matou e ele se cegou. (Eu me pergunto como Will em Hannibal irá algum dia reagir quando ele descobrir que ele está comendo pessoas, uma vez que o fato de que um pecado é inconsciente muitas vezes não é um conforto para o pecador.)

Então por que está tudo bem para os deuses na mitologia grega cometerem incesto, mas não o pobre Édipo? Porque eles são deuses. O pecado de Édipo não é apenas um incesto acidental, é um de excesso de confiança. Foi predito que ele iria dormir com sua mãe um dia, mas ele escolheu ignorar isso e arriscou. Ao fazê-l, ele desafiou os deuses, que na verdade é o real motivo de sua punição. (Ele também descobre que ele matou seu próprio pai, de novo sem saber: parricídio sendo outro tabu que realmente não se aplica ao deuses. Zeus matou seu próprio pai também.)

Deuses não são ligados pelas leis da moral que ligam a humanidade. E esse é o ponto da obsessão de Sebastian com Clary. A pergunta colocada no quinto livro é a entalhada no Glorioso: Quis et deus, “Quem é como Deus?” É uma frase associada com o anjo Michael, e é uma pergunta delicada: há apenas uma resposta. Ninguém. Ninguém é como Deus.

Mas o Sebastian acha que ele é. Ele acha que ele é melhor que os mundanos, melhor que os Caçadores de Sombras, melhor que todos com exceção dos anjos e demônios, e deidades. Ele diz trechos da Bíblia enquanto está ameaçando sexualmente a Clary, como que querendo dizer que ele tem a aprovação de Deus, ou que não precisa disso, para desprezar as leis dos homens, porque ele é melhor que todos os deuses, melhor que todas as pessoas, que as leis normais não se aplicam á ele. Deuses podem retirar vidas, e Sebastian faz isso; deuses são imortais e invulneráveis, e Sebastian quer isso para si mesmo também; e ao tentar começar uma relação amorosa com sua irmã, Sebastian está explicitamente dizendo “eu quero ser/eu sou como um deus: os deuses egípcios regularmente casam com seus irmãos, os deuses gregos casam com seus irmãos, os deuses nórdicos casam com seus irmãos, e eu posso também”. Não é por acaso que em Tigana, por Guy Gabriel Kay, que lida com uma relação incestuosa, o pecado é chamado de “pecado dos deuses”.

(Pense no filme “Gladiador”, em que o Imperador Commodus bate em sua irmã como se não houvesse amanhã, em maioria para provar que, também, ele é como um deus: é uma forma de mostrar sua arrogância, assim como sua falta de moral. Agora, há outras maneiras que eles poderiam mostrar isso – ele poderia ter comido sua irmão, talvez, mas comer alguém tende a encerrar o desenvolvimento de uma relacionamento ao invés de dar a oportunidade de explorá-lo melhor. Também, nós tendemos a associar canibalismo com tendências animalescas, e reincidência e incesto como se fosse deboche ou a destruição do que antes fora bom. Nem todos os tabus servem para o mesmo propósito ficcional, e você não pode simplesmente escolher um ao outro.

A história de Jace e Clary é uma de um pecado inconsciente, e seus efeitos; a história de Sebastian é uma arrogância e seus efeitos. Incesto ficcional é o combustível que faz o carro do enredo andar. Poderia ter sido removido? Só se for no sentido de que você teria então livros diferentes sobre pessoas diferentes que querem coisas diferentes, fazer coisas diferentes, e se preocuparem com coisas diferentes que as pessoas desses livros. É um tema recorrente? Sim, porque é isso o que você quer de um tema: quanto mais recorrente, mais você o fortalece, o modificada, explora o seu sentido, e até mesmo encontra ironia nele (o fato de que Sebastian, em Cidade de Vidro, provoca o Jace por dizer “Eu beijei sua irmã e você não pode”, quando na verdade Sebastian só beijou sua irmã e a inveja de Jace é bastante irônica.

Só para voltar ao que eu disse anteriormente: há um monte de livros que lidam com o tema do incesto – que pode servir de decadência, por pecado inconsciente, para a inversão da dinâmica familiar (como em “The Cement Garden” de Ian McEwan e “Forbidden” de Tabitha Suzuma), ele pode ser um atalho para o relacionamento tóxico entre povo e governo (“Tigana”, a maioria dos góticos do sul), pode ser sobre o medo das pessoas em relação à forma como a definição de família está mudando (mudando as definições de família, o papel da mulher na casa, as crescentes taxas de divórcio, etc, todos deram início a uma onda maciça de góticos sobre incesto na era vitoriana).

Se você quiser verificar isso, você pode encontrar uma lista de livros sobre incesto aqui na Amazon. Os Instrumentos Mortais foi tirado da lista devido a “não conter qualquer incesto real” – a pessoa que fez a lista parece um pouco com raiva de mim, eu me sinto mal! – Mas acho que você vai ficar feliz em saber que “As Crônicas de Gelo e Fogo” permanece.

E então, shadowhunters, o que acharam do que Cassie apontou? Comentem!

O texto original pode se entrecontrado aqui.

  • Matt N

    Ela é genial!!! Fantástico o nível dessa mulher

O site Idris Brasil é um fan-site dedicado a autora Cassandra Clare e todas suas obras. Todo o conteúdo e de sua própria autoria e/ou utilizado com os devidos créditos. Todo trabalho reproduzido é feito de fãs para fãs e não há nenhum fim lucrativo. Possuímos o apoio da autora Cassandra Clare e de sua Editora autorizada na Brasil, Galera Record.

Copy Protected by Chetans WP-Copyprotect.